i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

O Chile elege a centro-direita

Vitória de Sebastián Piñera no segundo turno é alento em uma América do Sul que vai, aos poucos, derrotando o populismo de esquerda

  • PorGazeta do Povo
  • 19/12/2017 23:01
 | Pablo Vera/AFP
| Foto: Pablo Vera/AFP

A centro-direita voltará ao poder no Chile, depois da vitória de Sebastian Piñera no segundo turno da eleição presidencial, realizada no último domingo. O empresário, que já havia governado o Chile entre 2010 e 2014, venceu o senador de esquerda Alejandro Guillier, que contava com o apoio da atual presidente, Michelle Bachelet. Em uma eleição em que metade do eleitorado se absteve – no Chile, o voto é facultativo –, Piñera obteve nove pontos porcentuais de vantagem sobre seu adversário, considerando-se apenas os votos válidos.

No primeiro turno, o eleitorado havia rejeitado os candidatos mais extremistas em ambas as pontas do espectro político, mas também mostrou que desejava candidatos ideologicamente posicionados – tanto à direita, caso de Piñera (apesar de ele ter feito uma guinada mais ao centro, e de sua chapa incluir um partido de tom mais libertário que defende plataformas mal vistas por eleitores conservadores), quanto de esquerda, caso de Guillier, ligado ao partido mais à esquerda da coalizão “A força da maioria”. Basta perceber que o centro mais “puro”, representado por Carolina Goic, ficou abaixo dos 6%, tendo até menos votos que o direitista José Antonio Kast (quase 8%) e a extrema-esquerda de Beatriz Sánchez (que teve preocupantes 20,3%, quase tomando o lugar de Guillier no segundo turno).

O segundo turno foi um choque de visões antagônicas sobre o modelo de Estado desejado para o Chile

Durante a campanha do segundo turno, como era de se esperar, os candidatos contaram com o apoio dos respectivos extremos: Piñera ganhou o endosso de Kast, enquanto os líderes da esquerda declararam voto em Guillier – a Frente Ampla, coligação de Sánchez, não aderiu a nenhuma candidatura, limitando-se a condenar Piñera, mas vários membros, incluindo a própria ex-candidata, disseram publicamente que votariam em Guillier. A centrista Carolina Goic também declarou apoio ao candidato de esquerda.

Com esse perfil, a disputa do segundo turno foi efetivamente um choque de visões antagônicas sobre o modelo de Estado desejado para o Chile. Políticas de cunho liberal colocaram o país na vanguarda econômica na América do Sul, mantendo a estabilidade enquanto os vizinhos se debatiam no combate à hiperinflação ou à recessão, e trabalhando por uma inserção internacional, por meio do comércio exterior, escapando da armadilha em que o Mercosul foi transformado – mesmo com a desaceleração recente da atividade econômica, o Chile segue liderando a América do Sul nos rankings de liberdade econômica e facilidade para negócios. Bachelet investiu na gratuidade dos sistemas de saúde e educação e realizou uma reforma que elevou a carga tributária. O sistema de previdência, atualmente privado e funcionando pelo regime de capitalização, foi tema de campanha, com Guillier propondo algum grau de estatização.

Leia também: O Chile e a América Latina (editorial de 21 de novembro de 2017)

Leia também: Uma explicação para o atraso brasileiro (editorial de 1.º de novembro de 2017)

Como a coligação de Piñera não conseguiu maioria absoluta em nenhuma das casas legislativas, apesar de ter ficado muito perto disso, o novo presidente precisará fazer algum tipo de aceno ao centro para conseguir os poucos votos que lhe faltam para aprovar as medidas de seu interesse. Ainda assim, a vitória da centro-direita não deixa de ser um alento e mais uma demonstração de que, apesar de ainda sobreviver na falida Venezuela e na Bolívia, onde Evo Morales apelou a um truque judicial para concorrer a um novo mandato, o populismo de esquerda que tanto mal causou ao continente está aos poucos sendo derrotado na América do Sul.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.