i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Lava Jato

Fachin homologa acordo de delação do ex-deputado Pedro Corrêa, que cita Lula

Ex-presidente do PP foi o primeiro político a decidir delatar e negociava um acordo de colaboração desde 2015. Além do petista, Corrêa pode implicar Aécio e um ministro do TCU

    • Folhapress
    • 08/08/2017 21:13
     | Brunno Covello/Arquivo Gazeta do Povo
    | Foto: Brunno Covello/Arquivo Gazeta do Povo

    O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, relator dos casos da Operação Lava Jato na corte, homologou na semana passada um acordo de delação premiada fechado entre o ex-deputado Pedro Corrêa e o Ministério Público Federal.

    Segundo a reportagem apurou, o acordo, que está sob sigilo, seguiu do Supremo para a Procuradoria-Geral da República, que analisará quais informações servirão de base para pedidos de abertura de inquérito. Ainda não houve pedido da PGR para tirar o sigilo do caso.

    Ex-deputado pelo PP de Pernambuco e ex-presidente de seu partido, Corrêa foi o primeiro político a decidir delatar e negociava um acordo de colaboração desde 2015. Em março do ano passado, a Folha de S.Paulo noticiou que ele se propôs a delatar o ministro do Tribunal de Contas da União Augusto Nardes e políticos como o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Eles negam irregularidades.

    Em outubro do ano passado, o então relator da Lava Jato no Supremo, Teori Zavascki, enviou o caso de volta ao Ministério Público para que fossem feitos ajustes – à época, não foram divulgados detalhes. Segundo a reportagem apurou na ocasião, um dos problemas era a ausência de documentos que corroborassem os fatos relatados por Corrêa.

    Agora, Fachin fez a homologação, um procedimento que analisa aspectos formais do acordo, sem juízo de valor sobre a veracidade dos relatos.

    Corrêa foi condenado em outubro de 2015 a 20 anos e 7 meses de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. A sentença foi uma das mais duras do juiz Sergio Moro, responsável pelas ações da Lava Jato em Curitiba. Hoje, o ex-deputado está em prisão domiciliar, devido a problemas de saúde.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.