i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde e Bem-Estar

Mulheres que se preparam para menopausa têm uma qualidade de vida maior

Declínio natural da produção hormonal dos ovários pode causar muito desconforto, mas existem alternativas que amenizam os sintomas

  • PorCecília Aimée Brandão, especial para a Gazeta do Povo
  • 16/11/2018 04:00
Algumas dicas podem ajudar a amenizar os sintomas e deixar o corpo mais bem preparado para o período de oscilação. Foto: Bigstock
Algumas dicas podem ajudar a amenizar os sintomas e deixar o corpo mais bem preparado para o período de oscilação. Foto: Bigstock| Foto:

A vida das mulheres é uma montanha russa hormonal: a primeira menstruação, as TPMs, a gravidez e, por fim, mas não menos estressante, a menopausa. Desde a adolescência os hormônios interferem na rotina de alguma forma e cada corpo reage de um jeito. No entanto, para a menopausa, algumas dicas podem ajudar a amenizar os sintomas e deixar o corpo mais bem preparado para o período de oscilação.

“A menopausa é quando a mulher passa um ano sem menstruar, com a diminuição natural de produção hormonal dos ovários. No entanto, o período do climatério, que antecede essa interrupção e se estende após o término do ciclo menstrual, pode durar até dez anos”, explica a ginecologista Maria Eduarda Souza, da Paraná Clínicas. Mas não há motivo para pânico: “esta é só mais uma fase na vida hormonal da mulher e, como as outras, vai passar”, tranquiliza.

>> Idade de Susana Vieira pode ter contribuído para a leucemia; entenda os sintomas

O ideal é que a partir dos 35 anos a mulher tome consciência de que esta fase vai chegar (entre os 45 e 55 anos) e comece a promover mudanças que tenham como objetivo aumentar a qualidade de vida e promover a saúde de forma integral. “Parar de fumar, limitar ingestão de bebidas alcoólicas, alimentação adequada e atividade física são essenciais. O resto é genético e não temos como influenciar. A dica é conversar com a mãe, avós e irmãs, pois a tendência é que o corpo reaja de forma muito semelhante”, orienta Maria Eduarda.

As desculpas para adiar as mudanças de hábitos são muitas, mas também os incentivos a uma vida mais ativa (Foto: Bigstock)
As desculpas para adiar as mudanças de hábitos são muitas, mas também os incentivos a uma vida mais ativa (Foto: Bigstock)

O tratamento dos incômodos, no entanto, fica mais eficiente se for iniciado logo no aparecimento dos primeiros sinais, e podem incluir da mudança de hábitos às terapias hormonais com medicamentos. “Não podemos atrasar o processo, mas é possível viver de forma mais suave e sem traumas”, diz Maria Eduarda.

Sintomas

Os sintomas variam, mas muitas doenças podem surgir no período caso não sejam adotadas medidas saudáveis, “problemas cardiovasculares, obesidade, diabete, osteoporose e depressão podem começar a dar sinais”, explica a ginecologista cooperada da Unimed Curitiba, Rosane Frecceiro. “O que mais incomoda as pacientes são os sintomas que interferem na qualidade de vida, como as ondas súbitas de calor, suor noturno, secura vaginal, problemas urinários, insônia, palpitações, mudanças na pele, dores de cabeça, inchaço das mamas e no corpo, náuseas, tonturas, dores nas articulações, mudanças de humor e libido reduzida”, completa.

Conhecer os gatilhos que dão início à dor de cabeça é fundamental para o tratamento. (Foto: Bigstock)
Conhecer os gatilhos que dão início à dor de cabeça é fundamental para o tratamento. (Foto: Bigstock)

Para passar pelo climatério e menopausa com mais tranquilidade, a médica recomenda intervenções que permeiam o estilo de cada mulher, com foco no aumento da qualidade de vida.

“Na menopausa ocorre uma mudança no metabolismo. Então temos que alterar nossos hábitos desde cedo, pois somos produtos das nossas escolhas. Exercícios e nutrição saudável têm papel importante na prevenção e no tratamento de vários problemas associados à menopausa e ao envelhecimento. Com orientação clínica adequada, é possível viver com mais tranquilidade nesta fase”, explica a ginecologista Rosane.

LEIA TAMBÉM

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.