Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

Doação

Filantropia, uma fortuna de todos

Doações feitas por bilionários do mundo todo se revertem em investimento para centros de pesquisa, universidades e bibliotecas

  • Ellen Miecoanski
Bill Gates, Eike Batista e Warren Buffett: bilionários norte-americanos são mais mão aberta que os brasileiros |
Bill Gates, Eike Batista e Warren Buffett: bilionários norte-americanos são mais mão aberta que os brasileiros
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A filantropia praticada pelos homens mais ricos do planeta tem mudado a realidade de muitas comunidades e transmitido a mensagem de que a preocupação com o outro pode conviver com a necessidade de acumular bens. No Brasil, quem reparte fortunas o faz por meio de fundações e institutos ligados às empresas. Nos países anglo-saxões, à cultura de compartilhar soma-se uma legislação que cobra altos impostos sobre heranças, o que estimula que altas somas de dinheiro sejam destinadas para a criação e manutenção de universidades e bibliotecas.

Embora não existam dados consistentes sobre doações no Brasil, o Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (Gife), rede sem fins lucrativos que reúne 142 investidores sociais, elaborou um censo para dimensionar o investimento social do país. O resultado: R$ 1,9 bilhão foi aplicado em diversas áreas sociais, culturais e ambientais em 2009.

A gerente de relacionamento da Gife, Ana Carolina Velasco, diz que entre os grandes investidores privados do país há dois grupos que se destacam: o de fundações familiares e as empresariais. “São poucos os registros de grandes bilionários que doam como pessoa física. A formação de fundações e institutos é o recurso mais procurado.”

Para a coordenadora do Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre o Terceiro Setor (NITS) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Ana Lúcia Jansen Santana, os brasileiros ricos, enquanto pessoas físicas, não são mesmo filantropos. “Há algumas explicações para isso, a mais importante delas o fato de a legislação fiscal brasileira não estimular a doação de recursos para a filantropia: a lei brasileira limita a doação de recursos para fins sociais.”

Ela explica que as doações dos “ricaços” brasileiros obedecem ao critério de apoiar entidades sérias e seus projetos, ou de instituir fundações próprias, como aponta os dados do Gife. Um dos bilionários mais conhecidos no país e o número 7 na lista da revista norte-americana Forbes é Eike Batista. Dono de uma fortuna de 30 bilhões de dólares, Eike doou entre 2006 e 2011 cerca de R$ 253 milhões, grande parte disso pelas empresas do Grupo EBX.

No mundo

Se os donativos de Eike estão acima da maioria das doações dos brasileiros, o conceito de filantropia em outros países do globo ganham números ainda maiores. Bilionários como Bill Gates e Warren Buffet destinam grande parte de suas fortunas para instituições, universidades e bibliotecas. Só no caso de Buffet, por exemplo, serão 44 bilhões de dólares destinados à fundação de Gates e a outras iniciativas.

Além dos altos impostos, a explicação para essa diferença em termos de valores, segundo Ana Lucia, também se deve a especificidades culturais: “no caso brasileiro é baixo o grau de associativismo, decorrente de razões culturais e econômicas, do próprio processo de formação histórica da nação e da grande desigualdade socioeconômica. Nos países anglo-saxões o cidadão se percebe partícipe do desenvolvimento do seu país e com naturalidade realiza a doação de recursos financeiros e materiais para contribuir com objetivos sociais elevados”.

* * * * *

Bilionários

Doações na casa dos bilhões ajudam a transformar histórias no Brasil e no mundo. Veja a seguir algumas delas:

Eike Batista

O homem mais rico do Brasil e o sétimo do mundo na lista da revista Forbes é dono de um patrimônio de 30 bilhões de dólares. Ele afirmou que em 2011 fez contribuições pessoais ou por meio de suas empresas que chegaram a R$ 91 milhões. Todas as solicitações de doação passam pelo Instituto EBX, braço do grupo formado por mais 13 empresas.

Jorge Paulo Lemann

Empresário do ramo de bebidas, é o quarto brasileiro mais rico segundo a lista da Forbes, com uma fortuna estimada em 12 bilhões de dólares. Em 2002 criou a Fundação Lemann, que busca melhorar a qualidade da educação pública no Brasil. Em 2009 o orçamento da fundação era de 3 milhões de dólares.

Gastão Eduardo de Bueno Vidigal

Falecido em 2011, o banqueiro e industrial paulista criou em 1965 a Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal em homenagem à filha morta aos 13 anos vítima de leucemia. A instituição tem projetos sociais e apoia pesquisas na área de primeira infância.

Bill Gates

O fundador da Microsoft é o segundo homem mais rico do mundo, com uma fortuna estimada em 61 bilhões de dólares. Em 2000, junto com sua esposa criou a Bill & Melinda Gates Foundation, uma organização filantrópica que promove pesquisas para combater a pobreza extrema e os problemas de saúde dos países em desenvolvimento.

Warren Buffett

O investidor é dono de 44 bilhões de dólares. Em 2006 prometeu que doaria a maior parte de sua fortuna – 31 bilhões de dólares – à Bill & Melinda Gates Foundation e mais quatro instituições de caridade criadas por sua família.

o que você achou?

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE