i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Equipe econômica

Executivo do Santander será presidente do Banco Central no governo Bolsonaro

Equipe de transição do governo Bolsonaro anunciou a escolha do economista Roberto Campos Neto como presidente do Banco Central. Mansueto Almeida permanece no Tesouro

  • PorDa Redação, com agências
  • 15/11/2018 13:52
Equipe do presidente eleito anunciou nome do presidente do BC | Valter Campanato/Agência Brasil
Equipe do presidente eleito anunciou nome do presidente do BC| Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O economista Roberto Campos Neto, do Santander, será o presidente do Banco Central do governo de Jair Bolsonaro. O atual secretário do Tesouro, Mansueto de Almeida, continuará no cargo. As duas informações foram confirmadas por integrantes da equipe de transição de Bolsonaro. Ambos já aceitaram o convite feito pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes.

A opção por Campos Neto foi feita depois que o atual presidente do BC, Ilan Goldfajn, confirmou que deixará a instituição até o final do ano. Ele era a principal aposta da equipe econômica de Bolsonaro.

Em relação a Mansueto, havia a dúvida se ele toparia continuar como secretário do Tesouro. O nome dele também era cotado para assumir uma nova secretaria da Fazenda, que pode ser criada na estrutura do ministério que Guedes chefiará.

LEIA TAMBÉM: Deputada eleita Joice Hasselmann vai propor ‘Lei Rouanet da Educação’

Campos Neto, como o nome indica, é neto do também economista Roberto Campos, ministro do Planejamento durante o governo do marechal Humberto de Alencar Castelo Branco (1964-1967) e um dos maiores expoentes do pensamento liberal no Brasil.

O executivo é respeitado no mercado financeiro por seu perfil técnico, mas não é um nome muito conhecido. Para alguns economistas, uma questão que terá de ser observada será a sua capacidade de se adequar ao setor público, tendo em vista que sempre ocupou cargos privados.

Reação do mercado financeiro

O mercado financeiro não deve reagir de forma negativa à decisão do presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, de deixar o cargo no governo de Jair Bolsonaro (PSL), estima o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini. Na sua avaliação, a política monetária nacional está sob controle, com as expectativas de inflação devidamente ancoradas, o que garante previsibilidade aos agentes econômicos.

Como o anúncio ocorreu nesta quinta-feira (15), um feriado nacional, a reação do câmbio e da Bolsa deve ser protelada para esta sexta-feira (16), quando o mercado opera normalmente.

LEIA TAMBÉM: Valor questionado no TSE soma 38% da receita declarada por Bolsonaro

Além disso, a tendência é que o próximo presidente do BC mantenha um perfil técnico, não político, conforme já sinalizou Paulo Guedes, futuro ministro da Economia.

“Por mais que o Ilan Goldfajn não tenha aceitado permanecer no cargo e isso, eventualmente, cause alguma reação negativa pontual, a essência é que está tudo sob controle na política monetária”, avalia Agostini.

“E não preocupa quem será o próximo presidente devido às manifestações do governo eleito de que a gestão será técnica. É questão de tempo para conhecermos esse nome”, complementa.

Ilan rejeitou por motivos pessoais

Segundo apurou o Estadão/Broadcast, Goldfajn não aceitará o convite de permanecer à frente da autoridade monetária por motivos pessoais. Os mais cotados pela equipe de transição do governo para substituí-los são o diretor de política econômica do BC, Carlos Viana de Carvalho, e o diretor do Santander, Roberto Campos Neto, para ocupar o cargo.

Agostini admite que causa alguma estranheza a saída de Goldfajn. Isso porque, nos bastidores, a leitura era de que a eventual autonomia do BC, defendida por Guedes e Bolsonaro, e que pode ser votada no Congresso, poderia abrir espaço para Goldfajn ficar no cargo.

“Nesse contexto, soa um pouco estranho ele não ter aceitado. Mas é difícil opinar sobre a mensagem que sua saída passa, pois não sabemos a real motivação para não ter aceitado o convite. Isso pode gerar um pouco de especulação”, diz Agostini.

Ainda assim, o economista-chefe da Austin Rating minimiza a tendência de reações pessimistas duradouras no mercado financeiro. “Acredito que o próximo presidente do BC será técnico e a austeridade monetária será mantida. Isso é o mais importante”, reitera.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.