i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Balanço

Do fim do IAP à promessa de concurso: 2019 na área ambiental no Paraná

  • Katia BrembattiPor Katia Brembatti
  • 05/01/2020 10:00
Ação da polícia ambiental contra pesca ilegal no Paraná em 2019.
Ação da polícia ambiental contra pesca ilegal no Paraná em 2019.| Foto: Polícia Ambiental

No governo de Carlos Massa Ratinho Junior (PSD), a expressão “meio ambiente” foi colocada de lado, substituída, inclusive no nome da secretaria, por desenvolvimento sustentável. Ao usar o conceito que abrange o tripé econômico, social e ambiental, a gestão deixou claro que os fatores financeiros passariam a ter um peso maior nas decisões governamentais. Boa parte se calcou no discurso de que o governo não pode atrapalhar o desenvolvimento, freando iniciativas ao, por exemplo, demorar para conceder licenças ambientais.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

Sendo assim, uma das primeiras medidas tomadas em 2019 foi a assinatura de decreto alterando as atribuições do Conselho de Desenvolvimento Territorial do Litoral do Paraná (Colit), órgão que tinha a responsabilidade de analisar e dar a anuência ou não para empreendimentos na região. A partir de então, a licença ambiental passou a ser suficiente para iniciar obras.

A proposta de destravar os processos de licenciamento passou pelo anúncio de que o serviço seria delegado (ainda não se efetivou) e também pela simplificação de alguns procedimentos. A gestão afirma que está agilizando a liberação de licenças. Um exemplo é a área de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), que teve aumento na média anual de autorizações concedidas.

Mas tudo isso se deu sem a contratação de mais pessoal para fazer a análise e a fiscalização. É que o IAP vive um processo de desestruturação, perdendo servidores a cada ano, por aposentadoria. Hoje são cerca de 400 funcionários. A autorização para a realização do concurso para 151 vagas foi publicada em diário oficial em setembro, mas o edital ainda não saiu.

Na linha de aproximação com a iniciativa privada, o governo concluiu o processo que havia sido iniciado em gestões anteriores, visando ceder para empresas parte da gestão de unidades de conservação estaduais. O primeiro foi o Parque Estadual de Vila Velha, que teve a privatização do receptivo turístico concluída em outubro.

Outra mudança recente foi a mudança no escopo do uso dos recursos do Fundo Estadual de Meio Ambiente (FEMA). Em dezembro, passou pela Assembleia Legislativa do Paraná o projeto que permite a aplicação do dinheiro arrecadado com multas para obras – e não apenas em ações de recuperação ou preservação.

Também no final do ano, foi aprovada pelos deputados estaduais a reforma administrativa que acaba com o Instituto Ambiental do Paraná (IAP). O órgão passa a se chamar Instituto Água e Terra (IAT) e incorpora as estruturas e atribuições do Águas do Paraná e o Instituto de Terras, Cartografia e Geologia do Paraná (ITCG).

Com a fusão da secretaria de Desenvolvimento Sustentável com a área de Turismo, a atenção voltada aos visitantes dominou a agenda. Um exemplo é a realização dos Jogos de Aventura e Natureza. Ações de conservação ambiental tiveram pouco destaque na gestão. O cenário ficou embaralhado quando um representante das ONGs, Aristides Athayde, foi nomeado para a diretoria de diretor de Gestão do Patrimônio Natural da Secretaria de Meio Ambiente.

Outro ponto que conturbou as relações com ambientalistas foi o debate sobre a Faixa de infraestrutura, proposta de fazer uma nova rodovia, com canal de drenagem, de Pontal do Paraná a Pontal do Sul. Com a intenção de abrir o espaço para o diálogo, foram realizadas várias reuniões entre representantes do governo e da sociedade civil, buscando formas de chegar ao consenso, acatando reivindicações de vários lados, inclusive analisando propostas alternativas, que não representassem a derrubada de vários quilômetros de mata nativa.

A conversa avançou, mas no meio do caminho o governo retomou o processo de licenciamento da obra. A rodada de reuniões sobre o assunto deve ser encerrada em janeiro. A questão passa pelo debate sobre o futuro do Litoral do Paraná. Uma parte substancial foi analisada durante a elaboração do Plano de Desenvolvimento Sustentável (PDS), estudo bancado pelo Banco Mundial, entregue em novembro. Resta saber se e como o governo do Paraná pretende aplicar as propostas apresentadas.

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    MORALES

    ± 0 minutos

    Há algum tempo, a promotora do MA que atua no litoral disse que " é contra o crescimento da atividade produtiva na região". Ou seja, Já deu. Chega. Já é suficiente. kkkkk O contribuinte sustentando uma déspota! Tirando da boca dos filhos para alimentar a ditadura militante do MP.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • L

      Luiz Gustavo Helfenstein

      ± 2 horas

      IAP só serve para cobrar propina!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Z

        Zé Costa.

        ± 10 horas

        Vou fazer uma festa, acabou o IAP ,atrazo no progresso do Paraná, era radical, não admitia negociação, nem conversa ,nem argumentação. Vamos o que vem aí IAT ou ITA ,se não vai ser a mesma porcaria , pois nada se podia, pois não existia segurança jurídica, então é melhor não aprovar e o desenvolvimento do Paraná que se esfole !!!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • M

          Maquiavel

          ± 11 horas

          Faixa de Infraestrutura: se foi o Richa que inventou, boa coisa não é...

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • S

            Sr. Walker

            ± 17 horas

            Paraná ainda é refém da propaganda meio hambientalista do Lerner, que afinal era só no discurso, nada fez a favor. Mas deixou raizes profundas na polacada, difícil fazer qualquer coisa perto de árvores que nem nativas são e de banhados esquisitos. Não vai ser esse arremedo de governador de agora que vai conseguir quebrar o que hoje são paradigmas estaduais. Estamos presos, como num pesadelo.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            Fim dos comentários.