i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
artigo

Autor anônimo do New York Times prova que o “Deep State” é real, e perigoso

A maior revelação do artigo não é a visão do autor desconhecido sobre o presidente Trump: é a tácita admissão da existência – e da arrogância – do deep state

  • PorScott Walter
  • The Daily Signal
  • 20/09/2018 00:01
 | /Pixabay
| Foto: /Pixabay

Quando os Republicanos perderam a eleição de 1856, Abraham Lincoln concebeu uma sóbria mensagem: “Quem quer que possa mudar a opinião pública, pode mudar o governo”. Quem escreveu o artigo anônimo do New York Times, no entanto, quer o contrário.

A maior revelação desse artigo do NY Times não é a visão do autor desconhecido sobre o presidente Donald Trump. É a tácita admissão da existência – e da arrogância – do deep state.

O deep state é a forma abreviada de se referir à vasta rede de burocratas de carreira e funcionários não-eleitos que trabalham para avançar uma agenda que nunca se depara com escrutínio público. Enquanto administradores vêm e vão, esses empregados do governo são imóveis em Washington.

Considere a mensagem do escritor do artigo para o povo norte-americano: Eu sou um pretenso “adulto” que “jurou frustrar partes da agenda [de Trump]” ao “cruzar as barreiras entre os partidos” e tomar a bandeira da “resistência ‘popular’ da esquerda”.

Esta é a mensagem traduzida do inglês governamental: Eu sou um insider que é mais inteligente que você e que sabe o que é o melhor, então vou minar a agenda de um presidente eleito democraticamente.

É a mesma mensagem da assim chamada “Resistência” contra Trump. É claro, publicações de esquerda como The Nation desmentiram o deep state classificando-o como “teoria da conspiração”. Mas em julho, Eugene Robinson no Washington Post elogiou-o em sua coluna: “Deus abençoe o Deep State”.

O tumulto que esse artigo provocou é prova de que as pessoas de Washington tomam a sua existência muito a sério

Não se engane – o deep state é real. O tumulto que esse artigo provocou é prova de que as pessoas de Washington tomam a sua existência muito a sério.

Mas, mesmo se o deep state é uma invenção da imaginação dos conservadores, sua contraparte – a estrutura administrativa do Estado – é um aparato de governo que os ativistas de esquerda reconhecem e trabalham ativamente para expandi-la.

Muitos dos grupos que protestam contra a presidência de Trump ajudaram a construir a estrutura administrativa e seu primo secreto. Pegue o caso radical do Environmental Defense Fund (Fundo de Defesa Ambiental), que trabalhou extremamente próximo, por anos, com a Environmental Protection Agency (Agência de Proteção Ambiental) do presidente Barack Obama para arquivar ações judiciais que ampliaram regulamentações para uso federal da terra e proteção das espécies.

O fundo acusou o ex-administrador da EPA de Trump, Scott Pruitt, de ter um “etos corta-e-queima”, que poderia “retroceder mais de 25 anos de trabalho de abordagem em relação à ligação entre raça, pobreza e poluição – avançada por meio de ordens do Executivo, fundos dedicados, comitês consultivos de especialistas e movimentos de base”.

Talvez não seja com Pruitt que os ambientalistas devam se preocupar, mas com o vasto poder da EPA.

Os ambientalistas não são os únicos grupos de interesses especializados responsáveis pelo crescimento do tamanho e da força do governo federal, a tal ponto que especialistas em política tenham de cogitar a existência do deep state.

Bruno Garschagen: A direita, os intelectuais e os erros de análise (publicado em 23 de julho de 2018)

Leia também: Os norte-americanos são melhores que suas leis (artigo de Jose Antonio Vargas, publicado em 17 de setembro de 2018)

Em 2009, a American Civil Liberties Union (União para as Liberdades Civis Americanas), a Human Rights Campaign (Campanha para os Direitos Humanos), e pais, famílias e amigos de lésbicas e gays incitaram o Congresso a passar a Lei Matthew Shepard, que ampliou o escopo do poder do Departamento de Justiça ao expandir a definição de crimes do ódio.

E por baixo do Departamento de Justiça, os laços do FBI com os influenciadores de esquerda vão ainda mais fundo: Vanita Gupta, uma ex-delegada da ACLU, tornou-se a chefe da Divisão de Direitos Civis do Departamento de Justiça de Obama – a repartição responsável por processar os crimes de ódio – em 2014.

Os amplos poderes investidos em todos os departamentos do poder Executivo preparam o terreno para os empregados na Agência de Segurança Nacional, na CIA e no FBI exercerem suas próprias agendas e subverter o comandante-chefe. Pouco importa se o artigo do NY Times é real ou não, o fato que importa é: poderia ser. A possibilidade de um deep state operante ou de burocratas de carreira da estrutura administrativa do Estado trabalhando contra o poder Executivo desde dentro é inquietante.

A esquerda pode ter ignorado a papel do deep state nas administrações anteriores, mas isso é porque ele trabalhou amplamente – e continua a trabalhar – em favor da esquerda. Mas os esquerdistas devem considerar as consequências desse deep state voltando-se contra eles no futuro. Tal poder não pode ser deixado em mãos de oficiais anônimos e que não prestam contas.

Conservadores irritados com o pensamento de um vira-casaca em suas fileiras deveriam considerar também os perigos representados por tão poderosas repartições. Quando há uma mudança de guarda, os conservadores realmente querem enfrentar a perspectiva renovada de que o telefone e a caneta do Executivo continuem a empurrar a agenda esquerdista?

Scott Walter é presidente do Capital Research Center e serviu na administração do presidente George W. Bush.
Tradução por Rafael Salvi.
© 2018 The Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.