Nem os pequenos escapam das enxaquecas

Enxaqueca não tem idade, mas sintomas e tratamentos são diferentes entre os pequenos. Conheça os sinais da doença e como combater

Dores de cabeça crônicas não têm idade para aparecer. Crianças de qualquer idade podem sofrer com elas, embora os sintomas sejam diferentes das dores nos adultos, e merecem mais atenção.

Se nos adultos a enxaqueca costuma surgir apenas em um lado da cabeça, podendo durar de quatro horas a três dias, nas crianças os sintomas aparecem na forma de uma dor intensa na região frontal ou em ambos os lados. As crises também tem uma duração menor, de duas horas a três dias, em casos extremos.

Os episódios podem vir acompanhados de náuseas com ou sem vômito, intolerância a luz, ruídos e odores, em qualquer faixa etária. Antes mesmo de sentir dor, algumas crianças tendem a ficar com a visão distorcida ou com formigamento em um dos lados do corpo.

Causas

Grande parte dos casos de enxaqueca infantil tem uma explicação genética. É bastante comum que um ou ambos os pais também sofram com o problema. Apesar de não ter cura, a enxaqueca infantil pode ser minimizada se os pais ou a própria criança souberem reconhecer os sinais de que o incômodo está a caminho.

“O cérebro de uma pessoa que tem enxaqueca reage a alguns estímulos de forma diferente. A ansiedade por uma viagem da escola, por exemplo, é capaz de desencadear uma crise nas crianças que têm essas dores crônicas. Mais de quatro horas em jejum e excesso ou falta de sono (oito a nove horas por noite é o ideal) também podem colaborar para ativar uma crise em quem já tem essa predisposição”, explica Fernando Kowacs, neurologista do Hospital Moinhos de Vento.

O estresse também influencia no surgimento da enxaqueca, sendo representado pelo excesso de atividades na rotina das crianças, de acordo com Alexandre Guerreiro, neurologista do Instituto de Doenças Neurológicas do Hospital Mãe de Deus.

Alguns alimentos são desencadeantes da dor para certas crianças, devido às substâncias presentes na sua composição. Queijos, chocolates, leite e derivados, frituras, adoçantes artificiais, chás, café e refrigerantes são exemplos.

Fique de olho

Observe a frequência com que a criança se queixa de dores de cabeça. O diagnóstico da enxaqueca é clínico e deve ser feito por um médico. Uma sugestão é que os pais façam uma espécie de diário da cefaleia, anotando datas, intensidade, horário, localização, sintomas associados, possíveis fatores desencadeantes e necessidade de uso de analgésicos.

8 recomendações para você

Deixe seu comentário