i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
COMBUSTÍVEIS

Petrobras cobra mais por diesel e gasolina. Mas está lucrando menos com eles

Balanço do primeiro trimestre indica que a companhia não repassou aos preços todo o aumento de custos provocado pela alta do petróleo. Troca de gasolina por etanol também afetou resultado

  • PorFernando Jasper
  • 31/05/2018 18:56
Refinaria da Petrobras em Araucária (PR): alta no preço do petróleo e queda nas vendas de gasolina e diesel reduziram lucro da área de abastecimento. | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Refinaria da Petrobras em Araucária (PR): alta no preço do petróleo e queda nas vendas de gasolina e diesel reduziram lucro da área de abastecimento.| Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

A Petrobras está lucrando menos com a venda de combustíveis, apesar dos aumentos de preço da gasolina e do diesel. É o que mostra o mais recente balanço da companhia, referente ao primeiro trimestre do ano.

De janeiro a março, a área de abastecimento – responsável pela produção e distribuição de combustíveis – teve lucro de R$ 3,1 bilhões, 25% menor que o do mesmo período do ano passado (R$ 4,1 bilhões). Parte desse desempenho se deve à alta das cotações do petróleo, que elevou os custos.

LEIA MAIS: O tamanho do prejuízo: perdas da greve equivalem a meio ano de gastos na Saúde

Quem garantiu a melhora do resultado global da estatal no trimestre – ela lucrou quase R$ 7 bilhões ao todo, 56% acima do valor registrado um ano antes – foi outra área, a de exploração e produção (E&P). Que, ao contrário do abastecimento, foi beneficiada pela valorização do barril no mercado internacional. O aumento das cotações elevou o ganho com as exportações de petróleo, que, somado à venda dos campos de Lapa, Iara e Carcará, fez o lucro de E&P crescer 77%, para R$ 11,5 bilhões no trimestre.

LEIA MAIS: Efeito da greve: dono de SUV de luxo ganha diesel mais barato, pago por todos

Segundo a Petrobras, a queda do lucro do abastecimento no primeiro trimestre foi provocada pela “redução das margens de comercialização” do diesel e da gasolina, pelo aumento do custo do petróleo e pela queda das vendas de derivados – principalmente de gasolina, em razão da “maior penetração do etanol”. Como as refinarias da Petrobras produziram menos, o custo de produção aumentou, o que também afetou a lucratividade. O mesmo cenário havia sido reportado no balanço de 2017, quando o resultado do abastecimento encolheu 34% em relação a 2016.

SAIBA MAIS:Notícias sobre a greve dos caminhoneiros

Os relatórios indicam que, embora tenha reajustado os preços, a Petrobras não passou adiante – para as distribuidoras – todo o encarecimento do petróleo. De acordo com o primeiro balanço de 2018, o preço médio do barril do tipo brent foi de R$ 216,51 entre janeiro e março, 28% mais caro que em igual período de 2017. Enquanto isso, o preço dos “derivados básicos” no mercado interno avançou 12%, para R$ 255,61 por barril.

O impacto dos movimentos mais recentes sobre o lucro da Petrobras só será conhecido no balanço do segundo trimestre. Desde 17 de fevereiro (quando a empresa passou a divulgar o valor médio de venda dos combustíveis) e a última quarta-feira (dia 23, quando a estatal anunciou a queda de 10% no preço do diesel), gasolina e diesel subiram em média 37% nas refinarias. No mesmo intervalo, o barril do petróleo ficou 39% mais caro, em reais.

Menos gasolina, mais etanol

No balanço do primeiro trimestre, a Petrobras informou que as vendas de diesel diminuíram 5% em relação aos três primeiros meses de 2017. As de gasolina caíram ainda mais: 13%.

Ainda que a estatal não tenha repassado todo o aumento de custos ao preço da gasolina, os reajustes na bomba foram altos o suficiente para resgatar a competitividade do etanol, levando muitos motoristas a optar pelo derivado da cana-de-açúcar.

Segundo a ANP, agência reguladora do setor, as distribuidoras venderam quase 4 bilhões de litros de etanol no primeiro trimestre, 44% mais que no mesmo período de 2017. Enquanto isso, as vendas de gasolina caíram 10%, para 10 bilhões de litros.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.