PUBLICIDADE

Saúde e Bem-Estar

Gripe ainda traz risco de surto global mortífero, dizem especialistas

Capacidade de mutação do vírus e falta de ações coordenadas entre os países são algumas das falhas que podem gerar o problema

Surto de gripe de 2009 é uma das provas que nova onda da doença é possível, dizem especialistas. Foto: Bigstock.

Há cem anos, a Primeira Guerra Mundial devastava o planeta, mas um desastre muito pior estava prestes a começar. No dia 11 de março de 1918, nos Estados Unidos, era registrado o primeiro caso do que viria a ser a pandemia mais mortífera da história. Enquanto a guerra matou 20 milhões de pessoas em quatro anos, o vírus do que ficou conhecido como gripe espanhola mataria de 50 milhões a 100 milhões em apenas alguns meses, infectando um terço da população mundial.

Um século depois, se a humanidade corre algum risco de enfrentar uma nova pandemia como aquela, o vírus da influenza continua sendo o principal candidato, apontam especialistas.

“Os vírus respiratórios são nossa maior preocupação em relação ao aparecimento de uma nova pandemia. Hoje, temos muito mais recursos na medicina para lidar com uma situação dessas do que em 1918. Mas temos uma população muito maior, o mundo está muito mais conectado, viajamos mais e mais rápido, e temos megacidades, onde um vírus desse tipo se transmite em velocidade alucinante”, afirma Sylvie Briand, diretora do Departamento de Ameaças Infecciosas da Organização Mundial de Saúde (OMS).

> Época de Gripe nos Estados Unidos é a pior em 15 anos: 37 crianças morreram 

Óbitos pela doença

Ela lembra que o causador da gripe espanhola foi o vírus da influenza A, ou H1N1, o mesmo que causou a pandemia de “gripe suína” de 2009, que matou mais de 18 mil pessoas. Na época, Sylvie era diretora do Programa Global de Influenza da OMS. Para ela, porém, a mortalidade sem precedentes da gripe espanhola dificilmente se repetirá, já que o contexto de 1918, com uma guerra mundial em curso, teve um papel crucial na gravidade da pandemia. Incessantes movimentações dos exércitos e as péssimas condições de higiene, nutrição e saúde – tanto nas trincheiras quanto nas cidades – aumentaram a abrangência do vírus.

“Além disso, não havia a capacidade de diagnósticos que temos hoje, não havia antibióticos e antivirais. Hoje, em tese, temos armas para evitar uma situação como aquela. O que não sabemos é até que ponto essas armas serão suficientes para proteger a todos, já que a população mundial cresceu muito em um século”, diz.

Planejamento

A pandemia de 2009 mostrou à OMS que as ações contra uma pandemia atualmente precisam ser extremamente coordenadas, envolvendo todos os países. “Estamos todos ligados. Se um vírus novo aparecer em um determinado país, ele chegará a todos os continentes em menos de nove semanas.”

Durante o surto de 2009, uma vacina chegou a ser produzida quando o vírus foi identificado, mas levou alguns meses para começar a ser distribuída. Depois disso, a OMS criou um plano de ação global para vacinas de influenza, que estabelece procedimentos para que os produtores de vacina respondem mais rapidamente a um risco de pandemia. “Aprendemos muito, mas não sabemos até que ponto conseguiremos reagir de forma rápida o suficiente quando surgir uma nova pandemia”, disse Sylvie.

Mutações

A capacidade do vírus da influenza de modificar constantemente suas características genéticas também contribui para dar a ele o título de principal ameaça, de acordo com Alexander Precioso, diretor do Laboratório Especial de Ensaios Clínicos e Farmacovigilância do Instituto Butantã.

> Vacina única para gripe está no horizonte da ciência 

“Hoje, se pensarmos no risco de uma nova pandemia, certamente o vírus mais propenso para isso é o influenza, em especial o tipo A, que tem capacidade de sofrer mudanças estruturais no seu material genético, de se reorganizar e criar algo novo”, explica.

“Essa é uma possibilidade eterna que faz com que o vírus tenha capacidade de se modificar contínua e rapidamente. Só isso já pode fazer surgir um influenza A totalmente novo para qualquer um de seus hospedeiros – aves, suínos e o ser humano -, o que vai sempre conferir um risco de pandemia”, afirma Precioso.

Conjuntura favorável

Segundo ele, quando se fala no risco de pandemias, é preciso considerar dois aspectos: um agente infeccioso novo, para o qual a população não tenha imunidade, e condições globais que possam favorecer ou não a ocorrência da pandemia. Em 1918 havia as duas coisas. O vírus era novo, com uma capacidade de disseminação muito elevada, e que encontrou uma população suscetível.

O que muda hoje é justamente a condição global, com maior vigilância de novos vírus, capacidade de produzir vacinas com relativa agilidade e melhores condições de saneamento, habitação e alimentação. Ele não acredita, porém, que esteja descartado o risco de acontecer algo como em 1918. O surto de 2009, diz, foi um exemplo disso. “Existem instrumentos para agilizar o processo, mas a vacina não fica disponível de um dia para o outro”, pondera.

Busca por novos vírus

Os investimentos na descoberta de novos vírus são fundamentais para evitar que uma pandemia como a de 2018 se repita, defende o médico e biofísico Carlos Morel, pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e coordenador do Instituto Nacional de Inovação em Doenças Negligenciadas.

No fim de fevereiro, Morel e colegas anunciaram na revista Science a criação de uma força-tarefa mundial para identificar novos vírus que poderão ameaçar a humanidade no futuro. Batizada de Projeto Viroma Global, a iniciativa será lançada no fim do ano.

Segundo Morel, um dos principais alvos para a busca de novos vírus são locais populosos onde há um contato muito estreito entre pessoas e aves ou mamíferos, como os mercados da China. “Podemos dizer que os vírus como os da gripe têm o genoma partido em pedacinhos. Se houver dois vírus diferentes circulando juntos, um deles em humanos e outro em suínos, por exemplo, é possível que esses pedacinhos se misturem, gerando um novo vírus”, explica Morel.

De acordo com ele, os vírus da influenza não podem ser subestimados. Depois da epidemia de H1N1 em 2009, os cientistas voltaram a estudar a gripe espanhola, publicando grande número de estudos sobre o vírus. Em 2005, um grupo de pesquisadores já havia sequenciado o genoma do vírus de 1918, que fora extraído do cadáver de uma vítima da pandemia encontrado congelado no permafrost (solo congelado) do Alasca.

“Os vírus da gripe podem ser inofensivos ou mortais, porque seu genoma muda em velocidade alucinante – e os estudos sobre o vírus da gripe espanhola nos ensinaram que essa diferença na periculosidade dos vírus tem relação direta com a sua estrutura e com as mutações que ela sofre. Foi quando começamos a estudar a estrutura desses vírus que pudemos mapear o que lhe confere periculosidade. Isso é fundamental para desenvolvermos vacinas e terapias”, afirmou Morel.

LEIA TAMBÉM 

PUBLICIDADE