Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Tecnologia
  3. Smartphone vai fazer exame de vista

Inovação

Smartphone vai fazer exame de vista

Com uma lente barata e um software apropriado, aparelho pode ser usado como auxiliar para serviços médicos. Objetivo do desenvolvedor é o uso em países em desenvolvimento

  • Agência Estado
Vitor Pamplona demonstra o “Eyephone”: adaptação simples permitiria uso do celular para exames complexos |
Vitor Pamplona demonstra o “Eyephone”: adaptação simples permitiria uso do celular para exames complexos
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Smartphone vai fazer exame de vista

São Paulo - Uma lente de US$ 1 que, ligada a um smartphone qualquer, faz complexos exames de vista em menos de dois minutos – e sem a necessidade da presença de um médico especializado. Ao final do teste, um aplicativo mostra o seu problema na tela do celular.

Foi essa a invenção que garantiu ao estudante catarinense Vitor Pamplona o segundo lugar no MIT Ideas, uma competição de ideias inovadoras para o serviço público. “Você consegue fazer o teste sozinho. Ele detecta miopia, hipermetropia e astigmatismo”, explica.

Cursando o doutorado em computação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Vitor Pamplona é desde outubro um dos pesquisadores visitantes do Media Lab do Massachusetts Institute of Technology (MIT). Um mês depois de sua chegada, começou o projeto da Netra (ou EyePhone, como a revista Fast Com­­pany apelidou a lente). A ideia era fabricar um equipamento oftalmológico com materiais acessíveis para todos.

Para desenvolvê-lo, ele contou com a ajuda de seu orientador, o professor Manuel de Oliveira, e também com sugestões de Ankit Mohan e Ramesh Raskar, acadêmicos do MIT. Já em janeiro deste ano, os primeiros testes já haviam sido finalizados e o projeto aceito para a Siggraph, a maior conferência do mundo de computação gráfica.

No programa usado com o equipamento, o usuário vê duas linhas: uma vermelha e uma verde. No atual protótipo, elas são projetadas em diferentes ângulos e a tarefa do paciente é movê-las, com os botões do smartphone, até que se sobreponham. Se o usuário possuir uma visão perfeita, as linhas já estarão sobrepostas e ele não precisará fazer nada. Em casos de miopia, astigmatismo ou hipermetropia, elas estarão separadas – e cabe ao software identificar o problema e quantos graus o óculos terá.

Como a Netra é um dispositivo médico, é necessário fazer uma série de testes e obter certificados internacionais para que ele possa começar a ser vendido. “Os próximos passos são os testes clínicos lado a lado com os equipamentos oftalmológicos profissionais. Para nós, é muito mais importante mapear os casos de falha do que os de sucesso”, diz o brasileiro.

O inventor conta que o seu fascínio pela área surgiu conforme se aprofundava no assunto. “Ao contrário do que se pensa popularmente, ainda há muito o que pesquisar no sistema visual. Como a minha formação é em computação, eu posso ajudar outros pesquisadores e profissionais criando novas tecnologias e melhores meios de extrair informações do corpo humano.”

Seu objetivo é levar a tecnologia para lugares onde a oftalmologia é cara, rara ou inexistente, como áreas pobres da África, da Índia e do Brasil. Nesses três lugares, celulares não faltam. “Há boas propostas surgindo para a popularização da medicina. Pa­­lavras-chave como Saúde 2.0 e Me­­dicina Participativa vieram para ficar”, acredita.

O equipamento criado pela equipe tem justamente esse espírito: democratiza os exames, que podem ser feitos por um agente local ou pelo próprio paciente. Habitantes de pequenas cidades e vilarejos poderiam se tornar provedores de saúde, participando de alguns treinamentos.

Vitor não pensa em ocupar o lugar do oftalmologista, mas oferecer mais uma ferramenta para o trabalho deles em lugares em que não há equipamentos ou onde há poucos médicos. “Quero facilitar o acesso à informação médica para a população.”

“No passado, para tirar uma simples fotografia era necessário ir a um especialista treinado em operar um dispositivo caro, complexo e sensível. Hoje em dia, todos possuem uma câmera no bolso, mas a profissão de fotógrafo ainda existe e continua sendo lucrativa. Dá para fazer uma ana­­logia. Daqui a cinquenta anos, grande parte dos testes talvez já possam ser feitos em casa e apenas a parte importante precisará do auxílio de especialistas”, diz Vitor.

Para popularizar sua invenção, ele e os outros desenvolvedores criaram a PerfectSight, o braço comercial do projeto, que pretende vender o dispositivo no mundo todo. “Podemos mudar a vida de muitas pessoas com um dispositivo barato assim.”

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE