i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Pandemia

Escolas particulares perdem 2,4 mil alunos por mês para rede pública estadual

  • 28/07/2020 12:32
professores servidores
| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

Desde março, quando foram suspensas as aulas em todo o Paraná em razão da pandemia do novo coronavírus, cerca de 10,8 mil alunos cancelaram suas matrículas em escolas particulares e migraram para a rede estadual de ensino, segundo a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (Seed). Até o retorno das aulas, que, para o governo do estado, não deve ocorrer antes de setembro, há uma tendência de aumento nesse número, que em meados de junho era de 8,6 mil.

As principais notícias do Paraná em seu whatsapp

Os 10,8 mil representam 2,36% do total de 457.858 estudantes matriculados em escolas particulares no Paraná e dizem respeito apenas às transferências para escolas estaduais. Só na cidade de Curitiba, outros 2 mil estudantes deixaram escolas particulares e se matricularam na rede municipal, que atende educação infantil, ensino fundamental e educação de jovens e adultos (EJA) fase 1.

Por enquanto, a situação não chega a preocupar as escolas públicas. De acordo com a Seed, há estrutura para absorver até 100 mil novos estudantes em todo o estado. A secretaria lembra que constitucionalmente tem o dever de ofertar o ensino gratuito a todos que procurarem a rede estadual, de modo que, caso a quantidade venha a ultrapassar o limite, deverá criar condições de atender à demanda.

“Os estudantes que precisam vir para a rede estadual são bem-vindos”, diz o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP-Sindicato), Hermes Leão. “Mas é importante que não seja extrapolado o teto de alunos por turma, que já é um dos mais altos do mundo”, ressalta.

Conforme a Resolução 4527/2011 da Seed, as turmas de 6º e 7º ano do ensino fundamental devem ter no máximo 30 estudantes, enquanto as do 8º e 9º ano, 35. Já as turmas de nível médio não podem ter mais do que 40 alunos.

Para a presidente do Sindicato das Escolas Particulares do Paraná (Sinepe-PR), Esther Cristina Pereira, a tendência de migração de estudantes para a rede pública deve desacelerar a partir de agora. “As famílias que não tiraram é porque acreditam na escola, têm um apego e vão manter as matrículas”, avalia.

Esther vê com preocupação o risco de falência de escolas de pequeno porte em razão da possibilidade de falta de vagas, especialmente em creches municipais, e também do desemprego dos profissionais dessas instituições.

A entidade acredita que as aulas já podem retomadas para alunos da educação infantil, seguindo protocolos de saúde para garantir a segurança das crianças. Na segunda-feira (27), o Sinepe encaminhou um ofício a prefeitos e secretários de saúde de 46 municípios paranaenses solicitando o reinício das aulas em creches e pré-escolas.

“A gente está com muitas crianças adoecendo, ficando com mães crecheiras, em espaços de festa infantil, soltas em condomínio. Por que não ficar dentro da escola, que seguirá protocolos?”, diz.

De acordo com levantamento da União pelas Escolas Particulares de Pequeno e Médio Porte, entre 30% e 50% das escolas particulares de pequeno e médio porte, que atendem até 240 alunos, podem vir a fechar as portas em todo o Brasil por causa da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

De acordo com a entidade, uma organização sem fins lucrativos criada durante a pandemia para dar suporte às instituições de ensino, escolas com esse perfil representam cerca de 80% da rede privada de ensino no país.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.