astrazeneca efeitos colaterais
Reguladores do Reino Unido avaliam a relação entre coágulos sanguíneos e a vacina da AstraZeneca| Foto: Kirsty O'Connor / POOL / AFP

O órgão consultivo de vacinas do Reino Unido disse nesta quarta-feira (7) que "é preferível" que adultos saudáveis com menos de 30 anos tenham a opção de escolher uma vacina contra Covid-19 que não a da AstraZeneca. Até agora, as alternativas seriam as vacinas da Moderna e da Pfizer, únicas aprovadas no país para uso emergencial além da AstraZeneca.

A orientação ocorre após uma reavaliação dos riscos da Covid para os adultos desta faixa etária sem doenças preexistentes, comparados aos efeitos colaterais da vacina da AstraZeneca. Os especialistas continuam afirmando que os benefícios da vacinação imediata com o produto da AstraZeneca "em muito superam o risco de eventos adversos para indivíduos com 30 anos de idade ou mais e aqueles que têm condições de saúde subjacentes que os colocam em maior risco de desenvolver quadros severos de Covid-19".

Essa reavaliação de riscos ocorreu depois que 79 casos de coagulação sanguínea foram registrados no Reino Unido em pacientes que haviam recebido a primeira dose da vacina da AstraZeneca. Dezenove pessoas morreram, a maioria mulheres de 18 a 50 anos.

Segundo o órgão consultivo – Comitê Conjunto de Vacinação e Imunização (JCVI) – "os dados disponíveis sugerem que pode haver uma tendência para o aumento da incidência deste evento adverso com a diminuição da idade, com uma incidência ligeiramente maior relatada nos grupos de idade adulta mais jovem". Os especialistas disseram ainda que atualmente não há fatores de risco conhecidos que causem essa "condição extremamente rara, que parece ser uma reação idiossincrática na primeira exposição à vacina da AstraZeneca".

Em comunicado publicado nesta quarta, a agência reguladora de medicamentos do Reino Unido disse que a evidência de uma relação entre a vacina e os coágulos sanguíneos está mais forte, mas que ainda é necessário mais estudo. A MHRA também afirmou que não está recomendando restrições de idade para aplicação do imunizante da AstraZeneca, mas disse que "os dados sugerem que há uma incidência ligeiramente maior relatada nos grupos de adultos mais jovens", alertando que "essa evidência em evolução deve ser levada em conta ao se considerar o uso da vacina".

Até o fim de março, 20,2 milhões de doses da AstraZeneca haviam sido aplicadas no Reino Unido, ou seja, o risco geral desses coágulos sanguíneos é de aproximadamente 4 em um milhão entre os que receberam a vacina.

Nesta quarta-feira, a agência reguladora de medicamentos da União Europeia confirmou a "possível associação" entre a vacina e os casos de coágulos sanguíneos, mas assegurou que os benefícios do produto superam os riscos.

O Reino Unido recomenda que todos aqueles que receberam a primeira dose da AstraZeneca e não tiveram coágulos sanguíneos devem tomar a segunda dose.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]