Patrocínio

Hospital Pilar Instituto de Oncologia do Paraná

Câncer de pele em miss teve uma causa: fazer unhas em excesso

A mancha preta indicou um melanoma subungueal, tipo de câncer raro, mas muito grave. A modelo demorou para notar, pois estava sempre de esmalte

Karolina Jasko precisou tirar a unha do polegar direito para eliminar o câncer. Foto: Reprodução/Facebook

Karolina Jasko tem 20 anos e é a atual Miss Illinois, um dos estados que compõem os Estados Unidos. Quando tinha 18 anos, ela percebeu uma linha preta que ia da base à ponta da unha de seu polegar direito. Intrigada, procurou um médico e descobriu que estava com câncer de pele.

“O médico disse que eu provavelmente tive isso por fazer minhas unhas no salão, pela luz”, contou Karolina ao canal americano Fox News. “Eu tinha uma linha preta vertical no meu polegar direito e nunca tinha percebido porque estava sempre com esmalte.” A mancha preta na unha da miss indicava um melanoma subungueal, tipo de câncer raro, mas muito grave. Tão grave que ela precisou extrair a unha do polegar direito.

No entanto, segundo Giseli de Mattos Diosti Stein, dermatologista especialista da Sociedade Brasileira de Dermatologia e membro do grupo brasileiro de melanoma, não há motivo para pânico. “Parece que a quantidade de raios UV a que a mulher é exposta nesses procedimentos é muito pequena para induzir um melanoma. Até agora não existem casos suficientes para sugerir uma relação direta [entre o uso dessa luz UV e o desenvolvimento de câncer de pele ou de unha].”

Para Giseli, o caso de Karolina pode ter sido uma coincidência. Mesmo assim, o conselho da especialista é que as mulheres que têm o costume de aplicar unhas de gel usem, durante a exposição à luz UV, luvas que deixem apenas as pontas dos dedos expostas. Esse cuidado vai evitar o envelhecimento da pele.

A modelo precisou extrair a unha do polegar direito. Foto: Reprodução/Fox News

Fique atento

Ainda de acordo com a dermatologista, o melanoma representa 10% de todos os cânceres de pele. O melanoma subungueal, por sua vez, corresponde a algo entre 1% e 3% de todos os casos de melanoma. Ter uma mancha escura na unha não quer dizer, portanto, que alguém tenha câncer.

Na maior parte das vezes essas manchas são benignas. “De todos os casos de manchas escuras na unha, que chamamos de melanoníquia, 5% podem ser câncer. Mas, em qualquer caso de mancha escura nas unhas, o paciente precisa consultar o dermatologista. É ele que vai poder dizer se aquela mancha é ou não é benigna”, orienta Giseli.

Procurar um especialista é fundamental porque o câncer de unha é bastante letal. A dermatologista pontua que a sobrevida dos pacientes cinco anos após o diagnóstico é de apenas 30%. Ela lembra que o mundialmente famoso cantor de reggae Bob Marley morreu justamente por causa de um câncer assim.

O diagnóstico precoce aumenta muito as chances de sobrevivência. Os lugares mais comuns para o aparecimento dessas manchas são o polegar, depois o dedão do pé e, em terceiro, o indicador. Negros e pessoas com mais de 50 anos têm mais chances de desenvolver a doença.

Assim como aconteceu com Karolina, o tratamento para esse tipo de lesão é a extração. “Se for um melanoma tem que fazer uma remoção de todo o aparato ungueal, unha, pele ao redor da unha e tudo mais. Quando o diagnóstico é precoce muitas vezes isso já resolve. Se for um diagnóstico tardio pode ser indicada até mesmo a amputação do dedo”, explica Giseli.

LEIA TAMBÉM:

8 recomendações para você

Deixe seu comentário