i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Covid-19 na Europa

Pandemia: restrições na Itália provocam protestos

    • Estadão Conteúdo
    • 27/10/2020 08:58
    protestos europa covid
    Trabalhadores da indústria de eventos protestam em frente ao Parlamento italiano contra as restrições impostas pelo governo por causa da Covid-19, em 27 de outubro de 2020| Foto: Vincenzo PINTO/AFP

    Milhares de pessoas manifestaram-se na Itália, principalmente no norte e no sul, contra as restrições anunciadas no domingo (24) para conter a pandemia do novo coronavírus no país, que registrou nesta segunda-feira um recorde de 21.273 novos casos. O protestos terminaram em confrontos com a polícia e detidos em várias cidades, entre elas Milão, capital da rica região da Lombardia, onde é maior o número de contágios.

    De acordo com as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, desde ontem, restaurantes e bares deveriam fechar após as 18 horas. As academias, piscinas e cinemas tiveram de suspender as atividades. As restrições acentuaram o mal-estar no país, que este ano deve enfrentar sua pior recessão desde a 2.ª Guerra. Com as medidas, a Itália impõe uma quarta rodada restrições neste mês e a mais severa delas desde que o país suspendeu o lockdown nacional em maio. O país tinha 1.208 pacientes com Covid-19 internados em UTI no domingo – mais do que em 9 de março, quando Conte anunciou o confinamento.

    "Estes são dias difíceis", disse o ministro da Saúde, Roberto Speranza. "A curva de contágio está crescendo no mundo. Em toda a Europa a onda é muito alta. Devemos reagir imediatamente e com determinação se quisermos evitar números insustentáveis."

    Por causa do aumento de casos na Europa, o Ministério das Relações Exteriores da Itália pediu a seus cidadãos que não viajem ao exterior, "exceto por razões estritamente necessárias".

    Na madrugada de sábado (24) para domingo, manifestantes protestaram contra o toque de recolher e enfrentaram forças de segurança no centro histórico de Roma. Os manifestantes esperaram até um minuto antes da meia-noite para lançar fogos de artifício com as cores da bandeira italiana contra a polícia. Sete foram detidos e dois policiais ficaram feridos. Ontem, também houve protestos em Turim, Nápoles, Catânia e Verona.

    A pandemia na Europa

    A Europa parecia vencer as taxas de infecção em setembro. Mas, com a reabertura das economias e o clima mais frio empurrando as pessoas para locais fechados, vários países estão relatando um aumento no número de casos que está superando os recordes registrados no auge da pandemia.

    A França anunciou no domingo mais de 50 mil novas infecções, mais um recorde pelo quarto dia consecutivo. Neste domingo (25), o país registrou 26.771 novos casos e 258 mortes pela doença em 24 horas, o pior número desde abril.

    Na Polônia, o número de casos de coronavírus dobrou em menos de três semanas.

    A Alemanha muito elogiada por sua resposta inicial à pandemia, viu os novos casos saltarem de 2.503, em 1.º de outubro, para 11.176 no domingo. "A pandemia está se espalhando rapidamente de novo, ainda mais rápido do que no início", alertou a chanceler alemã, Angela Merkel, em seu podcast semanal.

    Aumento mundial

    A Organização Mundial da Saúde (OMS) relatou novos recordes diários de novos casos em todo o mundo, por três dias consecutivos na semana passada, com novas infecções atingindo mais de 465 mil pessoas no sábado. Quase a metade dessas notificações ocorreu na região da União Europeia.

    Na sexta-feira (23) os Estados Unidos estabeleceram um novo recorde diário, com mais de 83 mil novos contágios.

    Jennifer Nuzzo, professora associada do Departamento de Saúde Ambiental e Engenharia e do Departamento de Epidemiologia da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins dos EUA, chamou as tendências americana e europeia de "profundamente perturbadoras". "A menos que os EUA e a Europa tomem medidas decisivas, vamos ver números de casos que devem superar os do pré-bloqueio", disse a The Washington Post.

    O Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças alertou na sexta-feira que, embora as taxas de mortalidade permaneçam baixas porque a transmissão ocorre principalmente entre pessoas mais jovens, isso pode mudar rapidamente na nova onda da doença.

    3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 3 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

    • N

      Nico Gavelick

      ± 3 dias

      Pouco tempo atrás, esses países estavam se achando o máximo no combate à Covid e olhando com desprezo para o Brasil. Pois é, o mundo dá voltas.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • F

        Francisco de Carvalho Costa Filho

        ± 3 dias

        Onde estão os genocidas agora, França, Itália e Alemanha está com uma segunda onda de covid e ninguém se pronuncia.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        1 Respostas
        • N

          Nikoski.M.A

          ± 3 dias

          Respondo a você... estão tentando fechar tudo de novo e acabar com o resto que sobrou,,, Segunda Onda meu .....O.....o... Nescios.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

      Fim dos comentários.