Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Segundo a Conexis Brasil, Maringá tem 22 pedidos de instalação de infraestruturas de suporte de antenas parados.
Segundo a Conexis Brasil, Maringá tem 22 pedidos de instalação de infraestruturas de suporte de antenas parados.| Foto: José Fernando Ogura/Agência Estadual de Notícias

Com a previsão de que o leilão do 5G no Brasil ocorra no mês de julho, feita na semana passada pelo secretário de telecomunicações do Ministério das Comunicações, Artur Coimbra, os municípios correm contra o tempo para se adequar à Lei Geral de Antenas, sancionada em 2015 e regulamentada em 2020, para receber a nova tecnologia. No Paraná, os casos que chamam mais a atenção de entidades representativas do setor de telecomunicações são Londrina e Maringá.

Cadastre-se e receba notícias do Paraná pelo WhatsApp

Na edição mais recente do ranking Cidades Amigas da Internet, divulgada no ano passado pela Conexis Brasil Digital, entidade que representa as operadoras de telefonia, e pela consultoria Teleco, as duas maiores cidades do interior paranaense ficaram nas últimas posições no levantamento que avalia pontos como legislações e processos de licenciamento para o setor. Entre os cem maiores municípios brasileiros, Maringá ficou em 87º lugar e Londrina, em 89º.

Segundo Ricardo Dieckmann, gerente de infraestrutura da Conexis Brasil, os outros quatro municípios do Paraná no ranking, Cascavel (4º), Curitiba (5º), Ponta Grossa (23º) e São José dos Pinhais (34º), ficaram em posições bem melhores porque, entre outros motivos, já tinham em 2020 legislações adaptadas à chegada do 5G.

“Em Maringá, a legislação não é favorável nem ao 4G nem ao 5G, pela proibição de colocação de infraestruturas de suporte para antenas em certas áreas e procedimentos demorados”, analisa o gerente. “No final de 2020, Londrina aprovou uma nova lei, falta regulamentar. Saiu uma legislação muito boa, que vai permitir que sejam recuperados anos em que a cidade ficou praticamente estagnada.”

Londrina está desde 2015 sem instalação de novas infraestruturas de suporte para antenas porque a lei anterior sobre o assunto, publicada em 2001 e considerada muito restritiva, foi revogada pela Lei de Uso e Ocupação do Solo que está vigente há seis anos. Especialistas apontam que a restrição foi contornada colocando-se novas antenas nas torres já existentes, mas a qualidade do serviço continuou inferior à de outros municípios.

Dieckmann destaca que, além de representar um salto tecnológico muito superior ao que ocorreu entre o 3G e o 4G, o 5G terá a grande diferença de ter como alternativas outras infraestruturas de suporte além de torres e exigirá cinco vezes mais antenas (que serão bem menores) do que o 4G – por isso, adequar as legislações municipais é um imperativo.

“O 5G terá infraestruturas de suporte com maior facilidade de instalação, sem necessidade de procedimentos complicados. Estruturas comuns do mobiliário urbano, como postes de iluminação, bancas de revistas e fachadas de prédios, poderão receber antenas”, descreve.

A Conexis Brasil, assim como outras entidades, tem ajudado as prefeituras no processo de adaptação da legislação. “Recebemos consultas, e sempre disponibilizamos um projeto de lei padrão e uma cartilha para as prefeituras que buscam se adaptar. No Paraná, desde que foi aprovada a lei de Curitiba, em 2013, vários municípios procuraram se adequar. No chamado Pacto das Antenas, mais de 50% dos municípios paranaenses já se adaptaram”, detalha. “O 5G é uma tecnologia que vai trazer muitos benefícios, tanto para as cidades quanto para o campo. Por isso, é importante que os municípios se adaptem o mais rápido possível.”

Maringá quer nova lei ainda em 2021

“As outras mudanças de tecnologia, desde o 1G, foram basicamente de velocidade e transmissão de dados. Já o 5G descortina um mundo novo para nossas metas de acessibilidade maior à internet, de aumentar o potencial de competitividade das empresas e de toda a economia local e de digitalização de todos os processos da prefeitura”, afirma Marcos Cordiolli, secretário municipal de inovação, aceleração econômica, turismo e comunicação de Maringá.

Ele reconhece que o município está atrasado em termos de legislação e processos visando a chegada do 5G. “Durante muito tempo, acreditou- se na cidade que as torres poderiam gerar problemas de saúde. São hipóteses que não foram confirmadas. As restrições para instalação de antenas perto de escolas e estabelecimentos de saúde, por exemplo, dificultam a melhoria dos serviços na cidade”, argumenta Cordiolli.

Segundo o secretário, uma nova lei está sendo discutida e a expectativa da prefeitura é que seja encaminhada e aprovada na Câmara de Maringá no segundo semestre. A administração municipal também trabalha na criação de um mapa georreferenciado para que empresas instalem infraestruturas de suporte a antenas e haja cobertura de 100%. Já há conversas para um protocolo de cooperação com duas companhias.

Em Londrina, quando a nova lei que normatiza a instalação de infraestruturas de suporte de antenas foi sancionada, em dezembro de 2020, a expectativa era que um decreto para regulamentação dos trâmites dos processos de licenciamento seria publicado dentro de 60 dias, mas isso ainda não aconteceu. A prefeitura informou em nota que uma comissão formada por engenheiros da Secretaria Municipal de Obras está finalizando o texto do decreto e a previsão é que seja concluído ainda em maio.

A Conexis Brasil relatou que Maringá tem 22 pedidos de instalação de infraestruturas de suporte parados, que somam cerca de R$ 11 milhões em investimentos represados. Londrina tem oito pedidos parados, mas a entidade ponderou que, pela lei anterior ser muito restritiva, as empresas pararam de fazer solicitações, porque representam custos. A Conexis Brasil acrescentou que a prefeitura não está aceitando novas demandas, já que a nova lei ainda precisa ser regulamentada.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]