i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

Balões de ensaio mais atrapalham do que ajudam na reforma tributária

  • PorGazeta do Povo
  • 05/08/2020 22:11
Ministro Paulo Guedes: governo pode ter de prorrogar auxílio emergencial pela segunda vez.
Ministro da Economia, Paulo Guedes| Foto: Alessandro Dantas/PT do Senado

O governo decidiu entrar tardiamente no debate da reforma tributária e, por isso, preferiu dividir em partes sua proposta. Os pedaços serão enviados ao Congresso para serem, caso aceitos pelos parlamentares, adicionados aos dois projetos já em discussão em uma comissão especial mista. Na prática, o fatiamento da proposta do governo virou uma pequena fábrica de balões de ensaio que estão ameaçando a própria viabilidade de uma reforma.

Os dois projetos em discussão no Congresso têm um foco muito claro: redução no número de impostos sobre o consumo, com a implementação de um único tributo por valor agregado. Os projetos, um apresentado pelo Senado e outro pela Câmara, têm diferenças a respeito da abrangência da simplificação tributária, mas têm um conceito comum forte o suficiente para viabilizar um texto de consenso entre as duas Casas.

O primeiro pedaço da proposta do governo, apresentado em julho, dizia respeito à unificação do PIS e da Cofins em um único imposto de valor agregado. Esse tema já é tratado nos projetos em debate no Congresso que, além de PIS e Cofins, uniriam IPI, ICMS e ISS no mesmo tributo (no mínimo, já que a proposta do Senado traz outros quatro impostos na unificação). O texto marca a posição do governo em um debate que já estava avançado, principalmente em relação à expectativa de receita com a unificação dos tributos e as exceções que a equipe econômica gostaria de incluir na redação final.

As outras três partes da proposta do governo, no momento, estão criando mais incertezas do que auxiliando em uma discussão que já estava encaminhada no Congresso. O tema mais polêmico trazido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, é a criação de um novo imposto nos moldes da extinta CPMF. Aqui, é nítida a forma como os balões de ensaio têm sido colocados para teste sem os detalhes necessários. Em um primeiro momento, veio a público a ideia de que uma alíquota de 0,2% sobre transações financeiras seria suficiente para desonerar as faixas salariais mais baixas de 1 ou 1,5 salário mínimo. Na sequência, a informação mudou para uma redução na alíquota patronal de contribuição ao INSS, acompanhada de mais recursos para atualizar a tabela do Imposto de Renda, entre outros gastos.

Em uma das últimas informações repassadas pelo governo, o novo imposto poderia até ser usado para uma desoneração do IPI. Lembrando que a reforma que está no Congresso já unifica o IPI ao imposto único de valor agregado, sendo complementado por um tributo sobre produtos com externalidades negativas, como tabaco e bebidas alcoólicas.

O ruído produzido pela comunicação pouco clara a respeito do que o governo quer com a reforma tributária abriu uma oportunidade para que o setor de serviços fizesse sua própria sugestão de nova CPMF, com uma alíquota proibitiva de 0,8% para desonerar totalmente a folha de pagamentos. Esse é um sinal de que a discussão sobre a reforma tributária pode se afastar bastante dos trilhos.

A equipe econômica está cometendo três erros. O primeiro é o de falar em ideias que tiram o foco do trabalho do Congresso. É difícil compreender por que membros da equipe econômica preferem trazer a público hipóteses que nem foram calculadas em detalhes, enquanto uma comissão especial volta a se reunir para discutir projetos que já têm um elevado grau de maturidade. O economista da consultoria LCA Bráulio Borges calculou que a proposta de unificação de impostos tramitando na Câmara aumentaria o PIB potencial do país em 20% nos 15 anos após sua aprovação. Atrasar esse tipo de transformação econômica por causa de outras tantas possibilidades de reforma pode ser contraproducente.

