Clube de assinatura lança caixa de produtos de beleza dedicado às mulheres negras

A AfrôBox é uma empresa criada por mulheres negras, para mulheres negras; operando há quase cinco meses, já entregou mais de 200 caixas de beleza

Graucianna Santos, Bárbara Vieira e Élida Aquino criaram a AfrôBox, o primeiro clube de assinatura de beleza para mulheres negras do Brasil. Foto: Divulgação / Produtora Mó

Assinar uma caixa de beleza é fácil. Difícil mesmo é receber produtos que atendam às especificidades da beleza negra e do cabelo crespo. Foi assim que Bárbara Vieira, hoje diretora operacional da AfrôBox, empreendeu no primeiro clube de assinatura de beleza para mulheres negras e cabelos crespos do Brasil, ao lado das sócias Élida Aquino, Graucianna Santos e Saulo Batista.

Todos os meses, a Afrôbox envia uma caixa com cinco a oito produtos personalizados, de acordo com o perfil de beleza que a própria consumidora cadastra no site. Os valores das caixas variam de R$ 64,90 para uma assinatura única a R$ 52,90, por mês, para a assinatura anual. Nesses preços, o frete está incluso e não é possível escolher os produtos de beleza, já que toda a curadoria é feita pela Afrô.

Os valores, inclusive, estão menores daqueles encontrados no mercado tradicional. Caixas de beleza que não são específicas para o cabelo crespo, por exemplo, variam de R$ 52 a até R$ 260 por mês.

Desde seu lançamento, em dezembro de 2016, a empresa enviou mais de 200 caixas para todo o Brasil. Embora a maior parte das assinantes seja do Rio de Janeiro e de São Paulo, a Afrô entrega em qualquer estado brasileiro.

“Mais do que atender uma demanda de mercado, a AfrôBox tem como objetivo levar empoderamento e autoestima por meio do consumo”, diz Bárbara, uma das sócias proprietárias do negócio. 

Foto de modelos negras com uma caixa da AfrôBox

A caixa personalizada é entregue mensalmente por correio e contém entre cinco e sete produtos. Foto: Divulgação / Thásya Barbosa com modelos Jacaré é moda

“Padrão” esquecido 

Cabelo crespo é diferente de cabelo cacheado ou ondulado, da mesma forma como a pele negra não é única. Mas essas questões nem sempre são levadas em consideração na hora das empresas desenvolverem produtos voltados a esse público, conforme explica Bárbara. “Ainda há o erro constante de nos colocar dentro de um ‘padrão’ de pele e cabelos, quando somos tantas e com uma pluralidade tão bonita”, reforça.

A partir dessa demanda do mercado de beleza surgiu a Afrô, que antes de nascer teve a ideia testada em uma pesquisa de mercado pelas sócias. Dos resultados encontrados pelas empreendedoras, as mulheres negras têm alto grau de escolaridade, gastam um valor considerável com cosméticos e frequentemente estão insatisfeitas com o que está disponível nas prateleiras. “O resultado foi muito diferente da ideia que o mercado de cosméticos tem sobre essas consumidoras”, aponta Bárbara.

Leia mais

Descubra como será o cabelo da mulher brasileira no futuro

6 penteados que provam que cabelo curto não precisa ser sempre igual

Como estimular as meninas a gostarem do próprio cacheado?

8 recomendações para você

Deixe seu comentário