i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
legislação

Cida assina PL para manter benefícios fiscais no setor produtivo do Paraná

Alep tem até dia 28 de dezembro para aprovar manutenção de benefícios; projeto atende mudança do conselho fazendário nacional

  • PorGazeta do Povo
  • 15/10/2018 17:50
Cida Borghetti durante reunião com representantes do setor produtivo do Paraná | Jonas Oliveira/AEN
Cida Borghetti durante reunião com representantes do setor produtivo do Paraná| Foto: Jonas Oliveira/AEN

A governadora Cida Borghetti (PP) assinou nesta segunda-feira (15) um projeto de lei que pedirá a manutenção de benefícios fiscais concedidos pelo estado a setores da indústria e do comércio. O PL, assinado em encontro com entidades do setor produtivo, no Palácio Iguaçu, precisa obrigatoriamente ser aprovado na Assembleia Legislativa até o dia 28 de dezembro para que esses benefícios não sejam invalidados.

A medida é tentativa de achar saída para as regras mais rígidas estabelecidas pelo conselho fazendário nacional. Historicamente, todos os estados concederam benefícios às suas indústrias (isenção de tributos estaduais, sobretudo) como estratégia de torná-las competitivas em nível nacional. O problema é que tais medidas se davam à revelia da Constituição, criando uma guerra fiscal entre as unidades da federação.

LEIA TAMBÉM: Renúncias fiscais tiram R$ 10 bilhões do orçamento do Paraná por ano

Uma Lei Federal Complementar (160/17), aprovada no ano passado, tentou dar um jeito nisso e estabeleceu regras para que o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) valide este tratamento tributário diferente entre os estados. A Lei foi aprovada sobretudo porque o Supremo Tribunal Federal declarou tais renúncias fiscais inconstitucionais em muitos casos.

Para que esse passivo financeiro não quebrasse muitas das empresas que se fizeram valer dos benefícios, o Confaz estabeleceu que os estados possam remir os créditos tributários concedidos e reinstituir os benefícios que haviam sido concedidos até 8 de agosto de 2017.

SAIBA MAIS: acompanhe as notícias sobre o Paraná

“Estamos tratando desse assunto com agilidade e responsabilidade porque a aprovação desse projeto de lei dará mais segurança jurídica às empresas, garantindo o não aumento da carga tributária”, afirmou a governadora. “Além disso, a medida vai beneficiar todos os setores - industrial, comercial, portuário e agropecuário, que poderão continuar com seus investimentos”, ressaltou Cida.

“Como há o recesso parlamentar em dezembro, temos um prazo muito limitado”, disse. “Isso tem que acontecer para dar segurança jurídica às empresas instaladas no Paraná. Ao longo dos anos, todos os estados foram avançando um pouco o sinal, dando muitas vantagens tributárias, mas desde que o Judiciário julgou que haveria a necessidade desse acordo, é preciso fazer o ajuste”, acrescentou o presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
  • Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.