Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Ciro Gomes segura a Constituição e a Bíblia em vídeo divulgado em suas redes sociais.
Ciro Gomes segura a Constituição e a Bíblia em vídeo divulgado em suas redes sociais.| Foto: Reprodução/Twitter

O ex-ministro e ex-governador Ciro Gomes (PDT), pré-candidato a presidente, postou na segunda-feira (21) um vídeo em suas redes sociais em que segura a Bíblia em uma mão e a Constituição na outra. "O Brasil é uma República laica, ou seja, o Estado tem vida independente das igrejas, e as igrejas têm vida independente do Estado. Mas esses livros não são conflitantes", diz Ciro.

Na mensagem de pouco mais de dois minutos, Ciro afirma ainda que o Brasil "se formou no berço do cristianismo" e que dois aspectos da mensagem cristã “devem falar fundo no coração de qualquer brasileiro”: o da “superação” e o da “solidariedade”.

“Cada um de nós, criado à imagem e semelhança de Deus, carrega dentro de si a centelha de uma vida maior”, diz o presidenciável, acompanhado de uma trilha sonora que remete à música sacra, com sons de sino, coral e órgão. “Estamos todos profundamente ligados por vínculos invisíveis. Portanto, só conseguiremos ficar maiores se ficarmos maiores juntos. O Brasil é vitalidade, é pujança. O que o coração brasileiro quer é ver essa pujança, essa força, esse vigor, casados com amor, ternura e outros valores espirituais”, acrescenta.

Postura de Ciro Gomes foi alvo de críticas

Nos comentários da postagem, internautas acusaram Ciro Gomes de hipocrisia e oportunismo eleitoreiro.

Entre figuras mais célebres, o pastor Silas Malafaia foi um dos primeiros a atacar o vídeo. “Povo abençoado do Brasil, começou a temporada da mentira, do cinismo e da safadeza política”, disse no vídeo. “Pensa que pode enganar os evangélicos”, escreveu no Twitter.

A reação tem a ver com o fato de que Ciro Gomes raramente manifestou, ao longo de sua carreira política, afinidade com movimentos religiosos. Ao ser questionado sobre sua religião, ele costuma ser vago. Em 2008, quando foi perguntado diretamente sobre o tema pela Folha de S. Paulo, ele disse que tem “uma crença em Deus” e que admira São Francisco de Assis.

“Admiro a figura de São Francisco de Assis. Tenho uma crença em Deus. Crescentemente discordo da ritualística em que o amor a Deus deve ser materializado. Exemplos: o neopentecostalismo nos EUA, essa ideia de intromissão em nome de Deus no mundanismo da vida social, um garoto acreditar que vai para o paraíso se imolando, matando inocentes. É uma tragédia”, afirmou à Folha.

Adeptos de outras religiões também criticaram a peça publicitária de Ciro. “Valores e ética não são exclusividade do cristianismo não, Cirão. Dá pra falar disso tudo sem meter um cristianismo no meio…”, disse uma internauta.

O que Ciro Gomes já falou sobre o cristianismo

As acusações de hipocrisia se devem não só à falta histórica de proximidade de Ciro com os cristãos, mas também a algumas de suas declarações passadas relacionadas ao cristianismo.

Uma das mais polêmicas é a de uma palestra sua de 2017 no Brazil Forum UK. Um membro da audiência pergunta se ele quer a estatização de empresas. Ciro responde: “Não, não quero estatização nenhuma. Eu quero o controle social. E o fim da ilusão moralista católica. O fim da ilusão. A humanidade precisa de controle. Não adianta alguém imaginar que um anjo vingador vai descer do Céu, estalar o chicote e resolver o problema nacional brasileiro. Não vai”.

Uma ponderação deve ser feita sobre essa fala, que foi tirada do contexto quando viralizou nas redes sociais: o ex-ministro estava comparando Brasil e Estados Unidos quanto às visões que cada país tem sobre a relação entre poder econômico e poder político, e usou a expressão “moral luterana” para se referir à visão norte-americana, e “moral católica” para se referir ao contexto brasileiro. A plataforma #TodosComCiro, que promove uma campanha pelo projeto de Ciro para a Presidência do Brasil, faz em sua seção “anti fake news” uma ponderação detalhada sobre o contexto dessa declaração.

Embora raramente fale sobre suas convicções religiosas, Ciro Gomes começou a abordar o tema da utilidade social da religião em diversas entrevistas a partir de 2018. A noção de que a religião cumpre um papel de pacificação das comunidades pobres, por exemplo, é frequente em declarações suas mais recentes, principalmente depois da eleição de Bolsonaro.

“Ai do nosso povo se não fossem as igrejas evangélicas! A Igreja Católica tem o seu papel. Mas, modernamente, os pastores que estão na periferia de Fortaleza cumprem um papel de ajudar o poder público a recuperar jovens das drogas que ninguém sabe fazer”, disse em julho de 2020 à emissora TVMaster, da Paraíba.

