i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde e Bem-Estar

Prefeitura de Santo André descarta meningite como causa da morte de neto de Lula

No último fim de semana, o médico e ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha contestou a causa da morte do menino de 7 anos, afirmando que ele não faleceu em decorrência de meningite

  • PorGazeta do Povo, com informações da Folhapress
  • 02/04/2019 05:51
Menino Arthur não teria morrido em decorrência de meningite, mas de bactéria que causou infecção generalizada. Foto: Divulgação
Menino Arthur não teria morrido em decorrência de meningite, mas de bactéria que causou infecção generalizada. Foto: Divulgação| Foto:

A Prefeitura de Santo André confirmou nesta segunda-feira (1º) que a morte de um neto de sete anos do ex-presidente Lula não foi causada por meningite, conforme divulgado por hospital à época. Arthur Araújo Lula da Silva deu entrada às 7h20 de 1º de março no Hospital Bartira, da rede D’Or, com quadro instável, segundo boletim médico divulgado pela instituição. O quadro se agravou, e a criança morreu às 12h36 do mesmo dia.

De acordo com a nota da prefeitura, logo após a morte do menino, a Secretaria de Saúde local encaminhou amostras coletadas no hospital para análise e confirmação do Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo.

>> Silenciosa e agressiva, meningite pode deixar sequelas e é letal em 20% dos casos

Ainda segundo a prefeitura, os exames descartaram “meningite, meningite meningocócica e meningococcemia“. “Todos os procedimentos de proteção e profilaxia dos comunicantes foram realizados seguindo os protocolos do Ministério da Saúde. Informações adicionais relacionadas ao caso dependem de autorização expressa da família da criança”, diz a nota da prefeitura.

Procurada no fim de semana, a família do ex-presidente não quis se pronunciar a respeito da causa da morte de Arthur.

“Crime ético”

No último fim de semana, o médico e ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha contestou a causa da morte do menino de 7 anos, afirmando que ele não faleceu em decorrência de meningite meningocócica, conforme divulgou o Hospital Bartira, de Santo André, no dia 1º de março.

Ainda no dia do falecimento de Arthur, o deputado entrou com um requerimento de informações ao hospital para esclarecer o vazamento do óbito, o que considerou um “crime ético”.

Em post no Facebook, Padilha afirma que a divulgação supostamente equivocada foi “uma irresponsabilidade com a saúde pública, propagando o medo de contágio, fazendo com que famílias corressem para vacinar seus filhos”.

Segundo ele, vacinas foram comercializadas por até R$ 1.100. Há doze tipos de meningite meningocócica, todas transmitidas por um grupo de bactérias, mas a rede pública de saúde oferece vacina apenas para o tipo C.

A causa da morte, “agravamento do quadro infeccioso de meningite meningocócica”, foi noticiada por um blog do jornal O Globo minutos após o óbito do menino e confirmada pela assessoria do hospital.

No dia 1º de março, a instituição de saúde afirmou que o paciente apresentava “cefaleia, febre, mialgia, exantema, cianose, náuseas e dores abdominais”. O quadro do menino evoluiu para confusão mental e ele veio a óbito.

A Gazeta do Povo entrou em contato com o hospital na manhã desta terça-feira (2) para verificar a causa da morte, mas a instituição afirmou que não se pronunciará.

LEIA TAMBÉM

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.