Patrocínio

Hospital Pilar Instituto de Oncologia do Paraná

Idade de Susana Vieira pode ter contribuído para a leucemia; entenda os sintomas

Diagnosticada há anos com leucemia, a atriz da Rede Globo passou por tratamento e o câncer está atualmente controlado

Atriz Susana Vieira divulga câncer nas células sanguíneasAtriz Susana Vieira divulgou a luta contra a leucemia, que agora está controlada (Foto: Sergio Moraes /Reuters)

A atriz Susana Vieira confirmou, através da assessoria de imprensa, que travou uma luta contra a leucemia nos últimos anos. O tipo de leucemia — câncer com origem na medula óssea, que afeta a formação das células sanguíneas — não foi divulgado, mas a idade da atriz pode ter contribuído para o surgimento da doença. Em nota, a assessoria da atriz informou que a doença está estabilizada.

“A leucemia é a transformação de alguma célula de defesa dentro da medula, adquirindo características cancerígenas e se proliferando em cima disso. As células do sangue estão em produção todos os dias e, quanto mais tempo vivemos, maior o risco de uma dessas produções dar errado”, explica Elge Werneck, médico oncologista do Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba / Grupo Oncoclínicas.

>> Na roda-viva das dietas, saiba se o que você está comendo é de fato saudável

Dependendo da célula sanguínea prejudicada, os sintomas são diferentes. Se os glóbulos brancos tiverem a produção alterada, o paciente tende a apresentar mais infecções de repetição, como infecção urinária e herpes.

No caso dos glóbulos vermelhos, ou as hemácias, a pessoa pode ter anemia e, decorrente disso, sintomas de cansaço, fadigas e palpitações. Se houver prejuízo na produção das plaquetas, o processo de coagulação será afetado, e o paciente terá episódios de sangramento, como da gengiva e pelo nariz, manchas roxas ou hematomas e pontos vermelhos pelo corpo.

Há ainda pacientes que não apresentam qualquer tipo de manifestação clínica, especialmente em fases iniciais da doença.

“Todo sintoma que aparece no nosso organismo e que não se resolve em um curto período de tempo, e apresenta sinais de piora, é importante que se busque pelo serviço médico. Se a pessoa perceber que está mais cansada que o normal, que tem sangramento na gengiva e hematomas pelo corpo, ou infecções de repetição, procure um médico”, orienta Werneck. 

Vale também ficar atento a inchaço dos gânglios linfáticos, sem dor, na região do pescoço e axilas; febres ou suores noturnos; perda de peso sem motivo; desconforto abdominal e dores em ossos e articulações também são sintomas que podem surgir, conforme alerta do Instituto Nacional do Câncer (INCA).

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Encantada com os meus presentes! Que bolsas lindas @marolasummer!!! E o chinelo personalizado pra combinar? Amei! Amei! Amei! 💖

Uma publicação compartilhada por Susana Vieira (@susanavieiraoficial) em

Diferentes leucemias 

Embora a idade interfira no surgimento de todos os tipos de câncer, há diversos tipos de leucemia que se dividem em diferentes períodos da vida.

Segundo Elge Werneck, médico oncologista, entre os mais jovens a leucemia mais comum é a LLA – leucemia linfocítica aguda. Da idade adulta em diante, a leucemia mieloide aguda tende a aparecer com mais frequência.

A diferença entre as leucemias mieloide ou linfocítica está no tipo de célula branca (ou linfócito) afetado — linhagem linfoide ou mieloide. A estimativa do INCA para novos casos de leucemia no Brasil, segundo informações de 2018, é de 10.800 casos, sendo 5.940 entre homens e 4.860 entre mulheres.

“Não é um câncer dos mais comuns, mas também não é raro e deve ser considerado. Uma característica da doença é que, embora acometa muitos idosos, ela pode se manifestar em quase todas as fases”, explica o especialista.

Causas específicas relacionadas ao surgimento da leucemia são difíceis de apontar, mas há estudos que relacionam a exposição a produtos químicos, como inseticidas e organoclorados (substância presente em agrotóxicos, tintas, verniz e plásticos, entre outros), como o aumento no risco de desenvolvimento da doença.

Todos precisam de transplante de medula?

O tratamento das leucemias é bastante variável, conforme a apresentação da doença entre cada paciente.

Há quem precise apenas que a doença seja observada de perto pelos médicos especialistas — indo a consultas com mais frequência. E há quem precise do transplante da medula óssea, como o ocorreu com a atriz Drica Moraes, em 2010.

Faz parte também do tratamento, para casos que assim exigirem, sessões de quimioterapia.

LEIA TAMBÉM

8 recomendações para você

Deixe seu comentário