i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
carnaval

Prefeitura investe dinheiro do carnaval em saúde e festa será bancada por empresa

Cidade do litoral paranaense acertou patrocínio privado para garantir a folia nas ruas. Com isso, os R$ 40 mil necessários para a festa serão usados para a compra de equipamento hospitalar

  • PorCristina Seciuk
  • 18/02/2019 19:56
Carnaval em Morretes será financiado pela iniciativa privada. | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Carnaval em Morretes será financiado pela iniciativa privada.| Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

Estava decidido: não tem Carnaval em 2019. A opção por deixar passar em branco a festa de Momo foi tomada pela prefeitura de Morretes ainda no ano passado, motivada pela velha lógica do “cobertor curto”: era necessário fazer sobrar recurso municipal para que ele fosse direcionado a outra área de atendimento à população, nesse caso a saúde. De acordo com o diretor de turismo do município, Orlei Antunes de Oliveira, em média Morretes gastou cerca de R$ 87 mil com os festejos em anos anteriores. “É pouquíssimo”, avalia, “só que para a nossa realidade é muita coisa”, pondera o representante do município de 16 mil habitantes e orçamento que não chega aos R$ 50 milhões anuais.

Apesar da intenção de usar o dinheiro economizado em um serviço de primeira necessidade, surgiu a preocupação com um efeito colateral indesejado: sem o evento, perderia o comércio local, com queda na movimentação de turistas – só para citar um possível reflexo negativo da não realização do carnaval na cidade, essencialmente turística. Com vistas a evitar que o barato saísse caro, veio a proposta de buscar quem bancasse 100% da folia: “falei ao prefeito que conseguiria patrocínio, a ideia era fazer um Carnaval sem custo para o município. O que se deixa de gastar na festa vai para equipamento [hospitalar], e fechou dessa forma”, relembra o secretário.

SAIBA MAIS: Em rodovias federais no Paraná, apenas 8 de 118 radares estão em funcionamento

O ponto de partida, segundo Oliveira, foi traçar uma estimativa do valor mínimo necessário para colocar o Carnaval na rua, por mais tímido que fosse: o cálculo chegou a R$ 40 mil e a partir daí o Turismo morretense passou a procurar patrocinadores com o mote da realização de um evento teste, que pudesse ser replicado em outras cidades uma vez que, segundo ele, a dificuldade enfrentada ali não é isolada. “Não é Morretes, é um geral. Os municípios têm dificuldade para tocar a cidade”, avalia Orlei Antunes de Oliveira, que colocou o projeto debaixo do braço e garantiu os recursos para a primeira edição do Carnaval Responsável, a ser realizado entre os dias 1º e 5 de março. O patrocinador, que ainda não foi divulgado, terá direito a comercializar 80% dos produtos que serão oferecidos no evento e à vinculação da marca ao Carnaval da cidade (naming rights).

O plano da prefeitura de Morretes é usar o recurso que deixará de ser gasto na folia para a aquisição de equipamentos hospitalares. A relação elaborada tem monitor de sinais vitais, desfibrilador, eletrocardiógrafo, bomba de infusão peristáltica rotativa, aspirador cirúrgico, oxímetros de pulso para uso geral e neonatal, concentrador de oxigênio e colchões de água. A conta total é estimada em R$ 33.881,00.

LEIA MAIS: Decreto de Ratinho Jr. tira licenciamento ambiental da alçada do conselho do Litoral

Cobertor curto

Em outras cidade as prefeituras vem estudado medidas de economia ou de priorização de investimentos que têm o Carnaval na mira direta. Em Tibagi, nos Campos Gerais, a festa foi mantida, mas sofreu cortes para reduzir despesas: o desfile de rua foi cancelado e eventos como o concurso de marchinhas e a escolha da rainha da festa serão feitos pela internet.

Em Bonito (MS), o município lançou consulta pública para saber o que a população preferia: que o investimento previsto de R$ 200 mil fosse investido na realização da festa ou na compra de ambulâncias. A enquete terminou com resultado favorável à aquisição dos veículos, com 76,56% dos votos, e a promessa da abertura de licitação por parte da Saúde municipal.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.