i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ministra da Mulher

Funai terá guarda compartilhada com “papai Moro”, diz Damares

  • PorLeonardo Desideri, especial para a Gazeta do Povo
  • Brasília
  • 22/07/2019 19:25
A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), Damares Alves, apresenta balanço das ações das oito secretarias nacionais que compõem o ministério e a Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos nos 200 dias do governo.Brasília - E/D. Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, e o secretario executivo do ministerio, Sergio Carazza
Ministra Damares Alves fez um balanço dos 200 dias de sua gestão no comando da pasta.| Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

A ministra Damares Alves afirmou, nesta segunda-feira (22), que o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos continuará colaborando com o trabalho da Fundação Nacional do Índio (Funai), que foi transferido para o Ministério da Justiça e Segurança Pública, de Sergio Moro.

"A Funai voltou para o papai Moro, mas a gente fez um acordo de guarda compartilhada. Nós vamos continuar cuidando dos índios do Brasil, ajudando o ministro Moro na promoção de políticas indígenas", disse Damares, durante evento em que apresentou as principais realizações do ministério em 200 dias de gestão. Representantes das oito secretarias que compõem a pasta estiveram presentes.

A Funai voltou para a pasta da Justiça após o Congresso apresentar uma emenda à medida provisória da reforma ministerial do governo Jair Bolsonaro, que foi aprovada em maio.

No início de sua fala no evento, a ministra comemorou que a assessoria internacional do ministério conseguiu resolver pendências do Brasil com órgãos internacionais que já duravam 17 anos, entregando relatórios acumulados ao longo desse tempo. "A gente podia ir a um forró para comemorar... Sem a imprensa, por favor", brincou a ministra.

Damares também anunciou no evento a criação de um gabinete do ministério na Ilha de Marajó, no Pará, região com um dos piores índices de desenvolvimento humano do Brasil e que inclui o município com menor IDH do país: Melgaço (PA). A região enfrenta graves problemas de exploração sexual infantil e, segundo a ministra, alto número de incestos. "Soubemos de pais que tiveram filhos com a própria filha e agora estão explorando as netas", contou Damares. "Alguns dizem: 'mas é cultural, o problema da Ilha de Marajó é cultural'. O povo local rejeita essa afirmação. Pedofilia e exploração sexual não são cultura de lá."

Para tentar solucionar esses problemas, o governo lançará o programa "Abrace o Marajó". Além de atuar para combater a exploração sexual de crianças e adolescentes e a violência contra a mulher, o programa buscará parcerias com empresas para melhorar as condições sociais da região. Uma das parcerias, segundo a ministra, começou hoje: a Caixa Econômica acaba de levar o programa Minha Casa Minha Vida à região.

O projeto é uma das tentativas do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos de promover ações com impactos concretos, algo que, para Damares, é um diferencial em relação a gestões anteriores da pasta. "No passado, o ministério ficava muito no trabalho de direitos. Esse nosso ministério agora vem também executando. Não ficamos só na articulação. Também estamos fazendo muitas ações. Acabamos sendo um ministério finalístico."

Violência contra a mulher

Uma das áreas mais destacadas durante o evento foi a de prevenção da violência contra a mulher, sob responsabilidade da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres. O Programa Mulher, Viver Sem Violência, que foi criado na gestão Dilma Rousseff e existe desde março de 2013, foi reformulado para se tornar mais eficiente. O governo espera que as Casas da Mulher Brasileira – centros de atendimento e apoio para mulheres que sofrem violência física – sejam instaladas nos municípios de forma menos burocrática.

No mesmo âmbito, a ministra destacou a campanha "Eu Respeito as Muié", um trabalho de conscientização para prevenir abusos em festas juninas e outros grandes eventos.

Outro toque de eficiência, segundo Damares, se deu no Disque 100, o "pronto-socorro" de temas relacionados a direitos humanos, que serve para denunciar, por exemplo, casos de abuso, violência doméstica e ataques por discriminação. "Quando a gente chegou aqui [no ministério], as pessoas passavam 60, 70, 80 minutos sem ser atendidas. Hoje, é imediato. Quem está denunciando, às vezes, só tem aquele instante para falar. A gente não podia ficar à mercê de um serviço tão ruim."

Igualdade Racial

Durante os 200 primeiros dias de governo, a Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial promoveu 41 treinamentos a órgãos e conselhos voltados a políticas de promoção de igualdade racial. Também abriu um edital para apoiar financeiramente os Núcleos de Estudos Afro-Brasileiros (NEABs), com parceria do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Um valor total de R$ 890 mil será disponibilizado a projetos na área.

Em parceria com o Programa Cisternas, a Secretaria pretende resolver o problema de falta de água de 3.757 famílias de comunidades tradicionais e quilombolas do semiárido brasileiro. Uma das primeiras comunidades quilombolas atendidas será a dos Kalunga, localizada em Cavalcante (GO), que receberá a implementação de 140 cisternas.

A ministra afirmou que o ministério está "trazendo à luz os invisíveis" e concluiu seu discurso dizendo: "O estado é laico, mas eu preciso falar: eu louvo a Deus por este ministério."

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • R

    Rafael Triaquim

    ± 4 horas

    Este é um momento em que a imprensa precisa focar mais em notícias boas assim. Cobrar nossos governos por boas notícias, seja ele municipal, estadual ou federal, e porque não o judiciário e legislativo. Chega de mimimi e tititi Gazeta !

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]