Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

nomeação política

Servidores fecham Parque do Iguaçu por indicação de Temer para órgão ambiental

Presidente escolhido para o ICMbio é ligado ao Pros e não tem conhecimento da área. Outros seis parques ficarão fechados neste domingo (27) em protesto contra a escolha

  • São Paulo
  • Folhapress
 | Divulgação/Cataratas do Iguaçu S.A
Divulgação/Cataratas do Iguaçu S.A
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Servidores do Instituto Chico Mendes para Conservação da Biodiversidade (ICMBio) protestam neste sábado (26) em sete parques nacionais − entre eles o do Iguaçu, em Foz do Iguaçu − e também no Ministério do Meio Ambiente contra uma indicação política para a presidência do órgão, que sempre teve presidentes ligados à área ambiental desde que foi criado, em 2007. Após reunião com o secretário-executivo da pasta, Romeu Mendes do Carmo, servidores do ICMBio em Brasília deliberaram pelo fechamento dos parques nacionais neste domingo (27).

Organizações dos servidores nos estados também consideram estender a paralisação durante o feriado de Corpus Christi, na próxima quinta-feira (30), caso o governo mantenha uma nomeação política para o órgão.

LEIA TAMBÉM: O que leva o Paraná a estar sempre no topo do ranking de desmatamento

O presidente Michel Temer (MDB) estaria diretamente envolvido na negociação que tenta acomodar um quadro do Pros no comando do instituto. Na sexta-feira (25), o governo havia confirmado o nome do cientista político e diretor da fundação do partido, Cairo Tavares, que passou o dia em reuniões com diretores do ICMBio, mas foi recebido com protestos por boa parte dos funcionários, que criticam a falta de experiência dele com o tema ambiental. Diferentemente do esperado, sua nomeação ainda não foi publicada no Diário Oficial da União.

Neste sábado, protestos também aconteceram no Ministério do Meio Ambiente e em sete parques nacionais: Iguaçu (PR), Tijuca (RJ), Fernando de Noronha (PE), Brasília (DF), Itatiaia (RJ), Serra dos Órgãos (RJ) e Chapada dos Veadeiros (GO).

A estratégia foi de fechar os parques por 20 minutos, discursar para os visitantes sobre a luta dos servidores e então reabrir os portões. “Queremos conscientizar os visitantes, não prejudicá-los”, explica um funcionário do parque da Tijuca que prefere não se identificar.

Segundo ele, a movimentação para ver o Cristo Redentor foi normal nesta sexta-feira, com muitos visitantes estrangeiros chegando de trem. “Fizemos discursos também em inglês e, quando entenderam a situação, os turistas aplaudiram e apoiaram”, ele conta.

LEIA TAMBÉM: Desabastecimento? Avião do estado leva Cida e Barros a ato político no interior

A preocupação é de uma “perpetuação de um loteamento no instituto, substituindo nomes técnicos por outros aliados políticos em postos chaves”, diz o analista ambiental do ICMBio e vice-presidente da Associação Nacional dos Servidores da Carreira de Especialista em Meio Ambiente (Ascema), Denis Rivas.

Ele também acende um alerta para o interesse político em pareceres técnicos do órgão que influenciam licenciamento de obras importantes, como o que está em andamento atualmente no porto de Macaé (RJ), próximo ao parque nacional Restinga da Jurubatiba.

No entanto, a suspeita mais comentada pelos servidores é de que o ICMBio tenha se tornado interessante para as negociações políticas depois da aprovação da MP 809, em dezembro do ano passado. A medida, que ainda precisa ser instrumentalizada pelo ICMBio, disponibiliza um fundo de R$ 1,5 bilhão para atividades de conservação e compensações ambientais. Até então, o ICMBio vinha sendo governado por quadros técnicos, com um orçamento apertado.

“Em 2016 eram R$ 216 milhões para gerir 75 milhões de hectares; um investimento de apenas R$ 3 por hectare”, compara Ângela Kuczach, secretária-executiva da Rede Pro-UC, ONG que monitora Unidades de Conservação.

LEIA TAMBÉM: Concorrentes fazem elogios (nem sempre sinceros) a Beto Richa. Veja vídeo

Na tarde desta sexta, o Ministério Público Federal enviou uma recomendação ao ministro interino do Meio Ambiente, Edson Duarte, de que “o presidente do ICMBio deve ter expertise técnica e competência gerencial comprovadas, como prevê a lei”.

O nome de Tavares já era uma substituição ao do vice-presidente do Pros, Moacir Bicalho, cuja indicação tinha gerado revolta de servidores e ambientalistas na última semana, culminando com entrega de um abaixo-assinado apoiado por mais de 400 entidades aos ministérios do Meio Ambiente e da Casa Civil. Organizações ambientalistas como SOS Mata Atlântica e Observatório do Clima também publicaram notas em defesa de um nome experiente na área ambiental para o comando do órgão.

O servidor técnico Paulo Carneiro seria o substituto indicado pelo último presidente do ICMBio, Ricardo Soavinski, que deixou o cargo em abril para assumir a Sanepar, Companhia de Saneamento do Paraná.

Funcionários do governo contam que o ministro interino do Meio Ambiente, Edson Duarte, teria encaminhado a indicação de Paulo Carneiro à Casa Civil, responsável pela nomeação, mas que a situação de “ministro substituto” não teria lhe garantido poder de negociação. Desde que Sarney Filho deixou o comando da pasta em 7 de abril, o nome de Duarte ainda não foi confirmado pelo governo Temer para permanecer à frente da pasta.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE