Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Editorial

As prioridades dos parlamentares

Fundo eleitoral será bancado com centenas de milhões de reais de emendas destinadas a saúde, educação, segurança pública e outros serviços essenciais

  • Gazeta do Povo
 | Pedro França/Agência Senado
Pedro França/Agência Senado
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Quem realmente acreditou nas promessas de Eunício Oliveira, presidente do Senado, e Romero Jucá, líder do governo, quando ambos defenderam o uso de dinheiro das emendas parlamentares para abastecer o acintoso e bilionário fundo eleitoral aprovado na reforma política do ano passado? Emendas para saúde e educação são intocáveis, disseram à época. Mas quem pode dizer que não sabia o que aconteceria quando chegasse a hora de destinar o dinheiro aos partidos? Levantamento do jornal O Estado de S.Paulo apurou que R$ 472,3 milhões em emendas parlamentares para saúde e educação não chegarão a seu destino original, sendo direcionados para as campanhas de 2018.

Ambulâncias no Espírito Santo e transporte escolar em áreas rurais de Goiás estão entre os projetos prejudicados pela ganância dos partidos e candidatos. Mas não apenas a saúde e a educação saíram prejudicadas: segurança pública, agricultura, infraestrutura, universidades federais e projetos contra a seca também perderam dinheiro – uma obra que levaria águas da transposição do Rio São Francisco para municípios na Paraíba ficou sem R$ 10 milhões.

Cidadãos se verão privados de serviços básicos que deveriam ser a destinação prioritária dos recursos públicos

É a implantação, na prática, do financiamento público de campanha à custa do bem-estar da população, especialmente a mais pobre, que depende do Estado para ter acesso a serviços básicos. Após a aprovação do texto, o próprio relator da reforma política na Câmara, o petista Vicente Candido, admitiu sem pestanejar que “é muito para quem vai pagar, que é o povo brasileiro, e é pouco para quem vai receber, para o sistema atual” – ou seja: se pudessem, os políticos avançariam ainda mais sobre os recursos que deveriam servir à população, e não a campanhas eleitorais.

Após a proibição, pelo Supremo Tribunal Federal, das doações eleitorais de empresas, os partidos e os candidatos rejeitaram completamente a hipótese de fazer campanhas mais enxutas e baratas, preferindo o caminho mais fácil, de se apropriar do dinheiro do contribuinte brasileiro – seja pessoa física ou jurídica. E, como o orçamento é limitado, para se destinar mais dinheiro às campanhas seria preciso retirá-lo de algum lugar. Foi assim que as emendas parlamentares se tornaram o alvo preferencial dos partidos, e a essa altura pouco importava quais eram as áreas às quais esse dinheiro estava destinado em primeiro lugar. O povo brasileiro é que pagaria, como disse Vicente Candido, independentemente do jogo de cena de Eunício e Jucá.

Leia também: Acertos e disparates da reforma política (editorial de 8 de outubro de 2017)

Leia também: A Câmara insiste no financiamento público de campanha (editorial de 27 de agosto de 2017)

Tanto partidos como candidatos precisam ser financiados pelos que compartilham de suas plataformas e ideais. A democracia perde quando o eleitor é obrigado a financiar, com seu dinheiro que lhe é retirado por meio dos impostos, pessoas e ideologias com as quais não concorda, e que pode até mesmo rejeitar veementemente. Pior ainda quando a destinação desse dinheiro a partidos e candidatos significa que cidadãos se verão privados de serviços básicos que deveriam ser a destinação prioritária dos recursos públicos.

A ministra do STF Rosa Weber é relatora de uma ação direta de inconstitucionalidade que questiona a criação do fundo eleitoral. O PSL, autor da ação, argumentava que o fundo deveria ser criado por meio de emenda à Constituição, em vez de lei ordinária. Em vez de decidir sozinha, em caráter liminar, ela preferiu enviar o tema ao plenário do Supremo, mas até agora não há data para o julgamento. A confirmação daquilo que todos temiam – o uso de dinheiro destinado à saúde e educação para bancar campanhas políticas – pode ser o impulso que faltava para o Judiciário analisar a questão e, se considerar o fundo ilegal, colocar um fim neste acinte.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Opinião

PUBLICIDADE