i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Aposentadoria

Nova Previdência: as regras que só entram em vigor no ano que vem

  • PorJéssica Sant'Ana
  • Brasília
  • 13/11/2019 21:28
Nova Previdência: as regras que só entram em vigor no ano que vem
| Foto: Marcelo Andrade/Arquivo/Gazeta do Povo

A reforma da Previdência foi promulgada na terça-feira (12), em sessão solene do Congresso, e no dia seguinte as novas regras de aposentadoria e pensão foram publicadas no Diário Oficial da União (DOU), entrando oficialmente em vigor. Mas há regras que terão de passar por um período de “noventena”, por envolver mudanças de tributos, e, por isso, só entrarão em vigor no ano que vem.

É o caso das novas alíquotas de contribuição, isto é, dos porcentuais que serão descontados do salário do trabalhador e repassados ao INSS. Elas só vão entrar em vigor “a partir do primeiro dia do quarto mês subsequente ao da data de publicação” da emenda à Constituição da reforma da Previdência. Ou seja, só vão começar a valer a partir de 1º de março de 2020, tanto para o INSS quanto para os servidores públicos federais. Até lá, o desconto no contracheque dos trabalhadores continuará sendo o mesmo.

Atualmente, são três alíquotas de contribuição à Previdência no regime geral (INSS, inciativa privada). É descontado do trabalhador 8% sobre quem recebe até R$ 1.751,81, 9% para que ganha entre R$ 1.751,82 e R$ 2.919,72 e 11% para quem recebe acima de R$ 2.919,72, limitado ao teto do INSS (hoje em R$ 5.839,45). No caso do regime próprio, válido para os servidores federais, a alíquota é sempre de 11% e, dependendo do ano de entrada do funcionário, o desconto incide até o limite do teto do INSS ou sobre todo o vencimento.

Com a reforma aprovada, a partir de março, as alíquotas de contribuição vão mudar para todos os trabalhadores da iniciativa privada e servidores públicos federais, variando conforme a faixa salarial. Tal como ocorre no Imposto de Renda, elas serão progressivas. Sobre cada parcela do salário será descontado um porcentual, que crescerá conforme a renda do trabalhador.

No INSS, as alíquotas efetivas – isto é, o quanto efetivamente será descontado do salário total do profissional – partem de 7,5% (para quem ganha até um salário mínimo) e chegam a 11,68% (para quem ganha igual ou acima do teto do INSS). No caso dos servidores públicos federais, partem de 7,5% (para quem ganha até um salário mínimo) até 16,79% (para quem ganha acima de R$ 39 mil).

INFOGRÁFICO: Entenda como serão calculadas as novas alíquotas de contribuição à Previdência

Alíquota do tributo sobre os bancos só sobe em março

Outra regra que só entrará em vigor a partir de março é o aumento da alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) paga pelos bancos. O imposto passará dos atuais 15% para 20%. Ele é usado integralmente para financiar a Previdência Social e a majoração foi uma forma encontrada pelos deputados para compensar desidratações feitas no texto original, enviado pelo governo.

As novas alíquotas de contribuição à Previdência e a nova alíquota de CSLL para os bancos só entram em vigor depois, segundo consultores legislativos consultados pela Gazeta do Povo, devido ao princípio da “noventena”. Esse princípio estabelece que qualquer majoração ou instituição de tributo precisa de um prazo de, no mínimo, 90 dias para entrar em vigor. O objetivo é dar ao contribuinte tempo para adequar à nova legislação.

As demais regras de aposentadoria e pensão entraram em vigor imediatamente, a partir da sua publicação no DOU. Ou seja, já estão valendo. É o caso da idade mínima, das regras de transição, da nova metodologia de cálculo do benefício, das novas regras de pensão e acúmulo de benefícios, das novas regras de aposentadoria especial, entre outros.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • E

    Eden Lopes Feldman

    ± 2 dias

    Simplesmente a lógica é inquestionável: ganhou mais, paga mais. isto é a verdadeira justiça social, a do capitalismo, e não aquela do socialismo. Que existe no imposto de renda, como forma de compensar a tributação sobre o consumo. Igual para todos.A verdade é que quando alguém é subsidiado, outro paga.E normalmente os mais pobres são os que mais contribuem.Estas novas alíquotas estão corrigindo esta distorção.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • W

      WILMAR J G SANTOS

      ± 2 dias

      Eu penso que para ser justo, um sistema tributário deveria ter alíquotas iguais. Quem ganha mais, pagaria mais, da mesma forma. Ganhando mais ou ganhando menos, todos temos que andar pelas mesmas ruas, usar as mesmas ambulâncias do SAMU e ser protegidos pelos mesmos policiais.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • M

      Marcelo Santos

      ± 2 dias

      O Sr. está completamente equivocado, Sr. Eden. Justiça Social se faz com orçamento fiscal. Aquilo que o governa arrecada de impostos. Previdência é outra coisa. Cada um deveria receber pelo que contribuiu. Simplesmente não é justo que para receber 1.000 de aposentadoria, alguns tenham que pagar 100 e outros 150. Isso é injustiça social. Distribuição de renda não se faz com dinheiro de previdência.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]