O segundo problema na forma como o governo está conduzindo seus projetos é tratar o custo da folha de salários unicamente pelo viés da contribuição patronal. A formalização da mão de obra no Brasil é cara não só por causa dos custos do INSS, mas também por causa de outros itens, como salário-educação, contribuição ao Sistema S, férias proporcionais, depósitos do FGTS. Isso sem contar o peso oculto da legislação trabalhista ultrapassada. É tema que talvez demande um trabalho específico do Congresso para se avaliar com cuidado as alternativas – tanto de desoneração quanto de novas fontes de receita.

Para completar, o governo colocou “iscas” em suas comunicações incompletas para angariar apoio à nova CPMF. Uma delas é a atualização da tabela do Imposto de Renda, que é uma das promessas de campanha do presidente Jair Bolsonaro. Esse não é um expediente correto. Primeiramente porque a falta de atualização da tabela do IR foi um aumento velado da carga tributária e sua atualização deveria ser feita com a redução de despesas. Além disso, não é por viabilizar uma medida popular ou algum outro programa de governo (como o Renda Brasil) que uma nova CPMF seria bem-vinda. O novo imposto precisa ser avaliado por seu próprio custo-benefício e não pelos apoios que ele consegue angariar para ser aprovado no Congresso.

O governo precisa avaliar se realmente tem mais alguma contribuição a fazer para que a reforma tributária caminhe nos próximos meses. O Brasil precisa que as travas ao desenvolvimento sejam removidas uma a uma, com uma dose de realismo político e grande efetividade. Temos uma chance verdadeira de avanço na área tributária que pode ser seguida por outras pautas importantes, como a desoneração da folha e a revisão do Imposto de Renda.

9 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 9 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • A

    Antônio Carlos Portela Leôncio

    ± 5 dias

    Deixem o Ministro Paulo Guedes trabalhar, vocês criticam só o governo Federal, porque não criticam o Legislativo ,que Custuma sentar em cima de todos os projetos que entra naquele recinto, só aprovam os interesses deles.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luca

    ± 6 dias

    Primeiro reforma administrativa, cortar gastos desnecessários, acabar com “direitos adquiridos”, rever salários surreais do funcionalismo etc, aí sim é possível fazer uma reforma tributária sustentável

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luiz

    ± 6 dias

    principalmente quando a mídia tendenciosa e a esquerda doentia insistem em chamar a proposta de "CPMF", exatamente pra bloquear qualquer possível avaliação isenta, rejeitando a proposta seja ela qual for

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • J

      Joao vitor vasconcelos araujo

      ± 0 minutos

      É uma CPMF, queria que chamasse como?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    Walter

    ± 6 dias

    Brasileiro não é acostumado a construir algo, por partes. Tudo é urgente e pra ontem, como pensa esse editorial. Os resultados são os que estamos acostumados a ver: os tão conhecidos "puxadinhos". Depois de ter sido feito apenas remendos, começam a surgir as críticas. A pandemia interrompeu tudo e somente agora abriu-se espaço para voltar a falar em reformas. Mais importante que o detalhamento, nesse início de negociações, é o arcabouço de leis que se espera ao final de uma reforma completa e duradoura. Achar que tudo se resolve do dia para a noite é coisa de amador. Dar mais oxigênio às empresas é o grande objetivo. Em seguida, reformas administrativas estarão na ordem do dia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Sr. Walker

    ± 6 dias

    O excelente ministro Guedes, também conhecido como: Semana que Vem Nós Vamos ..........

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    STF

    ± 6 dias

    “Reforma” tributária é aumento de impostos. Não vejo ninguém falando em reduzir impostos, tamanho do estado e salários e aposentadorias aposentadorias incompatíveis com a renda e capacidade de pagar impostos da maioria da população. Bolsonaro é uma farsa.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Antônio Carlos

    ± 6 dias

    Guedes exercendo sua especialidade, bla bla bla bla bla bla ..........

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.