i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Faixas exclusivas e a democratização da mobilidade urbana

  • PorJosé Ricardo Vargas de Faria
  • 17/11/2013 21:02

Manifestações, CPI, comissão da tarifa, ocupação da Câmara. Indícios de que, a despeito da marca de cidade modelo em transporte coletivo, Curitiba tem muito o que resolver nessa área. Os recém-anunciados R$ 5,3 bilhões em investimentos federais, estaduais e municipais na mobilidade urbana confirmam essa hipótese.

O mote do anúncio das obras – para Curitiba voltar a ser modelo de mobilidade – poderia ser questionado pelo seu vício de origem: nenhum modelo é isento de problemas. O crescimento linear da cidade nos eixos trinários aumentou as distâncias de deslocamento. A relação entre a verticalização (edificações com maior altura entre as vias rápidas) e o adensamento (mais moradores por quilômetro quadrado) não se verificou completamente. Muitos bairros verticalizados têm habitações de centenas de metros quadrados e famílias reduzidas. Mesmo em regiões onde há muitos moradores, não necessariamente há muitos usuários de transporte coletivo. Origem e destino do deslocamento, renda e hábitos dos moradores também têm influência sobre a opção (ou a falta de opção) de transporte.

O que não se pode questionar é a necessidade de fugir de certo imobilismo criado pelo título de modelo. Daí o anúncio dessas obras. Algumas, como o metrô, são polêmicas, especialmente pelos custos e benefícios envolvidos, pelas opções do trajeto e pelo modelo de gestão. Outras, como as faixas e canaletas exclusivas, são soluções conhecidas do cidadão curitibano. No entanto, há aqui uma novidade. Nos projetos de criação de algumas faixas exclusivas para ônibus, se propõe a supressão de faixas atualmente destinadas ao uso de automóveis.

Em São Paulo, solução similar gerou a reação dos usuários de automóveis e mereceu crítica do jornal O Estado de S.Paulo em 10 de outubro. Como se lê no editorial, ninguém questiona a necessidade de melhorar o transporte coletivo – até que isso afete as condições de uso do automóvel particular. O problema é que não há alternativa. Sendo o espaço um recurso limitado e escasso nas grandes cidades, aumentar aquele destinado ao transporte coletivo implica, muitas vezes, em reduzir aquele destinado ao carro. Em Curitiba, houve ações nesse sentido, mas a balança vem pendendo fortemente para o outro lado. Foram milhões de reais em alargamento de vias, implantação de binários e trincheiras, além da malfadada ponte estaiada. Com exceção desta última, obviamente dispensável, não se trata de saber se eram necessárias, mas de analisar as prioridades.

Por isso o anúncio da implantação das faixas exclusivas deve ser bem recebido. Prenuncia uma disposição por uma mobilidade urbana mais democrática. Em faixas exclusivas, os ônibus não ficam em engarrafamentos e aumentam sua velocidade média, diminuindo o tempo para cumprir o trajeto. Assim, o ônibus faz mais vezes o trajeto e, com o mesmo número de veículos em circulação, o tempo de espera no ponto diminui, diminui o número de passageiros por viagem, aumenta o conforto e o trabalhador chega mais cedo em casa. O aumento de velocidade estimado para a linha Inter 2, por exemplo, seria equivalente a colocar mais sete ônibus circulando no horário de pico. Quem sabe, até, o motorista do automóvel, com aquela inveja boa, considere, no dia seguinte, deixar seu carro em casa e tomar um ônibus para o trabalho.

José Ricardo Vargas de Faria, diretor do Senge-PR, é professor do Departamento de Transportes da UFPR e da pós-graduação em Direito à Cidade e Gestão Urbana do Instituto Ambiens e da Universidade Positivo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.