i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

O frete dos caminhoneiros e a omissão do STF

  • PorGazeta do Povo
  • 18/02/2020 17:44
Protesto de caminhoneiros na região de Foz do Iguaçu. Foto: Christian Rizzi/ Arquivo Gazeta do Povo
| Foto: Christian Rizzi/Arquivo Gazeta do Povo

Nesta quarta-feira, dia 19, o Supremo Tribunal Federal poderia colocar um fim definitivo a um ataque flagrante ao livre mercado, cometido com o consentimento de dois governos, mas preferiu – novamente – a omissão. A constitucionalidade do tabelamento do frete dos caminhoneiros estava na pauta da corte, mas o julgamento foi adiado pelo relator, ministro Luiz Fux, acolhendo pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) para que fosse realizada uma “audiência de conciliação” entre os interessados, e que ficou marcada para 10 de março.

A essa altura, quase dois anos depois do início do tabelamento, é de se perguntar o que mais há para conversar. Tentativas anteriores naufragaram, e as entidades do setor produtivo que buscaram o Supremo em 2018, como a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e a Confederação Nacional da Indústria (CNI), demonstraram seu descontentamento com a decisão de Fux. Até mesmo os caminhoneiros, os principais beneficiados pelo adiamento sem fim do julgamento, estão perdendo a paciência e desejam que o Supremo resolva a questão de uma vez por todas. Uma das entidades que representam os caminhoneiros, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística, iniciou protestos na segunda-feira e seu presidente, Carlos Alberto Dahmer, classificou a audiência de conciliação como “uma formalidade para ganhar tempo”.

A distorção introduzida pelo tabelamento, além de flagrantemente inconstitucional, custa caro ao país todo

Os caminhoneiros, no entanto, só dizem querer encerrar de vez a controvérsia no Supremo porque estão certos da vitória. “Temos plena convicção de que não tem inconstitucionalidade na nossa lei (...) Há dois anos que isso vem sendo protelado. Ganhamos tudo através da lei”, afirmou Dahmer. Uma lei, no entanto, que afronta diretamente a Constituição, ao derrubar o princípio do respeito ao livre mercado ao intervir nos preços do transporte rodoviário. Trata-se da Lei 13.703/18, que deu à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) o poder de estabelecer preços mínimos para o frete, apesar de a legislação que criou a agência afirmar explicitamente que o serviço é oferecido “em liberdade de preços dos serviços, tarifas e fretes, e em ambiente de livre e aberta competição”, com preços “livres, reprimindo-se toda prática prejudicial à competição”.

A Lei 13.703 foi o resultado da aprovação, pelo Congresso, da Medida Provisória 832, uma das formas que Michel Temer encontrou para encerrar a greve dos caminhoneiros de 2018. O Executivo cedeu à chantagem, o Legislativo chancelou a capitulação e, desde que o setor produtivo passou a questionar o tabelamento, o Judiciário vem dando sua triste colaboração, especialmente graças à atuação de Luiz Fux. O ministro mandou suspender todas as ações que tramitavam em instâncias superiores, não concedeu nenhuma liminar a respeito ainda que estivessem presentes os requisitos para suspender provisoriamente o tabelamento, e promove um vaivém indecente com assunto tão importante para o país.

Afinal, não se trata apenas de algo que afeta apenas os caminhoneiros e aqueles que os contratam. A distorção introduzida pelo tabelamento, além de flagrantemente inconstitucional, custa caro ao país todo. A CNI tem se dedicado a medir o impacto da medida sobre a economia, e o estudo mais recente, referente a 2018, mostrou prejuízos no mercado de trabalho (203 mil postos deixaram de ser criados), na inflação (que teria sido 0,34 ponto porcentual menor) e no PIB (com perdas de R$ 7,2 bilhões). A avaliação desconta os prejuízos causados pela greve propriamente dita, concentrando-se nos efeitos do tabelamento.

Não faltam motivos para o STF derrubar o tabelamento, mas os caminhoneiros já avisaram que querem para logo o julgamento, desde que o resultado lhes seja favorável. “Se depois, em março, tirarem o nosso direito, sem dúvidas teremos de tomar medidas mais drásticas para mostrar a importância do setor”, afirmou Wallace Landim, o Chorão, outro dos líderes da categoria. Tanta arrogância tem explicação: afinal, os caminhoneiros já conseguiram dobrar dois poderes da República, e o terceiro, tão célere quando se trata de declarar omissões inexistentes do Planalto ou do Congresso, hesita em fazer cumprir a lei. Falta a decisão de mostrar que, no Brasil, vale a Constituição, e não a pressão de grupos corporativistas e adversários da liberdade econômica.

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 8 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • P

    Pedro Camilo

    ± 0 minutos

    Um verdadeiro tiro no pé caso seja aprovada essa lei.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • M

      Marçal

      ± 1 horas

      Sr editor, qual a opinião da Gazeta quanto ao posicionamento público do presidente e dos filhos no caso da jornalista da Folha de São Paulo? Como cidadão e assinante gostaria de saber o que pensa este braço da imprensa.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • L

        Leonardo

        ± 4 horas

        Para mim a questão dos caminhoneiros não é o pior aqui, o verdadeiro fundo do poço está na expressão política que tomam todas as decisões importantes do STF. Teoricamente o trabalho deles deveria ser o mais fácil e rápido das instâncias, pois a rigor é um cara-crachá da Constituição, mas os ministros sempre dão um jeito de fingir que não é com eles.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • Z

          Zyss

          ± 4 horas

          Esse AGU é um m3rd@

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • C

            Cidadão Brasileiro

            ± 6 horas

            Durante a greve dos caminhoneiros, viam-se muitas faixas “Bolsonaro Presidente” penduradas nos caminhões parados nas estradas. O Judiciário sabe que uma decisão favorável ou desfavorável aos caminhoneiros será usada politicamente contra o Judiciário por uma ou outra parte, e não quer esse ônus apenas para si, espera que haja solidariedade entre os três poderes e que a decisão seja substituída por um acordo. As instituições estão de joelhos para um grupo que provou ter grande poder, pq ruim com e pior sem os transportes operando. Pq não há trens? Pq outros corruptos assim o quiseram no passado em outro alinhamento aos EEUU q foi ótimo para... uns capazes de lobby. Agora aguenta povo.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • R

              RGB

              ± 6 horas

              Livre mercado deve ser o regulador natural destas questoes.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • pradojoseeduardo@gmail.com

                ± 7 horas

                Como consumidor sei que sou lesado e roubado, neste país o corporativismo impera sobre as leis vigentes e o povo que se dane a trabalhar para sustentar os parasitas que infestam a flora intestinal da nação. Até quando?

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • E

                  Edson F Kovalski

                  ± 8 horas

                  Tenho caminhões, e até agora, estamos viajando muito aquém do valor da tabela, e onde está o prejuízo causado pelo tabelamento? Hoje quase final do mês de fevereiro, o frete está acima da tabela, e mesmo assim diesel e pedágio roubam 60/100 do valor do frete...imagino q são os agenciadores de carga que estão manipulando o mercado

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  Fim dos comentários.