Conselho Veterinário indica eutanásia para cães com leishmaniose

Sintomas vão da alopecia, úlceras, descamações a hiperqueratose no focinho, ao redor dos olhos e orelhas. Doença tem saído do meio rural para as cidades

(Foto: Bigstock)

Antes caracterizada como uma zoonose de áreas rurais, a leishmaniose tem avançado sobre zonas urbanas. Transmitida por mosquito, a doença é grave, mas tem tratamento em humanos.

No caso dos cachorros, restam duas opções ao tutor: encaminhar o animal para eutanásia ou tentar o único tratamento aprovado no país, que é recente e caro. Mesmo no caso do tratamento, a doença é incurável.

> Mosquito transmissor da febre amarela pode infectar cães com doença incurável

O cachorro não transmite diretamente, mas é o principal reservatório da doença, causada por parasita e que chega ao homem pela picada do flebotomíneo ou mosquito-palha. O uso de remédios não autorizados ou de uso humano em animais é proibido, e o veterinário que receitar pode sofrer processo ético-profissional.

Neste mês, o CFMV (Conselho Federal de Medicina Veterinária) reforçou sua defesa pelo cumprimento de portaria de 2008 que normatiza o tratamento da Leishmaniose Visceral Canina e veta métodos alternativos, que não eliminam a infecção ou impedem o ciclo de transmissão.

Tratamento da leishmaniose no Brasil

O tratamento permitido no Brasil não implica cura. O remédio, autorizado pelo governo no fim de 2016, reduz a carga parasitária, a transmissibilidade e ameniza os sintomas no animal, que continua sendo reservatório da doença e precisa monitoramento constante.

O Milteforan deve ser administrado durante 28 dias consecutivos e pode ser novamente necessário após três meses, conforme avaliação do veterinário. O valor vai de cerca de R$ 1.000 a mais de 2.000 o frasco, dependendo da dosagem.

Para Nélio Batista de Morais, presidente da Comissão Nacional de Saúde Pública Veterinária do CFMV, a droga não pode ser considerada uma medida de saúde pública eficaz para a contenção da doença. “O tratamento da leishmaniose visceral é uma questão apenas de proteção individual. Não tem nenhum estudo ainda que possa comprovar algum nível de impacto do tratamento em relação à saúde pública”, diz.

A morte do animal pode ser decretada caso não responda de maneira satisfatória ao medicamento ou o tutor não tenha acesso ao tratamento, que, além dos custos da droga, inclui acompanhamento médico pelo resto da vida – por isso, a guarda responsável é parte da terapia.

O medicamento traz esperança e possibilidade de manter o animal vivo, mas não exclui prevenção –melhor forma de conter a leishmaniose.

Coleira específica e vacina podem evitar a doença e são recomendadas especialmente em áreas onde há maior risco de infecção. Uso de repelentes, telas em canis, limpeza de áreas e eliminação de focos do mosquito também são medidas preventivas.

Sintomas

Os sintomas da leishmaniose nos cachorros demoram cerca de dois anos a aparecer e envolvem sinais dermatológicos, como alopecia, úlceras, descamações, feridas que cicatrizam com dificuldade e hiperqueratose, especialmente no focinho, ao redor dos olhos e orelhas. Crescimento anormal das unhas, ou onicogrifose, também é um sinal comum.

LEIA TAMBÉM

8 recomendações para você

Deixe seu comentário