Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
A primeira-dama Michelle Bolsonaro participou da entrega dos veículos no Paraná
A primeira-dama Michelle Bolsonaro participou da entrega dos veículos no Paraná| Foto: Jaelson Lucas/AEN

Durante a entrega de veículos para assistência social em São José dos Pinhais nesta sexta-feira (7), o governador do Paraná Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) disse topar – mas com contrapartidas – a proposta do presidente Jair Bolsonaro para baixar o preço dos combustíveis. Bolsonaro afirmou zerar o imposto federal caso os governadores zerassem o ICMS dos produtos, medida que teria impacto menor na União do que nas unidades federativas, como mostrou a Gazeta do Povo.

"Isso tem que ser calculado, se o governo federal nos garantir que é possível repassar R$ 4 a R$ 5 bilhões para o estado para que as coisas não parem, nós topamos fazer esse avanço, mas de uma forma com muito cálculo, muita tranquilidade", afirmou o governador, ao ser questionado pela imprensa.

Ao Paraná, a medida teria um impacto bilionário, uma vez que tiraria cerca de R$ 6 bilhões ao ano dos cofres do estado, aproximadamente 22% da arrecadação com o tributo e quase 10% de toda a receita estadual.

Ratinho Junior acrescentou que a Câmara dos Deputados é o "local ideal" para o debate dessa mudança tributária. "Agora juntos com os deputados federais e os governadores nós temos que achar uma saída para que a gente possa modernizar a questão tributária no Brasil", afirmou ele.

Considerado um aliado de Bolsonaro, Ratinho Junior ponderou ainda que vê "boa vontade do governo federal". "O posicionamento do presidente é muito claro nesse sentido, dos governadores também", continuou ele. "A ideia é que os estados possam avançar nessa modernização tributária. Todos nós sabemos que o Brasil e o brasileiro paga muito imposto", disse ele.

O evento em São José dos Pinhais contou com a participação da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, e dos ministros Osmar Terra (Cidadania) e Damares Alves (Direitos Humanos).

31 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]