i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sínteses – O conflito entre optometria e oftalmologia

A verdade sobre a ADPF 131

  • PorJosé Alejandro Bullon
  • 21/07/2020 20:00
A verdade sobre a ADPF 131
| Foto: Marcos Tavares/Thapcom

O estado democrático de direito garante um convívio harmônico entre as pessoas. Obedecer às leis é uma obrigação fundamental para a manutenção da democracia. Desrespeitar as leis ou fingir que não existem é um atentado direto a liberdade da sociedade em suas várias feições.

O artigo 5.º da Constituição Federal de 1988 garante os direitos e liberdades fundamentais e no inciso XIII, trata do Livre Exercício Profissional no País dispondo que: “é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer.

Para profissões fundamentais à sociedade, como a medicina, existem legislações datadas da década de 1930 e por não concordar com o conteúdo dessas leis, a entidade representativa dos optometristas decidiu, no ano de 2008, levar a discussão ao Supremo Tribunal Federal – STF, questionando especificamente a validade dos artigos 38, 39 e 41 do Decreto 20.931/32 e os artigos 13 e 14 do Decreto nº 24.492/34, que dizem, em resumo que a) é terminantemente proibido aos optometristas a instalação de consultórios para atender clientes, devendo o material aí encontrado ser apreendido e remetido para o depósito público, onde será vendido judicialmente a requerimento da Procuradoria dos leitos da Saúde Pública; que b) é vedado às casas de óptica confeccionar e vender lentes de grau sem prescrição médica e que c) é expressamente proibido ao óptico prático e demais empregados do estabelecimento, escolher ou permitir escolher, indicar ou aconselhar o uso de lentes de grau, sob pena de processo por exercício ilegal da medicina e que d) o estabelecimento de venda de lentes de grau só poderá fornecer lentes de grau mediante apresentação da fórmula óptica de médico.

O Conselho Brasileiro de Oftalmologia – CBO e o Conselho Federal de Medicina – CFM ingressaram no processo e se manifestaram pela manutenção da validade dos artigos, que acabaram sendo julgados válidos pelo STF, no julgamento da ADPF 131, ou seja, os optometrsitas estão proibidos de realizar exames, receitar e vender óculos sem prescrição médica; instalar consultórios para atender clientes e tudo isso sob pena de processo por exercício ilegal da medicina, que é crime tipificado no artigo 282 do Código Penal Brasileiro.

O julgamento ocorreu por maioria de 7 votos a 4 e o STF decidiu que as proibições legais aos optometristas continuam válidas e devem ser obedecidas, tendo como voto vencedor o do Ministro Relator Gilmar Mendes. Essa foi a decisão final do STF.

É preciso lembrar que a proibição aos optometristas não é de vontade de um grupo de pessoas ou profissionais. O STF decidiu foi manter a vontade do legislador em proteger a população, deixando expresso que somente o médico, especialmente o médico oftalmologista, pode realizar consultar, requisitar exames e realizar o diagnóstico de doenças e o prognóstico e tratamento das mesmas. Numa época de pandemia, onde lembramos que a saúde é o nosso bem mais precioso, é fundamental ter certeza de que quem atende a população é realmente o médico devidamente qualificado.

Como a ADPF 131 tem alcance em todo o país e efeito vinculante, todas as autoridades públicas, especialmente o Poder Judiciário, deverão obedecer ao decidido e cooperar para a efetividade do julgado do STF.

José Alejandro Bullon, advogado e responsável pelo Departamento Jurídico do Conselho Brasileiro de Oftalmologia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.