Patrocínio

Hospital Pilar X-Leme Diagnóstico Por Imagem Mantis Diagnósticos Avançados

Entidades discutem redução da idade mínima para uso de repelentes em crianças

Diminuir dos dois anos aos dois meses de idade poderia aumentar a segurança e proteção das crianças contra doenças como dengue, febre chicungunha e zika

(Foto: Bigstock)

De dois anos para dois meses de idade é a redução que a Sociedade Brasileira de Infectologia quer propor ao Ministério da Saúde e à Anvisa para o uso de repelentes em crianças, no Brasil. Os repelentes a base de Icaridina e DEET são os funcionam por mais tempo contra o mosquito Aedes aegypti, transmissor dos vírus da dengue, febre chicungunha e zika. Os produtos do tipo IR3535 são permitidos a partir dos seis meses de idade.

LEIA TAMBÉM:

<<< Fones de ouvidos em bebês recém-nascidos podem causar lesões na audição>>>

<<<Café da manhã é nova tendência para casamentos>>>

Estudos têm mostrado que os três tipos de repelentes, segundo informações da SBI, são seguros para uso em gestantes, e portanto poderiam ser liberados para mulheres durante a gravidez. Outra orientação da entidade é com relação à amamentação. De acordo com a SBI, como não há documentos que comprovem a transmissão do víruz zika pelo leite materno, a sociedade também recomenda o aleitamento mesmo em casos de zika.

Mais proteção

Além do uso de repelentes, a entidade recomenda o uso de telas em janelas, manutenção das janelas fechadas, mosquiteiros com ou sem inseticidas, uso de roupas que restrinjam as áreas expostas do corpo, aerossóis com inseticidas e serpentinas com piretroides.

8 recomendações para você

Deixe seu comentário