Paraná vive momento de ocupação alta de leitos de UTI para tratamento da Covid
Paraná vive momento de ocupação alta de leitos de UTI para tratamento da Covid| Foto: Victor Hugo Junior/AEN

No noticiário da pandemia de Covid-19, muita gente se intriga quando a ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Sistema Único de Saúde (SUS) exclusivos para tratamento da doença supera os 100%. Em Curitiba, isso aconteceu em alguns dias nas últimas semanas: em 22 de março, por exemplo, o patamar chegou a 102%; no dia 18, a ocupação em UTIs exclusivas atingiu 100,2%, data em que as internações em enfermarias ficaram em 101%. Mas o que exatamente isso significa?

CADASTRE-SE e receba notícias de Paraná em seu celular

Segundo Pedro Almeida, diretor do Departamento de Urgência e Emergência da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a taxa de ocupação dos leitos SUS de Covid-19 “é um retrato do momento”.

“Fazemos (o levantamento) pela manhã e passamos esse compilado. O que acontecia é que, se havia dez leitos e um estava desocupado (no momento da contabilização), era computado como 90%, mas o que acontecia é que já estava vindo alguém da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) para ocupar esse leito. Isso levou algumas famílias a questionar: como dizem que está faltando leito se na TV disseram que a ocupação está em 90%?”, explica o diretor.

De acordo com Almeida, pessoas na fila de espera em trânsito para internamento em UTI passaram a ser computadas para calcular a taxa de ocupação. Outra questão é que leitos de outras especialidades também foram utilizados para tratamento de pacientes com Covid-19. Esses dois dados fizeram com que a taxa ultrapassasse os 100% em alguns momentos.

“Durante o período da bandeira vermelha (em março), com o toque de recolher, as internações por traumas diminuíram, o que permitiu o uso desses leitos”, relata o diretor. Nos últimos dias, segundo os dados da SMS e da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), a taxa de ocupação no SUS tem se mantido abaixo de 100% tanto em Curitiba como no Paraná como um todo. Para Almeida, isso é resultado das restrições adotadas em março.

“As medidas sanitárias demoram de 14 a 21 dias para gerarem resultados nas estatísticas, por isso estamos vendo nesta semana (taxas abaixo de 100%). Também estamos fazendo a ampliação de leitos Covid-19, que foram de 374 no final de dezembro para 517 no final de março (em Curitiba)”, justifica.

Entretanto, como os números de mortes e infectados permanecem altos, a situação evidentemente não permite relaxamento, aponta o diretor. “Independentemente da vacina, temos que lembrar que somos vítimas e vetores. Somos nós que transmitimos o vírus. Então, as medidas sanitárias, como distanciamento social e higiene, precisam continuar”, finaliza.

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]