Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 |
| Foto:

A reforma da Previdência é o tema mais importante do atual governo. Depende dela a garantia da solvência das contas públicas, isto é, a própria vitalidade econômica do país, o que é, por sua vez, estritamente necessário para que outros projetos, como a reforma tributária, possam ser apresentados, e que uma nova fase de desenvolvimento possa ser descortinada. 

O novo governo está próximo de completar cem dias e o item fundamental da sua agenda não caminhou com a celeridade que deveria e que seria de se esperar. De qualquer forma, com a entrega do projeto da previdência dos militares, na última quarta-feira, nenhum impedimento mais existe, hoje, para que se possa avançar na negociação e na tramitação da reforma. O desafio está diante de todos os brasileiros. 

O que o momento requer, especialmente do presidente, mas também de todos os atores políticos envolvidos na decisão, é de um grande patriotismo, corretamente entendido como amor por nosso país unido a um forte sentido de responsabilidade, e de uma vigorosa capacidade de liderança. 

O verdadeiro líder consegue gerar o entusiasmo necessário que une forças

Ser capaz de vislumbrar um futuro de desenvolvimento e de florescimento dos potenciais humanos do país; discernir os melhores caminhos para se chegar lá; ter capacidade de formular essa estratégia e essas prioridades de maneira clara e convincente; saber propô-la com respeito a todos, em especial àqueles que participarão dos debates e das decisões; comunicar, comunicar e comunicar; ser capaz, na condução das negociações, de distinguir entre o que é prioritário e o que é periférico; ter a magnanimidade de não alimentar divisões e a capacidade de negociar o que for possível – o que é bem diferente do “toma lá, dá cá” –, respeitando a inevitável heterogeneidade dos atores políticos; uma determinação gigantesca que não desfalece diante dos obstáculos e que leva à busca de soluções e compromissos criativos e respeitadores da moralidade pública e do Estado de Direito; e uma grande capacidade de sacrifício; essas são algumas das qualidades que tornam grandes os líderes. É disso, ou de parte disso, que o Brasil necessita neste momento e que quer contemplar em seus representantes, a começar pelo chefe do Executivo. 

Essas virtudes terão de ser exercidas, por exemplo, em uma eventual proposição disjuntiva que o Legislativo venha a fazer, se este considerar que a reestruturação da carreira das Forças Armadas deve ficar para outra oportunidade, em benefício da aprovação da chamada “Nova Previdência”. Terá Bolsonaro a capacidade de agir com sabedoria, se precisar enfrentar uma de suas maiores bases de apoio, visando um bem maior? 

Leia tambémA viagem de Bolsonaro aos Estados Unidos (editorial de 19 de março de 2019)

Leia tambémA discussão promete ser longa (editorial de 20 de março de 2019)

E como o cidadão pode se engajar nesse processo? Até agora houve pouca mobilização popular em relação à reforma, demonstrando que a mensagem da importância e da urgência da matéria ainda não chegou aos ouvidos dos brasileiros. Os responsáveis pela comunicação da proposta devem ser mais ativos na sua divulgação. A começar pelo próprio presidente, que poderia deixar de lado a sua atitude, por vezes, hostil para com a imprensa, e enfrentar os questionamentos com clareza, sabendo demonstrar a todos – e não apenas à parcela simpática a seu governo – o porquê da tomada desta ou daquela decisão. 

O verdadeiro líder consegue gerar o entusiasmo necessário que une forças – em vez de dividi-las – para realizar um determinado fim, diminuindo muito a necessidade de se fazer concessões que podem se revelar prejudiciais num futuro próximo. 

Quiçá Bolsonaro, e também sua equipe, possam assumir o protagonismo que deles se espera, para que as reformas internas, tão necessárias para o futuro do Brasil, sejam levadas adiante.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]