Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Livros
| Foto: Divulgação

Novidades

Ligações que rasgam, de Raul K. Souza

Livro Ligações que rasgam
| Divulgação

Kotter Editorial

Sinopse:

“Raul K. Souza já é conhecido na cena curitibana (e também em outras paragens) por seu trabalho impecável como editor. Aqui o leitor e a leitora conhecerão o Raul poeta. "Ligações que rasgam" é sua estreia literária, e Raul simplesmente deixa poetas mais rodados boquiabertos. Versos como ‘no escuro quarto da casa/da alma/da família/com sonhos no chão’, remetem a um Pessoa em Aniversário, ou em Lisbon Revisited, tamanho o grau de sua poética reflexiva, pensada, mas não hermética”, Daniel Osiecki, poeta.

Pacto, de Roberto Nicolato

Leitura: Pacto
| Divulgação

Sinopse:

O último ano da universidade chegou e os estudantes Júlio, Anna e Gabriel sentem o peso da despedida. Estamos no final dos anos 1970 e o país vive momentos difíceis, devido à repressão e à censura. Para piorar, os estudantes se deparam com o estranho e enigmático desaparecimento de um amigo ativista. É tempo de grandes paixões, transgressões e companheirismo. Num velho casarão, eles decidem fazer um pacto: se encontrarem 30 anos depois, na passagem do milênio, na Praia de Copacabana. O reencontro é marcado não apenas pelo sentimento de amizade, mas também por ressentimentos e novas descobertas... Terceiro romance do escritor mineiro Roberto Nicolato, radicado em Curitiba, "Pacto" traça o retrato de uma geração de jovens aguerridos e constitui-se num libelo em favor dos ideais de liberdade e democracia.”

Reedições

Araucarilândia, 2020, de F. C. Hoehne e organização de Álvaro da Silva Carneiro

Leitura: Araucarilândia
| Divulgação

Sinopse:

“Publicado originalmente em 1930 pela então Secretaria de Agricultura, Industria e Commercio do Estado de São Paulo, a terceira edição do livro chega enriquecida pelo caderno 'Araucarilândia: 90 anos depois'. Nele os especialistas Clóvis Ricardo Schrappe Borges e João Paulo Ribeiro Capobianco apresentam pontos de vista importantes sobre a trajetória de Hoehne e do ambientalismo brasileiro e sobre as potencialidades e desafios do presente. Depois da reflexão proporcionada pelos textos, uma sessão de belíssimas fotografias de Zig Koch nos conduz por paisagens com araucárias que vão de São Paulo ao Rio Grande do Sul, permitindo-nos viajar em imagens enquanto não podemos nos deslocar fisicamente.”

O mez da Gripe, por Valêncio Xavier

Leitura: O mez da gripe.
| Divulgação

Sinopse:

“Essa narrativa-kinema trata da gripe espanhola, das ‘tropas alliadas’, de relatos do passado (ah, D. Lucia, danadinha), das moléstias do peito, dos ‘obitos de hontem’. Contempla dos bairros, cinemas e missas de Curityba à grande angular da Europa na Guerra, numa poética de fluxo e motilidade composta de anúncios e recortes de jornal, quadras eróticas, colagem, deslocamentos temporais, absurdo, ironia, comicidade. Tudo isso sim, pela mão firme do Valêncio Xavier que, como poucos, alcançou excelência no tratamento da fragmentação; sua obra, que depura e atualiza o Nouveau Roman, o coloca ao lado de Osman Lins, Julio Cortázar e outros grandíssimos”, Luci Collin, poeta.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]