(Crédito: Big Stock)
(Crédito: Big Stock)| Foto:

Trovões, chuva, fogos de artifícios, crianças, carros. A lista de coisas que podem levar um cão a ter medo  é grande. Independente da causa, porém, é importante que o dono identifique o quanto esse medo pode afetar a vida do animal para saber se o bichinho precisa de ajuda. “Se um cachorro tem medo de fogos de artifício e, depois dos fogos, ele voltar ao [comportamento] normal, é tranquilo. Por outro lado, se ele tentar pular a janela, ou parar de comer, ficar agressivo, daí é preocupante”, diz o zootecnista especialista em comportamento animal e professor da PUCPR Paulo Parreira.

Se esse for o caso, o cachorro pode precisar passar por um tratamento de dessensibilização. “A dessensibilização consiste em expor o indivíduo ao estímulo [que causa medo], mas abaixo do limiar de resposta”, explica o especialista em adestramento da Petness, Rafael Wisneski. Se o cão tiver medos de outros animais, ele deverá ser apresentado a estes bichos a uma distância que não provoque reações e com algum estímulo positivo (um carinho ou petisco, por exemplo). Aos poucos, essa distância vai sendo diminuída até que o cão consiga conviver com outros animais.

A técnica também é recomendada quando o estímulo do medo está muito presente na vida do animal. “Eu atendi um cachorro de pelo longo que tinha medo de secador de cabelo. O que orientei ao dono? Que reapresentasse o secador desligado ao cão e, antes de ele expressar qualquer tipo de medo, dar algum petisco. Depois, ele deveria ficar com o cachorro na sala e ligar o secador no banheiro, ao mesmo tempo fazendo um carinho, dando um petisco. Até chegar no ponto em que ele consegue ligar o secador perto do animal”, exemplifica Parreira.

O método é semelhante ao utilizado para curar fobias humanas e a duração do tratamento varia de caso para caso. Conforme os especialistas, apesar de se trabalhar pela superação da fobia, por vezes ela não é alcançada. Desde que o animal aprenda a controlar o medo, no entanto, o resultado é considerado positivo.

Hora da crise

Mesmo em casos “mais controlados” – ou seja, quando o animal tem crises na hora em que está exposto aos estímulos que causam a fobia, mas depois volta ao comportamento normal – o momento da crise requer alguns cuidados especiais do dono.

Os especialistas divergem quanto à necessidade de acolhimento que o cachorro tem naquele momento. Para Wisneski, oferecer carinho ao cão neste momento não vai reforçar o medo ou comportamentos inadequados. Ele diz que é justamente o afago do dono que vai “trazer um reequilíbrio emocional para o cachorro”. O professor da PUC acredita, no entanto, que o melhor é “agir natural e tranquilamente”, porque o medo, principalmente no filhote, será alimentado pela sua reação.

Contudo, algum conforto pode – e deve – ser oferecido ao animal. “Se com chuva ou fogos você sabe que ele vai correr para baixo da sua cama, você pode deixar ali um pote de água e um cobertor”, diz Parreira, que recomenda que o cão seja deixado onde quer que tenha escolhido se esconder (desde que não haja perigo para ele), para evitar que ele tenha reações agressivas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]