i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

As reformas são prioridade

  • PorGazeta do Povo
  • 01/10/2020 18:46
Bolsonaro cumprimenta Davi Alcolumbre, presidente do Senado, observado por Rodrigo Maia, presidente da Câmara: sem apoio deles, discussão sobre a prisão em segunda instância está travada no Congresso.
Bolsonaro cumprimenta Davi Alcolumbre, presidente do Senado, observado por Rodrigo Maia, presidente da Câmara: sem apoio deles, discussão sobre a prisão em segunda instância está travada no Congresso.| Foto: Marcos Corrêa/PR

Ainda que aos trancos e barrancos, graças a tantas propostas diferentes e aos balões de ensaio da equipe econômica, a reforma tributária estava caminhando. Junto com ela, a reforma administrativa também tinha começado sua tramitação, com o envio da sua primeira parte, mesmo deixando de fora servidores da ativa e membros dos poderes. Depois de praticamente três trimestres em que as reformas foram vítimas da pandemia, da deterioração na relação entre governo, Congresso e Supremo, e de boa dose de hesitação e inatividade no Planalto – a reforma administrativa quase ficou para 2021 e só foi enviada por insistência dos parlamentares –, parecia que o trem das reformas e do ajuste fiscal estaria se movendo outra vez. Mas ainda há muitos meios de tirá-lo dos trilhos, e os obstáculos só parecem aumentar.

O auxílio aos mais vulneráveis no pós-pandemia, quando o governo voltar a ser obrigado a seguir as regras de responsabilidade fiscal, é tema importante, isso não se questiona. Mas o Renda Brasil e, posteriormente, o Renda Cidadã monopolizaram o debate e as atenções de todos os atores envolvidos, mostrando que falta uma definição clara de prioridades. Quando o novo programa social se torna praticamente o único assunto tanto de Executivo quanto de Legislativo, as autoridades estão simplesmente bailando ao som dos assuntos que geram mais repercussão no momento, quando na verdade deveriam ter diante de si um roteiro que contemplasse todos os temas e reformas relevantes – inclusive as maneiras de ajudar os mais pobres –, atribuindo a cada um deles sua real importância; a partir daí, a discussão política se daria levando em conta essa escala de prioridades.

É preciso pensar em meios de auxiliar os mais vulneráveis neste momento. Mas, no médio e longo prazo, o que realmente vai permitir combater e vencer a pobreza é uma economia em ordem

E não há dúvidas de que a reforma tributária, para ficar naquela que já havia trilhado um caminho razoável dentro do Congresso, é um bem em si mesma. Apenas a simplificação dos tributos já representará um enorme alívio, especialmente para as empresas, hoje tolhidas por um arsenal quase incompreensível de normas tributárias que consomem tempo, pessoal e energia que seriam muito melhor empregados na atividade-fim de cada negócio. Dependendo da reforma que for feita, ela também terá outros efeitos altamente benéficos: a desoneração da folha de pagamentos terá efeito duradouro sobre o emprego, facilitando as contratações; se nosso sistema tributar menos o consumo e a produção, deslocando a ênfase para a tributação sobre patrimônio e renda, ajudará especialmente os mais pobres.

Mas até isso a discussão sobre o novo programa social chegou a travar, já que, dependendo dos meios que a equipe econômica encontrasse para financiar o Renda Brasil, seria preciso redesenhar as fases seguintes da reforma que Paulo Guedes queria enviar ao Congresso. Só quando Jair Bolsonaro, insatisfeito com as ideias apresentadas, encerrou a conversa sobre o Renda Brasil e transferiu a responsabilidade para o Congresso, que incluiu o Renda Cidadã na PEC Emergencial, os dois temas foram desvinculados – e mesmo assim a segunda fase da reforma tributária ainda não foi enviada.

O mercado já vem reagindo a essa mudança súbita nas prioridades de Brasília, com as reformas perdendo importância diante da discussão do novo programa social. Neste sentido, mais relevante que as oscilações diárias do dólar e da bolsa de valores é a disparada na curva de juros futuros. Ainda que a Selic esteja, atualmente, nos patamares mais baixos da série histórica, são os juros futuros que indicam a confiança do mercado na capacidade brasileira de honrar seus compromissos nos próximos anos. E esses juros, que já vinham subindo desde agosto, quando as pressões contra o teto de gastos aumentaram, deram um salto após o anúncio do Renda Cidadã financiado com Fundeb e precatórios, mostrando que os investidores já não enxergam em Brasília um compromisso tão firme com o ajuste das contas públicas.

Sim, é preciso pensar em meios de auxiliar os mais vulneráveis neste momento. Mas, no médio e longo prazo, o que realmente vai permitir combater e vencer a pobreza é uma economia em ordem. As reformas têm de recuperar a urgência que já chegaram a ter em alguns momentos, antes de serem eclipsadas por outros temas como vem ocorrendo agora; e, como as polêmicas não deixarão de existir, governo e Congresso precisam se comprometer com as reformas a ponto de não as deixarem em segundo plano novamente a cada bomba que explodir em Brasília. Sem essa definição clara de prioridades, será ainda mais difícil devolver o Brasil ao rumo certo.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Mauricea Garcia de Athayde

    ± 0 minutos

    Não estou mais tão certa de que nosso país vai vencer o caos. Presidente precisa aprender a falar menos e ouvir mais. Afinal, prometeu governar com o povo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Q

    Quincas

    ± 2 dias

    As reformas são prioridades para o povo, infelizmente o Planalto e o Congresso estão de olhe somente em eleições.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Clovis

    ± 2 dias

    Reformas necessárias e urgentes.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LAURI MARGRAF

    ± 2 dias

    A primeira e principal reforma é a política, a outra é a vergonha na cara. Políticos se elegem defendendo uma bandeira, quando chegam no poder viram camaleão.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]