Em outra entrevista de 2020, ao programa Canal Livre, da TV Band, Ciro afirmou que as igrejas neopentecostais estão “fazendo uma mitigação essencial na falência do Estado brasileiro”. “Sabe para quem que [a mão desesperada de] um garoto que está devendo para o traficante de droga e que vai morrer depois de amanhã está indo pedir dinheiro? Para o pastor. Sabe quem está fazendo encontro para o desempregado que ainda não caiu no mundo da droga, para ir para o mercado de trabalho? É o pastor”, disse.

No seu canal do YouTube, Ciro também tem demonstrado a intenção de se aproximar dos evangélicos. Em 2020, ele convidou o pastor Alexandre Gonçalves para uma live com o tema “Fé e política”. “A intuição do divino, a intuição da transcendência da alma humana, a intuição de Deus é uma presença em todas as quadras da história da humanidade”, afirmou no começo da conversa.

A posição do presidenciável do PDT sobre aborto e a agenda LGBT

É frequente que Ciro Gomes seja questionado por meios de comunicação sobre seu posicionamento em pautas de costumes, e dois assuntos costumam ser suscitados junto com o tema da religião: o aborto e as causas LGBT. Ciro é favorável à legalização do aborto e à união entre homossexuais.

Em 2017, em entrevista à BBC, Ciro afirmou que respeita “a sociedade brasileira como ela é”, mas logo depois chamou a Igreja Católica de “criptoconservadora”. A fala se deu num contexto em que o jornalista questionava Ciro sobre seu posicionamento em questão de costumes. “Temos uma igreja católica que é extremamente solidária com os pobres, mas extremamente criptoconservadora nesses termos de costumes. O chefe de Estado tem que entender isso, tem que compreender e respeitar isso. Mas, evidentemente, ninguém vai contar com minha opinião para estigmatizar seja quem for diferente, seja por qual razão”, disse.

Numa entrevista de 2017 ao jornal El País, Ciro também foi questionado sobre as dúvidas da esquerda identitária em relação a sua opinião sobre pautas como as dos grupos LGBT e das feministas. O político disse que não quer ser um “esquerdista guru de costumes” e que foi alertado para não cair nessa lógica por “muita gente boa”.

“Eu me esforço para ser um estadista. Eu não quero ser um esquerdista guru de costumes. Percebi, de um tempo para cá, que um presidente da República não é um guru de costumes. Muita gente boa me alertou disso. Qual é minha opinião sobre a união homoafetiva? Considero justa toda forma de amor para usar o verso do grande Lulu Santos. E a comunidade LGBT do Ceará me conhece de perto. Muito de perto. Muito. Apoio financiamento para concurso miss gay, tudo! Zero problemas! Muito recentemente fui num show lá numa boate gay, maravilhoso”, afirmou.

Sempre que questionado sobre o aborto, Ciro tem uma resposta política na ponta da língua: começa enfatizando a gravidade do aborto, acenando ao público pró-vida, para depois reproduzir ideias de defensores da legalização do aborto, como a noção de que o bebê seria meramente uma parte do corpo da mulher e que, por isso, a mulher deveria ter aval do Estado para tomar qualquer decisão relacionada ao bebê, inclusive a de tirar sua vida.

Em outubro de 2010, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, ao comentar o uso político, nas eleições de 2010, da opinião da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) sobre o aborto por parte de apoiadores do então concorrente à Presidência José Serra (PSDB-SP), Ciro disse que os tucanos estavam trazendo “em socorro de sua débâcle eleitoral a calhordice da mistificação religiosa”. “É grave para o país. O Brasil tem uma tradição que o mundo inteiro admira, que é a tolerância religiosa, é o Estado laico. Aí a imundície está tomando conta, essa coisa do ódio religioso, da intolerância trazida para a política”, afirmou sobre o assunto.

Sobre o mesmo tema, ele ainda disse: “A questão é posta em si em termos calhordas, desonestos. Ninguém é a favor do aborto. Isso é um assunto da intimidade da mulher, da família, de seu conjunto de valores morais, éticos, religiosos e uma ação de saúde. Essa é a única discussão possível. O presidente da República tem zero poder nesse assunto. Só quem pode regulamentar esse assunto é monopolisticamente o Congresso”.

Em 2002, em uma entrevista veiculada na MTV, Ciro disse que “o aborto é uma tragédia humana, é morte”, mas também afirmou que “esse é um assunto da mulher, da família e não da política, do governo e, muito menos, da polícia”.

Em 2008, à Folha de S.Paulo, a resposta foi na mesma linha, começando com uma ênfase na gravidade da prática para depois reproduzir argumentos pró-aborto: “O aborto é um mal. Ponto. Para os religiosos, um pecado. Para uma jovem, uma tragédia. Criminalizar o drama de uma jovem pobre que engravidou de forma imprudente, incauta, ou porque lhe faltaram contraceptivos, só produzirá mais aborto, mais violência. O aborto deve ser uma decisão da mulher. O Estado não tem nada a ver com essa decisão”.

Em 2017, em entrevista ao jornal El País, Ciro disse que “o corpo da mulher a ela pertence, não é assunto de Estado, portanto o aborto é uma questão de saúde pública”.

94 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]