Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O presidente Jair Bolsonaro em entrevista concedida ao filho Eduardo.
O presidente Jair Bolsonaro em entrevista concedida ao filho Eduardo.| Foto: Reprodução/YouTube

"A pandemia está chegando ao fim" e "a pressa da vacina não se justifica", avalia o presidente Jair Bolsonaro. As frases são de entrevista que ele concedeu ao filho Eduardo, deputado federal (PSL-SP), exibida na tarde deste sábado (19).

"A pandemia, realmente, está chegando ao fim. Temos uma pequena ascensão agora, que chama de pequeno repique que pode acontecer, mas a pressa da vacina não se justifica, disse Bolsonaro, ao afirmar que há uma apreensão injustificada sobre a doença que já matou mais de 180 mil brasileiros. "Você mexe com a vida das pessoas. Vão inocular algo em você. O seu sistema imunológico pode reagir ainda de forma imprevista", comentou.

Bolsonaro fez ilações ainda sobre "interesses" nos R$ 20 bilhões previstos para comprar as vacinas, sem dar nenhum detalhe. "Tem muita coisa ainda que está em segredo. Não quero externar aqui, porque a imprensa vai usar contra mim. Mas o interesse é muito grande nesses R$ 20 bilhões para comprar essa vacina", declarou ao filho. "Não há guerra ou politização da minha parte. A gente espera uma vacina segura. A própria China... não temos informações de vacinação em massa por lá", afirmou.

Sem citar nomes, mas claramente se referindo ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB), Bolsonaro disse que também não tem pressa de gastar os recursos. "Não tenho pressa de gastar dinheiro não. Nossa pressa é salvar vida, não é gastar não. É muito suspeita essa pressa em gastar R$ 20 bilhões em vacina", disse.

Apesar de não haver como uma vacina ser utilizada no Brasil sem passar pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Bolsonaro disse que é preciso aguardar o aval da agência reguladora. "Você não pode, sem que passe pela Anvisa, sem que tenha certificação da Anvisa, você botar a vacina no mercado. Isso é uma irresponsabilidade. Lógico, tendo uma vacina comprovada, a gente vai comprar e vai distribuir para todo o Brasil e aquele que quiser voluntariamente se vacinar, poderá fazer."

Governo fez mais do que sua parte na pandemia, disse presidente

O presidente afirmou que o governo federal "fez mais do que sua parte" na atuação de combate à pandemia do novo coronavírus e que o Executivo "garantiu a economia e empregos", mantendo obras mesmo com menos recursos e com a regra do teto de gastos.

"Final do ano passado, a previsão era crescer no trimestre 2,5%, tínhamos previsão no mínimo de 4%, mas infelizmente veio a pandemia, lutamos com a pandemia e orçamento bastante reduzido, tendo em vista a lei do teto, mas governo no meu entender foi bem, garantiu empregos, manutenção de obras, com menos recursos, Brasil estava indo muito bem", disse Bolsonaro, segundo quem o Brasil pode terminar o ano "talvez" com nível de emprego muito próximo ao do final de 2019.

Já tendo chamado o coronavírus de "gripezinha", o presidente afirmou que a "questão da pandemia" foi uma tragédia e que o Brasil teve de conviver com a doença.

"Estamos sobrevivendo. Os números têm mostrado que o Brasil em mortes por milhão de habitantes está cada vez mais abaixo do topo do número de mortes", disse, atribuindo a situação ao "tratamento precoce" para combater o vírus. Bolsonaro é defensor da cloroquina para o tratamento do covid-19, mesmo não havendo comprovação científica sobre a eficiência do remédio para combater o novo vírus.

Com pouco mais de 168 mil mortes, o Brasil é o segundo país em número absoluto de óbitos causados pelo coronavírus, atrás apenas dos Estados Unidos (252 mil mortos). Em termos relativos, no entanto, o Brasil é o oitavo do ranking, com 791 mortes por milhão de habitantes, atrás de São Marinho, Peru, Andorra, Espanha, Argentina, Reino Unido e Itália.

86 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]