i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
bloqueio

Grupos pró-ditadura bloquearam caminhões da Petrobras em fevereiro

Objetivo do grupo era impedir o carregamento de caminhões-tanque que fornecem combustíveis a postos, aeroportos e órgãos públicos

  • PorDa Redação
  • 01/06/2018 11:04
Policiais ao redor da Refinaria de Araucária, durante a greve dos caminhoneiros | Aniele NascimentoGazeta do Povo
Policiais ao redor da Refinaria de Araucária, durante a greve dos caminhoneiros| Foto: Aniele NascimentoGazeta do Povo

Em fevereiro, caminhões-tanque foram impedidos de sair de pelo menos uma base de distribuição de combustível da Petrobras; outras três - incluindo a de Araucária, na região metropolitana de Curitiba - foram ameaçadas por grupos de pessoas que defendem uma intervenção militar, de acordo com uma ação judicial movida pela BR Distribuidora. As informações foram reveladas em reportagem da Folha de S. Paulo desta sexta-feira (1).

Segundo a ação protocolada pela BR Distribuidora na Justiça de São João de Meriti (RJ), as bases visadas foram as de Fortaleza (CE), onde houve bloqueio completo, Cubatão (SP), Duque de Caxias (RJ) e Araucária (PR).

Leia também: Governo promete multa de R$ 9 milhões a posto que não baixar preço do diesel

“O intuito dos manifestantes, mesmo alegando a ‘pacificidade’ do movimento, é unicamente impedir o carregamento de caminhões-tanque da Petrobras Distribuidora para fornecimento de produtos a postos revendedores, aeroportos e órgãos públicos com a finalidade de chamar a atenção para a causa”, diz a petição da BR.

A distribuidora, antecipando o cenário da paralisação dos caminhoneiros, chegou a advertir para o “risco de grave dano” com o “possível desabastecimento no Estado do Rio de Janeiro, vez que o Terminal de Duque de Caxias é responsável pelo suprimento de combustível em praticamente todo o Estado”.

Leia também: Petrobras cobra mais por diesel e gasolina. Mas está lucrando menos com eles

A ação informa ainda que “o Núcleo de Inteligência da Polícia Federal teria tomado conhecimento da existência de mensagens eletrônicas em que se verificava a intenção de certos indivíduos articularem manifestações com esse cunho político durante os festejos do Carnaval”.

A matéria da Folha de S. Paulo informa ainda que outra ação, também de fevereiro, da Advocacia Geral da União (AGU) pediu que a Justiça garantisse a segurança da refinaria de Araucária, ameaçada por uma carta de cinco páginas encaminhada a diversas autoridades policiais, assinada por “Associação da Cidadania e Defesa do Brasil” (ACDB), que apoia uma intervenção militar.

Leia também: Governo tira benefício de saúde e educação para bancar diesel

A Folha localizou uma pessoa que diz ser a responsável pelo que chama de “projeto de bloqueio das refinarias”, um microempresário de 60 anos, de São José (SC).

A carta enviada às autoridades repudiava as eleições de 2018, defendia uma “intervenção institucional”, do povo com as Forças Armadas e propunha ainda “um governo de transição, temporário, militar e civil, promoverá uma nova Constituição”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.