Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Primeira reinfectada pela Covid-19 no Paraná identificada pela Sesa, Roberta Freyesleben teve sintomas mais graves na segunda vez
Primeira reinfectada pela Covid-19 no Paraná identificada pela Sesa, Roberta Freyesleben teve sintomas mais graves na segunda vez| Foto: Arquivo pessoal

Roberta Freyesleben, de 39 anos, foi a primeira pessoa no Paraná a ter a reinfecção pela Covid-19 confirmada pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesa). Na primeira infecção, ocorrida em junho de 2020, a assessora parlamentar teve sintomas característicos da doença, como febre, dores pelo corpo e até a perda do olfato e paladar. Em 14 dias, a maioria dos sintomas reduziu e ela voltou à rotina.

Cadastre-se e receba as principais notícias do Paraná no celular

"Quem teve [a Covid-19] sabe do que eu estou falando. Você escuta que quem pega uma vez não pega de novo e não que eu não estivesse me cuidado ou usando a máscara [depois da primeira infecção], mas eu fiz mais coisas do que fazia antes. Eu fui mais vezes ao mercado, à farmácia, e fui até a cidade que meus pais moram", detalha Roberta.

No dia 24 de fevereiro de 2021, depois de perceber que, além de espirrar muito, estava com dores de cabeça, de garganta e febre, resolveu refazer o exame RT-PCR (que identifica a presença genética do vírus), e veio o novo diagnóstico. De acordo com informações da Sesa, as amostras dos dois exames feitos pela Roberta foram enviadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen) para a Fiocruz do Rio de Janeiro, onde foi feito o sequenciamento do genoma do coronavírus.

Os pesquisadores identificaram que, na primeira infecção, Roberta esteve em contato com a linhagem B.1.128, da qual descende a variante P.1, identificada primeiramente em Manaus. Na segunda infecção, a assessora foi infectada pela variante P.2., identificada no Rio de Janeiro.

Sintomas mais graves na segunda vez

Além de ainda estar sem sentir gosto ou cheiro desde a primeira infecção, Roberta relata ter tido sintomas mais graves na segunda vez. "Eu me sinto a inimiga mortal do vírus, porque eu acho que posso pegá-lo novamente e não saber como vou reagir."

Dores de cabeça intensa a acompanharam por 10 dias, mas as dores pelo corpo continuam até hoje. "Tenho formigamento de braço e perna e, é até estranho dizer, mas à noite sinto uma coceira nas mãos e nos pés, como se eu perdesse a circulação. As pontas dos meus dedos ficam bem brancas", relata.

Roberta ficou sob observação médica na segunda infecção, mas não precisou ser internada. Desde fevereiro, porém, ela busca médicos de diferentes especialidades para saber como tratar de cada sintoma que permaneceu. Um dos que mais a incomoda é a perda do olfato e do paladar, chamados de anosmia e ageusia, respectivamente.

"Tem alguns alimentos e líquidos que, hoje, têm um gosto diferente para mim. Cenoura, por exemplo, é muito amarga. Água sem gás tem gosto de remédio. Só consigo tomar a água com gás", ilustra.

Outros sintomas que persistem são esquecimento, perda de foco e cansaço — sinais relatados por outros pacientes. Dados preliminares de uma pesquisa desenvolvida pela USP indicam que 64% das pessoas que se recuperam da Covid-19 têm algum sintoma persistente mesmo seis meses após o início da doença.

"As duas vezes eu me contaminei em Curitiba. Da primeira vez eu sei que foi no trabalho, porque tivemos contato com uma pessoa que estava assintomática e nos avisou, e outras cinco pessoas do trabalho também pegaram. Na segunda, eu não tenho a menor ideia. Hoje eu já voltei a trabalhar, mas só saio de casa para isso. Faço todo o resto por aplicativos, como compras. Redobrei os cuidados e tenho medo de passar a doença ou pegá-la novamente", alerta a assessora.

25 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]