Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

A hora certa de trocar a ração do pet: recusa e diarreia são alguns dos motivos

Nem todas as rações que prometem nutrir 100% o seu animal, cumprem a função. Veja os indícios que mostram que está na hora de trocar o alimento do seu pet e deixá-lo ainda mais saudável

Seu animal de estimação anda rejeitando a comida, o pelo não está tão brilhante ou está evacuando em excesso? Talvez seja o caso de avaliar se não é a hora de trocar a ração que ele está consumindo. Veja razões para trocar a comida do seu melhor amigo.

1 – Crescimento: o filhote cresceu e agora virou adulto, ele vai precisar de rações específicas para esta fase, o que entre os cães varia entre 10 e 16 meses, de acordo com o porte do animal. Entre os gatos, isso acontece após os 12 meses;

2 – Castração: após a cirurgia de castração, o animal costuma gastar menos energia e pode se tornar obeso;

3 – Diarreia: quando o animal apresenta quadros de diarreia de origem alimentar, muitas vezes associados à fonte proteica utilizada.

4 – Fezes: quando o problema é a quantidade e o odor das fezes produzidas, há grande chance de ser em função da qualidade da ração;

5 – Recusa: quando o animal deixa de comer a ração porque enjoou daquele alimento;

6 – Terceira idade: a partir dos sete anos, cães e gatos começam a entrar na terceira idade e precisam de uma alimentação diferenciada. Por isso, recomenda-se adotar rações específicas para essa fase, com grãos mais aerados e fórmulas com mais suplementos.

7 – Saúde: cães ou gatos com problemas de saúde em que a alimentação atua como uma coadjuvante do tratamento médico: problemas renais, cardíacos, anemia, obesidade, entre outros.

8 – Preço: o preço da ração utilizada aumentou muito e ficou inacessível.

Como fazer a troca?

A troca da ração do seu bichinho de estimação deve ser feita sempre com a orientação de um médico veterinário. A nova ração deve ter, no mínimo, a mesma qualidade da que já é oferecida ao bichinho. A transição deve ser feita de forma gradativa para se evitar que o animal tenha episódios de desconforto abdominal, flatulência e diarreia. Portanto, inicia-se 75% da dieta antiga e 25% da dieta nova nos dois primeiros dias. Depois, passa para 50% da dieta antiga e 50% da nova. Em mais dois a três dias, aumenta a proporção da dieta nova. Nestes primeiros dias, é fundamental observar se o pet aceita a nova comida e se acontece algum imprevisto em decorrência da alimentação nesse período.

Frutas 

Frutas como banana, maçã, melancia, morango, melão, pera, manga, laranja e abacaxi podem ser oferecidas aos animais domésticos, eventualmente, como petiscos. As frutas são ricas em fibras e isso ajuda no funcionamento do intestino do animal. Em excesso, porém, podem causar irritação gástrica, diarreia e até ganho de peso.

Fonte: Daniele Cristina de Lima, zootecnista, mestre em Ciências Veterinárias e aluna do doutorado de Zootecnia da Universidade Federal do Paraná (UFPR); Thais Andrade Costa Casagrande, doutora em Ciê
ncias, com ênfase em Cirurgia Veterinária, e coordenadora do curso de Medicina Veterinária da Universidade Positivo (UP).

LEIA TAMBÉM

8 recomendações para você

Deixe seu comentário