i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
sétimo nome

Bolsonaro indica general Fernando Azevedo e Silva para o ministério da Defesa

Ele vai assumir o posto que estava, inicialmente, previsto para o general Augusto Heleno, que acabou indo para a chefia do Gabinete de Segurança Institucional

  • PorEvandro Éboli, com Estadão Conteúdo
  • Brasília
  • 13/11/2018 08:20
General Fernando Azevedo e Silva é o novo ministro da Defesa do governo Bolsonaro | Tomaz Silva/Agência Brasil/
General Fernando Azevedo e Silva é o novo ministro da Defesa do governo Bolsonaro| Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil/

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) indicou o general do Exército Fernando Azevedo e Silva para o cargo de ministro da Defesa. Ele é o sétimo nome confirmado para a equipe ministerial. Ele vai assumir o posto que estava inicialmente previsto para o general Augusto Heleno, que acabou indo para a chefia do Gabinete de Segurança Institucional (SGI) a pedido de Bolsonaro.

Com a escolha de Azevedo e Silva, mais um nome do Exército vai compor o primeiro escalão do governo Boslonaro. O presidente eleito também mantém um oficial do Exército no cargo, já que o atual ministro é o general Joaquim Luna e Silva. 

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro cogita deputado mineiro do DEM para ministro da Saúde

Chegou a ser cogitado um nome da Marinha para a pasta, com o objetivo de dar espaço para todas as Forças, o que acabou não se confirmando. De qualquer forma, desde a campanha, Bolsonaro demonstrava a preferência por um militar quatro estrelas (cargo mais alto das Forças Armadas) na pasta, antes mesmo do atual presidente Michel Temer escolher o general Luna, o primeiro militar a ser ministro da Defesa, nomeado neste ano. 

Quem é o novo ministro

Fernando Azevedo e Silva é ex-chefe do Estado Maior. Foi para a reserva em julho deste ano. Foi nomeado assessor do presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, em setembro. Porém, vai ter que deixar o posto para assumir o ministério. 

Já teve a função de assessor parlamentar do Alto-Comando do Exército, no Congresso. É muito próximo de Mourão e do presidente eleito. Atuou junto a equipe de Bolsonaro para a área militar. Também foi comandante da Brigada Paraquedista antes de ir para a reserva.

SAIBA MAIS: Ex-ministro de Dilma aceita presidir o BNDES no governo Bolsonaro

Em agosto passado, ainda como chefe do Estado Maior do Exército, Azevedo e Silva defendeu a “conciliação” e “tolerância” nas eleições 2018. Ele ressaltou que os militares são “parte significativa da maioria do povo brasileiro que pretende usar o voto, a arma mais poderosa e legítima da democracia, para começar a superar a crise profunda em que estamos mergulhados.”

No Quartel-General do Exército, o general disse que o trabalho dos militares não é reconhecido e se queixou do orçamento das três Forças e dos salários que recebem. “Os constantes desafios a que as Forças Armadas vêm sendo submetidas, muitos deles alheios à nossa destinação principal, não têm recebido, das esferas competentes, o merecido reconhecimento, justo e digno, principalmente quanto ao orçamento e à remuneração do nosso pessoal”, escreveu.

Histórico

É natural da cidade do Rio de Janeiro. Em sua vida militar, ocupou vários cargos e funções inerentes ao oficial subalterno e intermediário. Como oficial superior comandou o 2.º Batalhão de Infantaria Leve em São Vicente – SP. Serviu, ainda, na Presidência da República e no Gabinete do Comandante do Exército como Chefe da Assessoria Parlamentar e como Subchefe de Gabinete.

Como oficial general, comandou a Brigada de Infantaria Paraquedista e o Centro de Capacitação Física do Exército, onde exerce o cargo de Presidente da Comissão de Desportos do Exército durante a preparação e execução dos 5º Jogos Mundiais Militares. Depois, foi nomeado Diretor do Departamento de Desporto Militar do Ministério da Defesa. 

Ao longo da sua vida militar, recebeu 17 condecorações nacionais e 4 estrangeiras. É um general quatro estrelas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.