Todos somos inimigos das embalagens ou deveríamos ser.

Embalagens são a me­­lhor representação do consumismo porque você não a veste, não a bebe e não a usa e por isso todos os impactos ambientais associados a ela são vistos como desnecessários.

Como todo ambientalista merecedor do título, ando com sacolas no carro, carrego pequenas compras na mão e até levo laranjas em minhas viagens para depois trazer as cascas de volta para seu descanso eterno em minha composteira.

No entanto, não gosto da demonização da embalagem e o primeiro motivo é o aforismo lacaniano: "Quem ama dá o que não tem". Se todo seu envolvimento com o futuro do mundo como nós o conhecemos é andar com sacolas no carro, é porque você não está de fato preocupado. Se estivesse, abriria mão do carro, da casa e do conteúdo que está dentro da embalagem também. Isso vai prejudicar seu emprego, o conforto de sua família, sua vida, enfim? Pois é exatamente a vida "normal" de 6,5 bilhões de pessoas que está acabando com nosso planeta.

Eis que a designer Cinara Bastos, de Londrina, me pergunta qual seria afinal a embalagem mais ambiental para um produto líquido. A pergunta aparentemente simples evidencia a falta de um mapa para o ambientalismo. Sabemos aonde queremos chegar (todos usando sacolas e andando de transporte coletivo, por exemplo), mas não sabemos qual o caminho para chegar lá.

Por uma daquelas sincronias ao gosto agora de Jung, dias depois desta pergunta me vi seguindo uma embalagem tetrapak desde seu berço em um gigantesco eucaliptal em Telêmaco Borba (PR) até tornar-se alumínio, plástico e papelão em Piracicaba (SP). Tivemos a ajuda do fabricante para escolher a embalagem correta, porque, se for depender da sorte, a chance de terminar em um lixão seguindo uma embalagem tetrapak é de ¾. A reciclagem consiste em colocar as embalagens em uma máquina de lavar do tamanho de um ônibus que retira o papelão. O plástico misturado com alumínio pode ser derretido e tornar-se qualquer coisa como caneta, escova ou vassoura.

A limitação para chegarmos a reciclar todas as embalagens tetrapak é separarmos mais, e há dois caminhos para chegar lá: educar os consumidores e pagar mais pelo material reciclado. Não é por outro motivo senão o cifrão que quase todas as latinhas de alumínio são recicladas, e este é o caminho para a embalagem mais ambiental.

Assim como me dou ao trabalho de trazer a "embalagem" de minhas laranjas para um local onde elas se transformarão em adubo, também compraria uma massa de tomate que me tomasse 1 real a mais na compra e o retornasse quando a devolvesse lavada em algum lugar. Neste mundo novo, educação e massa de tomate andam juntas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]