i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Galinha ou albatroz, como será o crescimento brasileiro?

  • PorCarlos A. Primo Braga
  • 15/03/2020 16:00
Galinha ou albatroz, como será o crescimento brasileiro?
| Foto: Marcos Tavares/Thapcom

O crescimento do PIB em 2019, de 1,1%, voltou a decepcionar. É bem verdade que esses são números preliminares e, como nos anos anteriores, é possível que sejam revistos nos próximos meses. Após amargar a recessão mais dramática de sua história moderna, a economia brasileira continua a apresentar um desempenho medíocre e o futuro da recuperação é incerto. A política econômica da administração Bolsonaro gerou expectativas positivas, mas a pergunta que ora se coloca é se a recuperação pós-crise será na realidade o proverbial voo de galinha sem sustentação de longo prazo.

No início de 2019, a expectativa de crescimento havia melhorado em comparação ao desempenho em 2018, quando o crescimento foi de 1,3%. As previsões iniciais de organismos internacionais e de analistas econômicos apostavam em um crescimento de 2% a 2,5% para 2019. Ao longo do ano, no entanto, tais estimativas foram gradualmente reduzidas. Choques exógenos como o desastre de Brumadinho, com o seu impacto no setor de mineração, e a desaceleração do comércio internacional em meio ao conflito comercial entre a China e os EUA não ajudaram. Mas a realidade é que a “lua de mel” do governo Bolsonaro foi curta.

A recessão de 2015-16 gerou uma perda significativa do grau de confiança na economia brasileira, tanto por parte de atores externos como pelos domésticos. A expectativa de uma recuperação da confiança e de uma retomada de investimentos estava associada à capacidade do governo de implementar uma série de reformas estruturais, incluindo a reforma da Previdência, liberalização comercial, desburocratização, privatização e uma reforma tributária com o intuito de diminuir o custo de se fazer negócios no país.

O governo conseguiu resultados importantes em termos de controle fiscal com base na reforma da Previdência e com a redução da taxa de juros. Os déficitsdo Regime Geral de Previdência Social (o sistema administrado pelo INSS) e do Regime Próprio de Previdência Social (o sistema que ampara os servidores públicos) equivalem a cerca de 2,5% e 2% do PIB, respectivamente, sendo responsáveis por mais de 50% do déficitnominal do Estado brasileiro. A reforma trará uma poupança de cerca de R$ 800 bilhões nos próximos dez anos, uma contribuição importante para evitar um crescente desequilíbrio fiscal. A política monetária também vem contribuindo ao promover uma queda substantiva da Selic, sinalizando uma queda na taxa de juros de mercado no médio prazo. Essa trajetória tem o potencial de revitalizar o mercado de capitais no país e alavancar investimentos, como já se observa com relação ao mercado imobiliário.

Infelizmente esse progresso vem ocorrendo em paralelo a um crescente ruído político entre os três poderes. Políticas heterodoxas com relação ao meio ambiente, relações internacionais, educação e agenda de costumes vêm contribuindo para a polarização da sociedade brasileira. Como consequência, crescem as dificuldades de avanços significativos em temas importantes como as reformas tributária e administrativa em 2020, um ano eleitoral. Ao mesmo tempo, a percepção do Brasil no exterior vem sendo afetada negativamente, criando desafios adicionais para a recuperação da credibilidade econômica do país.

As previsões econômicas para 2020 começam também a ser afetadas pelo impacto da pandemia associada ao Covid-19. Até o momento esse impacto foi limitado. Cabe mencionar que o Purchasing Manager’s Index (PMI) para o setor de manufaturas no Brasil foi de 52,3 em fevereiro, indicando um setor em expansão. Já no caso da China, o PMI teve uma leitura de 35,7, ilustrando o impacto dramático do Covid-19 na economia chinesa, na medida em que números abaixo de 50 indicam contração econômica. O Brasil não ficará imune à pandemia. A desvalorização do real, refletindo uma aversão crescente a riscos, e o impacto negativo sobre preços de commodities são os primeiros sinais do que está por vir. A desaceleração da economia brasileira é inevitável e o mercado já aponta para um crescimento abaixo de 2% em 2020.

A questão fundamental é até que ponto a administração Bolsonaro será capaz de administrar esses choques e revitalizar a agenda de reformas estruturais com base em um diálogo produtivo com o Congresso e o Judiciário. A realidade é que a melhor metáfora para a economia brasileira não é a de um “voo de galinha”, mas a possibilidade de um voo de albatroz. O albatroz é um pássaro conhecido pelo seu decolar desajeitado, mas que bate recordes de voo sustentado. Resta esperar que a continuidade das reformas facilite a decolagem do “albatroz” brasileiro.

Carlos A. Primo Braga é professor associado da Fundação Dom Cabral e ex-diretor de Política Econômica e Dívida do Banco Mundial.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • D

    Dario de Araújo Dafico

    ± 0 minutos

    Péssimo artigo! O título sugeria que o autor teria uma opinião quanto ao futuro. No entanto não disse nada interessante! Somente sugeriu que o executivo está "desperdiçando tempo com temas de pouca importância para economia". Típica fala de esquerdista! O executivo foi eleito com uma pauta clara sobre vários temas de interesse dos brasileiros e está tentando cumprir o que prometeu. Entretanto, o Congresso e o STF estão atrapalhando, porque eles têm o rabo preso e não querem as mudanças que o povo quer. E de vez em sempre aparece um artigo desse naipe "sugerindo" a culpa do Presidente. Cai fora socialista!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]