i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

LGPD: o maior risco para as empresas é o conhecimento do público sobre seus direitos

  • PorBrenda Rodrigues
  • 30/09/2020 21:24
LGPD
Aplicação da LGPD vai atingir até mesmo pequenos restaurantes que coletam dados simples como nome, endereço e telefone dos clientes.| Foto: Unsplash

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor no Brasil depois de diversas discussões legislativas. E, apesar da sua importância para nossa sociedade cada vez mais data-driven (ou seja, quando as decisões são orientadas pela coleta e análise de dados), as empresas, mesmo aquelas que estão fazendo projetos de adequação, ainda possuem muitas barreiras técnicas e culturais para se adaptar à nova realidade.

Mas, dentro das perspectivas – técnicas, que envolvem a segurança das informações; organizacionais, que trazem o programa de privacidade e profissionais em cargos estratégicos; e culturais, envolvendo mudança do mindset das áreas de negócio –, qual é o maior risco no atual contexto?

Com o adiamento das sanções administrativas para agosto de 2021, as empresas estão considerando o cenário favorável para desacelerar os investimentos e a preparação para essa nova realidade regulada. Contudo, o cenário real é um pouco diferente.

Os direitos dos titulares, bem como os princípios da lei, entraram em vigor independentemente das sanções, e, portanto, podem ser cobrados judicialmente por outras esferas, como o Procon e o Ministério Público. Entre esses direitos estão a informação transparente sobre a existência do tratamento dos dados, o de requerer a exclusão de dados excessivos para a finalidade da coleta, bem como o de exigir a exclusão total dos dados caso esteja em desacordo com as disposições legais. Ou seja, as pessoas já poderão cobrar que as solicitações sejam respondidas em acordo com os princípios legais.

Entretanto, as empresas, especialmente aquelas que lidam diretamente com o consumidor – as B2C –, têm construído um império estratégico embasado na análise de dados, sem qualquer limite bem definido em relação ao tipo de dado ou até mesmo à fonte de coleta. Diante deste cenário, estão enfrentando dificuldades não só nos negócios, como também em relação aos aspectos culturais para garantir que esses direitos à informação, à transparência, ao uso mínimo de dados e à restrição de tratamento apenas para cumprir finalidade legítima sejam, de fato, uma realidade para os titulares.

Quantos de nós recebemos e-mails e até mesmo mensagens por WhatsApp com comunicações de empresas que não conhecemos, e ficamos perdidos sem saber como excluir nossos dados daquela empresa, ou nem sequer conseguimos ter a informação de quais dados estão na base delas ou como foram parar lá?

Com a entrada em vigor da LGPD, isso não poderá ocorrer. Será considerado um tratamento ilegal e, consequentemente, violação do direito do titular. As sanções administrativas podem estar adiadas, mas os direitos não. E, portanto, o império do marketing data-driven estará bem ameaçado caso as pessoas saibam disso. Na maioria das empresas, não há, ainda, estrutura, tecnologia e preparação de equipe suficiente para a garantia da transparência dessas informações ou a facilitação da exclusão desses dados da base.

E quanto maior o conhecimento do público dos direitos sob a perspectiva da privacidade e proteção de dados, maiores serão os riscos de exposição das empresas às práticas irregulares de tratamento de dados. A realidade é que as empresas ainda estão despreparadas para o cenário no qual as pessoas conheçam e cobrem seus direitos. Assim, com os desdobramentos jurídicos dessa violação de direitos, esse pode ser, hoje, o maior risco enfrentado na implantação da privacidade na rotina data-driven.

Brenda Rodrigues é consultora de compliance da ICTS Protiviti.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.