Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Soberania?

Eles querem separar o Sul do resto do Brasil. Mas o novo país não tem nem nome

Integrantes do movimento O Sul é meu país propõem a separação dos três estados do sul em um novo país, que não tem nome, mas já tem várias sugestões

  • Fernanda Trisotto
 | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Jonathan Campos/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Certamente você já ouviu falar do movimento “O Sul é meu país”, que há décadas vem sondando a viabilidade de separar os três estados da região sul – Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná – e formar um novo país. Para testar a aceitação da tese, neste sábado o grupo realiza uma nova consulta popular sobre a “independência” dos estados. Mas, e se de fato o Sul se separasse do Brasil, como seria o nome da nova nação? Está aí uma resposta que a cúpula do movimento não tem – mas que os seguidores adoram especular.

Brasil do Sul? Brasul? Estados Unidos do Sul? Confederação Sulista? Pampas do Sul? República dos Pampas? Araucânia? Iguassu (com dois “ésses” mesmo, para não dificultar a pronúncia do nome pelos gringos)? Todos esses nomes foram sugeridos por pessoas que acompanham o movimento O Sul é meu país, no campo de comentários de um artigo que discute justamente a questão do nome.

SAIBA MAIS:  O Sul é o Meu País: nem com 1 milhão de eleitores consulta ganha valor legal

No texto, postado em junho do ano passado, um dos fundadores do grupo, o professor Celso Deucher, reconhece que esse assunto – o nome do novo país – é recorrente e é compreensível a curiosidade das pessoas. “O que não é compreensível é a convicção de alguns que acreditam que têm que parar tudo para decidir que nome teria este país, se nem mesmo conseguimos força para levarmos o movimento de conscientização plebiscitária as ruas”, escreve.

Outra integrante do movimento, Anidria Rocha, que é coordenadora geral do Plebisul, diz que escolher um nome e outras miudezas – como bandeira, hino, moeda e capital – não é o objetivo do grupo. Agora. “Nós discutimos o potencial econômico, mas coisa como o nome do país, bandeira, hino... isso seria discutido mais tarde, decidido com a população”, argumenta.

Apesar da posição dos líderes do movimento, é impossível controlar as sugestões. Ainda mais em tempos de fácil acesso à internet. União Celeste, Austrânia, República Federativa do Sul do Brasil, República das Araucárias, Estados Integrados do Sul são outros dos nomes que aparecem por aí. Mas há outra coisa que os separatistas acham que é digna de atenção: como mencionar as regiões do novo país (sem parecer o nome de um herdeiro do clã Kardashian)? Você pode morar no Nordeste (opa!) do Sul. Norte do Sul? Ou ao Sul do Sul.

LEIA MAIS:Inspirado pela Catalunha, ‘o Sul é Meu País’ faz plebiscito para se separar do Brasil

“Neste sentido, não temos que ficar reinventando a roda discutindo nome de país. Somos Sul-Brasileiros e é assim que o mundo nos reconhece. Não há nenhum mal intrínseco em querer abandonar toda e qualquer nome que lembre que um dia pertencemos ao Brasil, assim como muito menos há mal algum em ser aquilo que de fato somos neste momento: Sul Brasileiros”, escreveu Deucher. Ele também escreveu que o consenso do movimento é o de usar a expressão União Sul Brasileira para nominar o projeto de país. Pois é.

Sem nome, sem idioma, sem moeda...

Se a discussão de um nome já gera polêmica, imagine definir outras coisas, como idioma e capital? Pois é, isso também é alvo de palpites de pessoas que querem se separar do Brasil. Há quem defenda que o novo país tenha um novo idioma. Inglês “britânico” e alemão aparecem entre os mais sugeridos, com o argumento de que ninguém se importa com o português na comunidade internacional.

SAIBA MAIS: Não é só o Sul! Nordeste, Norte e até Brasília também querem se separar do Brasil

A capital do novo país é um mistério também. O movimento O Sul é meu país foi fundado em Curitiba, no Paraná, mas atualmente a sede do movimento é em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul. Mais uma vez, pitacos para a escolha da capital do novo país é o que não faltam – e há quem defenda a escolha de uma cidade catarinense, para ficar no meio do caminho.

A moeda do novo país deveria passar longe do real – e ser tão valorizada como o dólar. E já há quem sugira o nome de “pinhão” para o novo dinheiro. E até quem evoque – de brincadeira – a expressão “pila”, usada informalmente em algumas regiões do Sul, principalmente pelos gaúchos, e que não tem plural.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Política

PUBLICIDADE