Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Festa clandestina encerrada pela PM em Curitiba.
Festa clandestina encerrada pela PM em Curitiba.| Foto: Ricardo Marajó / SMCS

Além do novo decreto estadual de restrições que passa a valer sexta-feira (28), o governo do estado promete força total no combate a festas clandestinas e outros tipos de aglomerações para tentar frear mais uma vez a transmissão acelerada do coronavírus.

Receba pelo WhatsApp notícias do Paraná

Segundo o governador Carlos Massa Ratinho Js (PSD), o reforço na fiscalização e aplicação de punições não é só para conter o avanço da Covid-19, cujos leitos no estado estão à beira do colapso com 96% de ocupação. O objetivo é também reduzir acidentes de trânsito e ocorrências de violência que também estão sobrecarregando o sistema de saúde.

"Vamos pegar muito pesado a partir dessa semana com muitas blitze no estado do Paraná. Inclusive, faço um pedido para a população para que faça denúncia de festas clandestinas", enfatizou o governador ao jornal Meio Dia Paraná, da RPC, nesta quarta-feira (26).

Só no último fim de semana, a Polícia Militar (PM) em ações da Ação Integrada de Fiscalização Urbana (Aifu) - força-tarefa que reúne agentes do estado e da prefeitura - dispersaram mais de 500 pessoas em aglomerações em parques e praças de Curitiba. "Tivemos em Curitiba um apartamento de alto luxo com festa com dupla sertaneja. São essas irresponsabilidades de poucas pessoas que atrapalham", disse o governador.

Durante a entrevista, Ratinho Jr solicitou à população mais de uma vez que acione o número 181 do Disque Denúncia da Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp). As denúncias também podem ser feitas pela Central 190 da PM, seja por telefone ou aplicativo. "Vamos inclusive fazer uma campanha para que a população denuncie. Muitas vezes a pessoa sabe de uma festa clandestina e não avisa, e a polícia não tem como adivinhar. Tendo denúncia, fica mais fácil de a polícia chegar e automaticamente fazer a prisão de quem organiza esse tipo de festa", explica o chefe do executivo paranaense.

Além das blitze da PM nas cidades e rodovias, o governador também determinou ao comando da Polícia Civil para que todos os delegados apliquem as punições mais pesadas que houver para quem for flagrado organizando ou participando de festas clandestinas.

"A Polícia Militar está preparada para fazer muitas blitze a partir desta semana. Também está preparada para fiscalizar rodovias para pegar gente que bebe, sai de carro. Nossas delegadas e nossos delegados também têm a determinação que passei para que apliquem multa e fiança pesada para a pessoa poder sair da delegacia", ressaltou Ratinho Jr.

Segundo o governador, quem organiza e participa de festas clandestinas durante a pandemia comete crime contra a saúde pública ao facilitar a transmissão do coronavírus em aglomerações. "Além de cometerem crime contra a saúde pública, essas pessoas atrapalham o trabalho de milhares de pessoas que testam prestar um bom serviço à sociedade. E também acabam punindo as pessoas de bem que estão em casa ou indo ao trabalho se cuidando, de máscara, fazendo tudo aquilo que é determinado pela Secretaria de Saúde e pelos médicos", complementa.

Traumas

Além dos casos de Covid-19, o aumento de internações por traumas causados em acidentes de trânsito e ocorrências de violência estão preocupando as autoridades de saúde. Terça-feira (25), a secretária municipal de Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, explicou que o lockdown na capital no último fim de semana foi aplicado justamente pelo grande volume de internações desses pacientes vindos principalmente da região metropolitana.

"Nosso objetivo do último fim de semana não era a só a Covid. Recebi de todos os diretores de prontos-socorros pedidos desesperados por estarem lotados de gente quebrada, gente que se acidenta, que briga, de violência. E não víamos saída naquele momento a não ser pôr as pessoas em casa. Tínhamos um cenário no dia 18 desalentador", explicou a secretária de Saúde da capital em audiência com os vereadores terça-feira.

Segundo o governador Ratinho Jr, o secretário estadual de Saúde, Beto Preto, relatou o mesmo problema em todo o estado. "Temos que aumentar muito a fiscalização para diminuir não só a transmissão da Covid, mas também os traumas, que são acidentes de trânsito, de violência, brigas de bar que ocupam boa parte de leitos. Por isso essa restrição noturna vai nos ajudar a ter leitos de UTI livres para a Covid", concluiu o governador, referindo-se também ao aumento de uma hora no toque de recolher e proibição de consumo e venda de bebidas alcóolicas, agora das 20h às 5h do dia seguinte a partir de sexta-feira.

7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]