Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Bicho também tem dor de dentes

Cães e gatos têm problemas odontológicos semelhantes aos de humanos. O simples hábito de prestar mais atenção em seu animal de estimação pode identificar o problema e facilitar o tratamento

Se você não costuma cuidar da higiene bucal de seu cão ou gato e ele tem mau hálito, é bem provável que seu bichinho tenha tártaro e até dor de dente. Por mais que passe despercebida, a dor que eles sentem é semelhante a dos humanos e, na maioria das vezes, não é tratada como deveria. “Normalmente os proprietários só percebem quando o problema já está em estágio avançado, quando o animal tem mau hálito, por exemplo”, diz Maria Izabel Ribas Valduga, médica veterinária proprietária da clínica Odontocão.

Quando sentem dor de dente os animais não choram, mas dão sinais e mudam de comportamento. “Uma coceira insistente no rosto, falta de apetite ou períodos de prostração podem significar sofrimento. Após os tratamentos, os proprietários sempre relatam uma melhora visível na qualidade de vida do animal, que volta a comer mais e a brincar”, afirma Sousa.

Para facilitar a identificação da doença, os exames de rotina devem incluir a observação dos dentes e a instrução quanto aos cuidados. “É um item básico de orientação em qualquer especialidade veterinária”, diz Sousa. Outros hábitos simples podem evitar que o animal passe por esse problema. “Cuidar da alimentação, não oferecer comidas que não sejam feitas para animais e pedir para que o pet shop escove os dentes do seu bichinho após o banho já ajuda muito”, explica Maria Izabel.

Como surge

Apesar de raramente os animais terem cárie, o tártaro é bem comum. Segundo Maria Izabel, mais de 85% dos cães desenvolvem a doença e com um agravante: cada vez mais cedo. “Não existe mais a idéia de que a doença é comum em animais mais velhos. Até os donos estão se conscientizando. O problema pode aparecer em animais jovens. Já as raças de pequeno porte apresentam mais esses problemas, é um fator relacionado com a genética”, afirma Eros Luiz de Sousa, médico veterinário professor de Medicina Veterinária na Faculdade Evangélica do Paraná (Fepar). Em gatos, a incidência é quase a mesma.

O surgimento e evolução da placa bacteriana acontece pelo acúmulo de resíduos alimentares que ficam retidos e se organizam como uma cobertura gelatinosa, que calcifica com o tempo, formando manchas escuras. A sujeira vai para a gengiva e causa uma infecção que pode levar a perda do tecido de sustentação dos dentes. “Todo processo é doloroso. É uma infecção como qualquer outra”, comenta Maria Izabel.
Rita de Cássia deixa as cinzas da gata  Chaminha em seu quarto. Depois da morte dela, adotou outros gatos e cachorros.

Em estágio avançado, o único tratamento é a extração. No início, uma limpeza com aparelho de ultra-som, aplicação de flúor ou tratamento de canal resolvem. Outra complicação da doença periodontal é uma infecção em órgãos como coração, fígado e rim. “As bactérias têm uma tendência a se instalar nesses órgãos e causar inflamações que, com o tempo, ocasionam perda ou redução das funções”, completa.

8 recomendações para você

Deixe seu comentário