i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde e Bem-Estar

Alzheimer poderá ser diagnosticado por exame oftalmológico

Pesquisadores encontraram uma possível ligação entre os vasos sanguíneos de fundo de olho e a doença neurodegenerativa Alzheimer

  • PorAmanda Milléo
  • 13/03/2019 08:42
Pesquisadores perceberam que os pacientes com Alzheimer têm uma alteração em uma região específico da retina (Foto: Bigstock)
Pesquisadores perceberam que os pacientes com Alzheimer têm uma alteração em uma região específico da retina (Foto: Bigstock) | Foto:

O diagnóstico do Alzheimer, atualmente, não conta com o benefício de um exame ou de marcadores no sangue que indiquem a presença da doença neurodegenerativa. Médicos neurologistas e geriatras se apoiam no histórico do paciente, nos relatos dos familiares, no uso de escalas e na exclusão de outras doenças, mas um novo estudo promete mudar essa avaliação no futuro.

Uma pesquisa divulgada pela revista científica Ophthalmology Retina, sugere que os pacientes com Alzheimer teriam uma redução na espessura de uma camada da retina chamada de fóvea. Assim, ao serem avaliados pelo exame de olho Angio OCT (ou OCT angiográfico), essa diferença se destacaria e poderia servir como uma ferramenta para o diagnóstico do Alzheimer.

>>> “Cuido de quem cuidava de todos nós”, diz estudante sobre mãe com Alzheimer

Os resultados, porém, ainda não surpreendem os médicos especialistas. Primeiro porque foram avaliados apenas 39 pacientes com Alzheimer durante o estudo e segundo porque não há um número “mágico” que indique a espessura dessa região da retina, conforme explica Elizabeth Guimarães, médica oftalmologista do hospital Santa Casa, de São Paulo, e membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia.

“É uma camada vascular da região da fóvea sem um número mágico para a sua espessura. E, além disso, cada aparelho oferece um número. Então é difícil usá-la como parâmetro por enquanto”, explica a médica.

Pesquisa  recente sugere que os pacientes com Alzheimer teriam uma redução na espessura de uma camada da retina chamada de fóvea. (Foto: Bigstock)

Ainda assim, Guimarães espera um avanço nas pesquisas e, se houver a comprovação que existe uma alteração do tipo em todos os pacientes, e principalmente em qual fase do Alzheimer, o exame pode servir de ferramenta para o diagnóstico precoce.

“Isso pode virar um instrumento importante para pessoas que tenham Alzheimer na família, ou algum tipo de alteração da memória recente, que já é um sinal da doença. O exame pode ajudar a fechar o diagnóstico, mas não pode ser usado sozinho”, reforça a especialista.

Novos exames, novos tratamentos

Alzheimer não tem, por enquanto, uma cura e nem um tratamento que reduza o avanço da doença neurodegenerativa. Os medicamentos usados hoje pelos pacientes visam o controle dos sintomas, de acordo com Gustavo Franklin, médico neurologista do Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Paraná (HC/UFPR).

“A medicação é sintomática. Se o paciente esquece, prescrevo o remédio que potencializa a memória. Mas o processo de degeneração, da morte celular, continua e não temos como interromper isso. Agora, entender melhor o que acontece ajuda a, no futuro, prevenir a doença”, explica o médico. 

Dos sinais que indicam a presença da doença é importante que a família fique atenta aos sintomas cognitivos. Por exemplo, a perda de memória recente, dificuldade em perceber uma situação de risco, esquecimento e dificuldade de localizar-se no tempo e no espaço, entre outros.

Segundo informações divulgadas pela Associação Brasileira de Alzheimer, o avanço da idade é considerado o principal fator de risco. A partir dos 65 anos, o risco para dobra a cada cinco anos.

>>> 7 sintomas pouco conhecidos do mal de Alzheimer

Mulheres também estão em maior risco, principalmente porque elas tendem a viver mais que os homens. Quem tiver familiares com a doença de Alzheimer, o acompanhamento com os médicos neurologistas deve ser mais frequente.

“Embora a doença não seja considerada hereditária, há casos, principalmente quando a doença tem início antes dos 65 anos, em que a herança genética é importante. Esses casos correspondem a 10% dos pacientes com Doença de Alzheimer.”, aponta a ABRAz.

Prevenindo o Alzheimer

Não há formas de prevenir, efetivamente, a doença de Alzheimer, mas algumas medidas podem colaborar, como:

  • Vida fisicamente mais ativa;

  • Bons hábitos alimentares;

  • Atividade intelectual exercitada;

  • Controle de outras doenças crônicas, como hipertensão, diabetes e obesidade;

  • Redução do tabagismo e do sedentarismo.

>>>READ IT ON WISEUP NEWS

LEIA TAMBÉM

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.